Mostrar mensagens com a etiqueta Opinião. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta Opinião. Mostrar todas as mensagens

6 de maio de 2022

Deus no céu, Indáqua na terra

De acordo com o Correio da Feira, há dias, em reunião de Câmara, após consultar o relatório anual (2021) à concessão dos serviços de abastecimento de água e de saneamento no concelho de Santa Maria da Feira, elaborado por uma comissão de acompanhamento, o socialista Sérgio Cirino manifestou-se em desacordo, mostrando-se “perplexo” pela falta de inclusão da opinião dos consumidores no relatório. 

“Quem recebe os serviços são os consumidores. Apresentar um relatório à concessão que não inclui a opinião dos consumidores, parece-me manco”, considerou. “Estamos a falar do contrato mais complexo de execução que existe no Município e vejo um relatório que não tem nada de crítico. Não há análise crítica ao que está bem e mal, por isso este relatório deixa de cumprir com as suas funções. Deus no Céu e Indaqua na Terra, pois a Indaqua é o Deus do nosso Concelho. Se lesse uma publicidade ou brochura da Indaqua não era tão laudatória como este relatório, o que retira a sua utilidade. Deve ser solicitado um trabalho mais apurado”,

Ora eu não sei se é mesmo “Deus no Céu e Indaqua na Terra”, mas  face ao papel de concessionária e dela a exclusividade, é certo que à empresa parece permitir-se uma série de situações que nem sempre são as mais recomendáveis.

Ainda hoje, na Estrada Nacional 223, em Arcozelo - Caldas de S. Jorge, em plena curva fechada, uma equipa de manutenção da Indáqua, estava ali a fazer uma qualaquer intervenção, com o carro a ocupar meia faixa, apenas com uns cones a circundar a zona de intervenção e sem qualquer sinalização antes ou depois. O triângulo a alertar os condutores parece ser, assim, um pingarelho só exigido aos comuns mortais.

O facto de ser numa curva fechada e numa estrada de muito movimento realça a gravidade da coisa, mas aparentemente ninguém se incomoda. É o pessoal da Indáqua e para esses não deve haver regras, uma das vantagens do endeusamento.

Houvesse um acidente e grave...

29 de abril de 2022

Instinto

Os julgamentos hão-de ser feitos por quem de direito. Espera-se!

Como adepto do ciclismo, sempre me pareceu que a supremacia dos atletas da W52-F.C. Porto ía para além das pernas e treino, não dando hipótese mesmo aos melhores da concorrência. Sobretudo pelos espanhóis que apesar do peso da idade pareciam reis em terras de cegos, ganhando umas atrás das outras com a facilidade de um actual Roglic ou Pogaçar.

A ver vamos, mas compreende-se a tentação desta e doutras equipas e dos seus atletas em quererem mostrar serviço, mesmo em contextos controlados e escrutinados. Os prémios, os troféus, o prestígio, valem o risco, pensarão. No fundo nada se aprendeu com casos como o do Lance Armstrong. De resto a coisa nem é exclusiva desta modalidade.

Mas percebe-se a tentação. Afinal, mesmo os simples amadores, e eu vejo-os por aí, andam todos artilhados e neles vemos o sentido de competição sempre ao rubro e as pastilhas e super gelatinas vão andando nos regimes só para se fazer boa figura. Os troféus são estampados nas redes sociais com médias, ritmos e poses. A febre generaliza-se.

Em rigor somos todos da mesma massa e como tal egocêntricos e vaidosos, sempre tentados a mostrar que o nosso pirilau é maior que o dos outros. Dizem que isto faz parte do nosso ancestral instinto, mesmo de quando não tínhamos inventado a roda. 

19 de abril de 2022

Almoço do Juiz da Cruz 2022




Depois de um interregno de dois anos (2020 e 2021) devido às restrições decorrentes da pandemia, mesmo que ainda com cuidados e algumas limitações, foi possível realizar a tradicional Visita Pascal com o Campasso dividido em três cruzes a percorrer a nossa freguesia. O dia esteve bonito, com sol e calor, no que ajudou ao serviço.

