30 de junho de 2014

O adeus às aulas na escola do Viso

 

image

É oficial. A escola primário do Viso, aqui na freguesia de Guisande, é uma das seis que no concelho da Feira já não abrirá as portas no início do próximo ano lectivo. De resto é uma “morte” que já vinha sendo anunciada há alguns anos. Os motivos são por demais conhecidos: Baixa natalidade no país e consequente redução drástica do número de nascimentos, logo falta de crianças, e, como não podia deixar de ser, em grande parte devido a más políticas de sucessivos governos que conduziram a esta situação, desde logo por nunca terem tido uma acção de verdadeiro apoio e incentivo à natalidade. Por outro lado, a redução de professores e a concentração das crianças em centros escolares, a desfavor de políticas de proximidade, mesmo que isso represente custos, é igualmente uma das causas que aos poucos têm aniquiliado muitas localidades no interior do país que a cada instante veem perder os seus elementos de identidade comum, como é o caso das escolas primárias, postos médicos, estação dos correios, etc.

É claro que é uma inevitabilidade, mas deixa pena e deixa sobretudo um mau pressentimento sobre o futuro deste pobre país que aos poucos vai definhando, perdendo o vigor e renovação que as novas gerações transmitem a uma sociedade. Somos, por isso, já um país de velhos, não inúteis, obviamente, mas por força das circunstâncias, uma população que já pouco pode dar ao seu desenvolvimento.

A velhinha escola do Viso, já com mais de sessenta anos, e toda a zona envolvente, no Monte do Viso, vai deixar assim de ter  a alegria do bando de crianças e das suas brincadeiras. Por lá passaram e aprenderam várias gerações de guisandenses. Recordo-me de quando nela entrei para a primeira classe, ali por 1968, em que por lá aprendiam pelo menos umas 60 crianças divididas pelas quatro classes. Mas as crianças em Guisande  ainda eram mais pois ainda nos anos 60 foi necessário edificar a escola primária da Igreja onde para lá mudei para a segunda classe em 1969. Custa, pois, a crer que em apenas 40 anos a freguesia tenha sido tão dramaticamente reduzida no número de crianças. Mas Guisande é apenas o retrato do resto do país.

Apesar de toda esta tristeza, resta-nos a consolação de que o edifício vai ser entregue ao Centro Social S. Mamede de Guisande que nele dinamizará um Centro Cívico. As instalções estão em bom estado e serão oportunamente realizadas obras de ampliação, no que em muito enriquecerá o edifício. Será assim um espaço de partilha de vivências e convivências dos utentes associados. Estamos certos que com tempo para lá voltarão, já como idosos, pessoas que por ali aprenderam enquanto crianças. Será, pois, um ponto de encontro do ciclo da vida, um regresso às raízes da nossa infância no que trará certamente um misto de alegria, de  melancolia e saudade.

Saudosa escola do Viso,
À sombra do velho sobreiro,
Ecos de alegria e riso
Ressoam de um tempo primeiro.

Jogos, brincadeiras, folguedos,
Contas, ditados e escritas,
Tuas paredes guardam segredos
Memórias doces e bonitas.

Em ti aprendi a ler,
Nos livros que ainda guardo,
A fazer contas, a escrever
No caderno o ditado.

Professoras e meus colegas,
Rostos que ainda retenho;
Corridas, pião, cabra-cegas
Mas nas aulas, sempre empenho.

Por tudo isso, velha escola,
Saudades já tenho de ti,
Dos livros e lápis na sacola,
Letras e contas que aprendi.

Até agora, que morreste,
De tantos que partiram,
Quantas crianças acolheste,
Quantas lições te ouviram?

Já com as rugas da velhice
Regressam a ti de verdade;
Falta-lhes a cor da meninice,
Sobra-lhes a doce saudade.

Comente com o Facebook:

Sem comentários:

Enviar um comentário

Comentários sujeitos a prévia moderação. Comente com elevação e de forma contextualizada.