O Juiz da Cruz,  por desistência do correspondente eleito, foi Carlo Alberto de Oliveira Santos, de Linhares - Casaldaça, que se havia voluntariado para a função e que manteve o propósito apesar da pausa.

Ontem, Segunda-Feira de Páscoa, 18 de Abril, teve lugar o habitual Almoço do Juiz da Cruz. Considerando que o anterior local nos últimos anos (desde 2013) havia encerrado, o evento decorreu agora no restaurante "Pedra da Lage", conhecido como o restaurante da Júlia, no lugar do Outeiro, também na freguesia de Gião.

Foram cerca de 80 os presentes, incluindo os participantes no Compasso da Páscoa e ainda o nosso pároco Pe. António Oliveira e também do Pe. Benjamim Sousa que colaborou nos serviços religiosos do Tríduo Pascal. Inclusive ontem de manhã celebrou a missa, muito participada, pelas 10:00 horas.

A sala, numa Cave, não tinha as condições mais adequadas para o número de participantes, obrigando a uma disposição de mesas algo desordenada e com espaços de circulação exíguos. O serviço teve algumas falhas, com atraso entre os pratos, recolhimento de louça e celeridade no fornecimento de bebidas. Ainda um lapso inicial em que a canja como primeiro prato quente a ser servido acabou por não chegar para todos os comensais, como foi o meu caso e de quem me acompanhava numa mesa de 6 pessoas. Algo falhou.

Seja como for, sabemos que nem sempre estas coisas correm pelo melhor sob um ponto de vista de funcionalidade e organização, mas em todo o caso será sempre desejável que saiam tão bem quanto possível de modo a não desprestigiar o evento nem gerar descontentamentos dos participantes menos dados a tolerâncias.

De muito positivo, as presenças do nosso pároco Pe. António Oliveira e do Pe. Benjamim, bem como o facto da tradição ter sido cumprida, tanto mais que depois do tal interregno forçado e indesejado. 

Também de enaltecer o voluntarismo e o esforço do Sr. Juiz da Cruz em ter tomado a responsabilidade da função e com ela o arcar das consequentes responsabilidades e canseiras. Parece fácil mas só por quem por elas já passou é que as compreende totalmente.

Quanto à tradição propriamente dita, a do Almoço do Juiz da Cruz, sabemos todos que já teve melhores dias no que respeita à importância e valor que lhe dávamos e que tem sofrido diversas adaptações ao longo dos anos, por um lado devido a algumas inevitabilidades, como a mudança do local do banquete (durante muitos anos na própria freguesia de Guisande e que assim deixou de ser desde 2013), mas também porque enquanto comunidade fomos descurando o interesse da coisa. Mesmo o processo antigo da eleição está praticamente perdido e por desistências e manifestações prévias de não desejarem entrar na escolha, por parte de potenciais candidatos, o certo é que neste momento não há juizes eleitos, quando, dentro da normalidade, deveriam existir pelo menos dois adiantados.

Confesso que não sei qual o modelo que virá a seguir e nem isso me preocupa face à situação de erosão aqui chegada, mas provavelmenete será idêntico ao já praticado em muitas paróquias em que não há propriamente um Juiz da Cruz.

Pessoalmente sinto alguma pena porque apesar de algumas vicissitudes do próprio sistema de eleição, que durante anos chamei à atenção para a necessidade de melhoramento, a tradição tinha alguns aspectos positivos e provinha de raízes que eram muito nossas, muito particulares e que ao fim de todo este tempo, por algum desmazelo e mesmo alguma desconsideração parece estar irremediavelmente perdido. 

Teria sido fácil, parece-me, que no devido tempo tivessem sido feitas as alterações que valorizassem e dignificassem o precesso da escolha e eleição, mas nunca foram por aí aqueles que de algum modo tinham responsabilidades. Assim, bem ou mal, eis-nos chegados à situação actual.

Vamos ver no que dá para o futuro e oxalá que pelo menos o espírito pascal se mantenha inalterado e que continue a ser um importante elemento agregador da nossa freguesia e paróquia enquanto comunidade. 

Oxalá que sim!

16 de abril de 2022

Cuidado com o cão, ou talvez não.


Quantas vezes não rotulamos as pessoas com considerandos menos positivos mas que na realidade não correspondem aos seus verdeiros valores? Por conseguinte, nem sempre somos justos nessas apreciações de carácter. Mas também é verdade que algumas pessoas se comportam nem sempre de acordo com a sua verdadeira natureza: Se são maus como as cobras fingem ser bons, mas se são bons fingem ser maus. Outros, porém, não enganam mesmo, nem a si próprios nem aos semelhantes e mesmo à distância já se identificam. 

Neste contexto, algumas pessoas são como aquele cão que habitualmente vejo nas minhas caminhadas ao final das tardes, num certo sítio da nossa freguesia. O sinal afixado ao portão com o clássico aviso de "Cuidado com o cão" parece ter correspondência com o animal ali confinado dentro dos portões, sempre numa atitude raivosa como quem, com oportunidade,  quer marcar todos os seus dentes nas nossas nalgas, mas que, afinal poderá ser apenas fogo de vista. E isto porque um dia destes, dei com o tal cão, longe do seu território, à solta, mas que quando passei por ele, afinal nem fez chus nem mus, e pouco depois acompanhou-me durante uns trezentos metros como se eu fosse o seu dono, e mesmo na sua casa, com o portão escancarado, passou e andou não sem antes levantar a perna a marcar o território que, afinal, já era o seu.

Em resumo não lhe ouvi um único latido nem lhe vi um único dente e nem parecia o mesmo cão raivoso e barulhento dentro de portas. Ainda bem, porque se fosse perigoso à solta como preso, poderia dar mau resultado, para as vítimas, para o dono e para ele próprio.

Mas, antes assim. Afinal dispensava-se o tal sinal com o aviso "Cuidado com o cão", porque parece ter apenas um objectivo de bluff. Ali mora um cão raivoso mas que na verdade é um paz de alma.

4 de abril de 2022

Entretenimento


Por uma mera casualidade, numa busca online, percebi que há por este país fora vários estabelecimentos escolares de tipologia EB2.3, ou outras, designadas de Viso. Em locais como Vila Nova de Gaia, Porto, Figueira da Foz, Setúbal, Viseu. etc.

É claro que também tivemos a nossa saudosa Escola Primária do Viso, de Guisande. Teve um lindo passado mas um presente ausente e um futuro igualamente sem história. Não existe. Népias. Não fora o seu excelente aproveitamento e integração no Centro Social e provavelmente já o edifício não teria telhado, nem portas nem janelas.

Os motivos são conhecidos de todos e que emanam da baixa natalidade e políticas de centralismo que não se compadecem com lirismos de cada freguesia ter a sua escola. O centrão da educação a pretexto de poupança de recursos e de melhores condições transformou as nossas escolas nuns aglomerados certamente que com muita vida mas pouca ou nenhuma alma.

Nesta razia, vai sobrevivendo o estabelecimento de Fornos, como Jardim de Infância, mas mesmo esse com necessidade de crianças de outras freguesias. E mais coisa menos coisa, poderá seguir o destino dado às escolas da Igreja e Viso.

Por cá, apesar de toda esta fatalidade, do mal o menos porque fecharam a tasca em Guisande e mandaram os clientes para Louredo ou Lobão, relativamente perto, mas no interior do país, e mesmo num interior próximo, o encerramento de escolas foi um sangramento total e as aldeias tornaram-se ainda mais vazias e tristes e a caminho de se tornarem locais fantasmas.

No fundo, para este totobola conta o tal decréscimo da natalidade mas também, em muito, as décadas de más políticas ou pelo menos de desprezo total para com o interior. Por isso, quando por ora se fala em coesão territorial no mínimo, para não chorar, dá para rir.

Mas este é um assunto que diz pouco ou nada às pessoas. Nem na generalidade as preocupa sequer. Veja-se que tendo partilhado no Facebook um apontamento que escrevi aqui sobre a natalidade na nossa freguesia, como ponto de reflexão, não colheu sequer uma única opinião ou reacção. 

No fundo andamos todos por aqui entretidos com outras coisas e coisinhas e quem ousar reflectir e fundamentar sobre temas mais estruturantes ou mesmo mexer em certas feridas, feitas as contas só arranja lenha para se queimar. 

28 de março de 2022

Fracturas expostas


Parece que o Pedro Adão e Silva, inefável defensor e propagandista de António Costa, o que é legítimo, mas talvez por isso prendado com o cargo de Comissário para as comemorações do cinquentenário do 25 de Abril, com todas as mordomias, e agora de novo re-premiado com outro cargo, o de Ministro da Cultura, terá dito que "datas fracturantes como o 25 de Novembro de 1975 não se devem comemorar".

Custa a crer que alguém nomeado para defender a nosso Cultura e logo a nossa História, se permita a esta pérola. Mas então o 25 de Novembro é fracturante? Para quem? Para quem pretendia para o país uma ditadura de esquerda? Mas então o 25 de Abril de 1974, também não foi fracturante? Claro que foi e ainda bem! Fracturante é passados 50 anos sobre essa data ainda haver gente no Parlamento declaradamente contra a democracia liberal, alguns dos quais acérrimos apoiantes de regimes como o de Putin, China, Coreia do Norte, Cuba, etc.

Considerar certos assuntos ou temas que agradam à maioria de uma certa esquerda moralista, e catalogá-los como "fracturantes" como desculpa para os não reconhecer, é adoptar uma atitude escorregadia ou mesmo covarde. Fracturante foi perdoar a terroristas de sangue, como fizeram a Otelo, e que no entanto acham estruturante que se faça dele um herói como se a sua importância e papel na revolução de 25 de Abril, indesmentível, possa ser, todavia, esponja capaz de apagar crimes de sangue e morte que varreram o país. Haja limites! 

Diria, pois, que Pedro Adão e Silva começa mal ainda entes de tomar posse. Uma data como a do 25 de Novembro de 1975 mais do que fracturante é estruturante e o nosso actual regime, com todos os defeitos e virtudes, é o que dali emanou. Mereceria e bem um feriado nacional com todas as honras. Goste-se, ou não.

Descobrir a pólvora


No início dos anos 1990, a Associação Cultural da Juventude de Guisande - ACJG,  fundia-se com o Centro Cultural e Recreativo "O Despertar", dando lugar à Associação Cultural de Guisande "O Despertar", com a união oficializada no Verão de 1994. Terminava-se uma rivalidade, nem sempre positiva, e uniam-se esforços e vontades.

Numa  das primeiras acções dessa nova associação,  no lugar do Reguengo, junto ao Moinho Velho, na  ribeira da Mota (foto abaixo), foi marcada uma jornada de limpeza e só nesse sítio foi recolhida uma carroça de tractor completamente cheia de lixo, incluindo garrafas, plásticos e roupas abandonadas por quem ali usava o tanque.

Parece que nos tempos que correm essa acção tem um nome todo catita, até em inglês (adoramos os inglesismos para coisas só nossas) para parecer moderno, embora o conceito tenha surgido na Suécia. Trata-se do PLOGGING, que grosso modo é um conceito que pretende juntar o exercício físico a acções de limpeza do meio ambiente.

Resumindo e olhando para estas coisas e para o seu mediatismo,  por vezes ficamos com a ideia de que agora é um fartote a descobrir a pólvora.

Em todo o caso, é uma ideia importante e válida, esta a de juntar exercício físico com a limpeza do meio ambiente, mas só peca por... ser precisa.

25 de março de 2022

Com Eritreia e a Coreia, juntos na diarreia

Confesso que nem estava lembrado que a Eritreia fosse um país. Mas de uma história conturbada e ocupação colonial pela por italianos e ingleses, obteve o reconhecimento da sua independência pela ONU em 24 de Maio de 1993. 

Apesar da sua Constituição a definir como um Estado republicano presidencialista com uma democracia parlamentar, a verdade é que tem sido de partido único e sem eleições desde a sua independência. Ou seja, na prática uma ditadura.

Não surpreende, pois, que a par de mais três ditaduras, Coreia do Norte, Bielorrúsia e Síria, a Eritreia tenha sido um dos quatro países de todos quantos têm representação na ONU a não condenar a Rússia pela situação de invasão na Ucrânia. 

A resolução que condena a Rússia e pede o fim da agressão, foi aprovada por esmagadora maioria nesta Quarta-Feira, pela ONU,  com o apoio de 141 dos 193 estados-membros das Nações Unidas. A resolução teve apenas cinco votos contra (Rússia, Bielorrússia, Síria, Coreia do Norte e Eritreia) e 35 abstenções.

O texto “deplora” a agressão russa contra a Ucrânia e “exige” a Moscovo que ponha fim a esta intervenção militar e retire imediatamente e incondicionalmente as suas tropas do país vizinho.

Em resumo, a Rússia comporta-se como o soldado recruta que marchando em contra-passo na companhia, to faz com a certeza que é o único que vai com o passo certo, marchando todos os demais errados. Para enfeitar o ramalhete, tem a seu lado esses quatro países do mesmo naipe que mais do que serem um importante apoio são, afinal de contas, a prova provada da sua falta de razão face à invasão, agressão e desproporcionalidade. Desculpando os termos, são merda do mesmo saco e assim vão juntos nessa diarreia de prepotência e desprezo pelo Direito Internacional. Pena que a China se abstenha numa atitude que só dá força, mas de uma outra ditadura outra coisa não se esperava.

Mas para além de tudo, para lá de mais uma condenação do mundo, a ONU nestas questões de segurança mostra-se um pingarelho sem qualquer efeito prático e a vontade de um único país pervalece sobre todos os demais. 

21 de março de 2022

Ainda o Centro Social de Guisande

Na recente apresentação pública do bonito livro de autoria de Carlos Cruz, que decorreu nas instalações do Centro Social de Guisande, no Monte do Viso, entre outras importantes figuras, esteve presente o Vereador do Pelouro da Cultura da Câmara Municipal de Santa Maria da Feira, Sr. António Gil Alves Ferreira que entre palavras de circunstância e no contexto do evento, teceu elogios às instalações do Centro. 

Quem o conhece, sabe que o Sr. Vereador fala bem e muito, mas no caso, tendo sido simpático, não terá dito nada de mais, apenas uma constatação, já que de facto as instalações do Centro Social têm qualidade, estão inseridas num bonito e aprazível local e por conseguinte estão aptas à actividade principal para a qual foram construídas bem como de eventos comunitários, como a sessão dessa apresentação literária, para além de que o processo de construção teve a vantagem de fazer o aproveitamento capaz e digno de um edifício emblemático para a freguesia, como é o caso da Escola do Viso. Doutro modo, estaria por ali abandonado, vandalizado, a cair de ruina ou com ocupação descontextualizada e sem algo de substancial para a freguesia.

Temos assim  um Centro que integra o antigo e o moderno, preserva a história, memórias e identidade de um local e de um equipamento onde muitas gerações de guisandeses aprenderam e moldaram-se como homens e mulheres.

Por conseguinte, só por alguma  má vontade, desconsideração ou até mesmo por má fé intelectual, alguém pode ter uma opinião e uma posição negativas para com o Centro, os seus propósitos e as suas instalações. Podemos até não simpatizar ou mesmo detestar os elementos que integram os corpos gerentes, ou de um ou outro, mas até isso tem uma solução chamada eleições, o que de resto vai acontecer no final do próximo ano (Dezembro de 2023). 

Bastará, aos interessados em mostrar e demonstrar como se faz mais e melhor, serem sócios para poderem concorrer. É o mínimo. 

Neste contexto, e até porque o actual presidente da Direcção, Joaquim Santos, não poderá recandidatar-se ao cargo, por imposição dos estatutos, será uma oportunidade de ouro para quem se considera crítico para com o Centro Social, demonstrar qual o caminho certo, dar a cara e o esforço. 

Vamos ficar á espera desse passo, dessa reviravolta.

17 de março de 2022

A guerra e a saúde mental

Ontem, num qualquer canal de televisão, a propósito desta guerra que a Rússsia está a impor à Ucrânia de forma devastadora, atacando de forma indiscriminada alvos civis, numa tática de puro terror, uma técnica chamava a atenção para os problemas mentais e psicológicos que acabarão por afectar toda a população ucraniana, sobretudo crianças, mas também todos nós que assistimos por fora e que estamos a ser bombardeados com imagens desse terror e horror. De algum modo, pela injustiça e total injustificação da invsão, tendemos naturalmente a tomar os papéis e estados de alma dessa gente.

Coincidência, ou não, certo é que nesta noite acabei por ter sonhos relacionados a essa guerra e à sua destruição e morte. Naturalmente não serei caso único.

Neste contexto, enquanto pessoas interessadas no acompanhamento da guerra e das suas consequências, torna-se necessário tentar um equilíbrio entre o nosso interesse pela informação mas também não fazer disso uma dependência. 

Claro está que cabe às diferentes televisões que cobrem diariamente a guerra que o façam de forma igualmente equilibrada, sem excessos para além do razoável. Uma cobertura excessiva com enfoque em aspectos de morte e dramas, que sabemos que são reais face ao contexto, não ajuda muito. Num exemplo desse exagero, como de resto noutros, a CM TV dá cartas e estará a contribuir para a degradação da nossa saúde mental. 

Importará assim, a cada um, mediar na justa medida o interesse na informação mas procurando filtrar o adequado e o acessório. Acompanhar as notícias e reprotagens de forma intensa, a toda a hora, não ajuda.

16 de março de 2022

Com as calças na mão e sem cuecas


Passam hoje 87 anos sobre a data (16 de Março de 1935) em que Adolf Hitler ordenou o rearmamento da Alemanha, violando então o Tratado de Versalhes que havia sido imposto após a derrota germânica na I Grande Guerra. Também foi introduzida a obrigação do serviço militar para a formação da Wehrmacht.

O que menos importa às novas gerações é a História, os seus factos no tempo e no espaço, mas, todavia, ela continua implacável e fria, sempre a dar-nos lições e a relembrar-nos, se não os caminhos que devemos seguir, pelo menos os que devemos evitar, concretamnete os que conduzem à guerra.

Mas chegados aqui, em pleno séc. XXI, quando se pensava que as guerras e guerrilhas eram só para os pequenos e instáveis estados do médio oriente ou África, como pretextos para as grandes potências entreterem os seus generais e experimentarem novas armas, e que a Europa vivia num ambiente de paz duradoura e virada para  a prosperidade, com a sua união económica cada vez mais alargada, ou mesmo com a NATO a estender-se a países que ainda há pouco andavam sob o jugo da URSS, eis que afinal tudo se subverteu. A loucura de apenas um homem e toda uma nação continental que lhe obedece cegamente e com isso a invasão, a morte e a destruição gratuita de um povo e um país, sem que os seus novos vizinhos possam responder, por questões políticas mas também por incapacidade militar, é demonstrativa que a força ainda continua a dar cartas.

Em resumo, a Europa há muito que vinha a desinvestir nas suas forças militares, no que parecia ser o caminho correcto, porque ainda vale a ideia de que é bem melhor e mais sensato edificar um hospital do que construir um avião de guerra, mas certo é que foi descendo as calças e agora foi apanhada com elas a meio das pernas e até mesmo sem cuecas.

Assim, em contraponto à data que aqui lembramos, temos já sinais de que a Alemanha, uma potência económica quase desmilitarizada, vai aumentar significativamente  os seus gastos no sector militar, incluindo a aquisição de várias dezenas de aviões F-35 aos Estados Unidos.  De resto este despertar também vai chegar a outros países como a Inglaterra, França e Itália e até mesmo ao nosso Portugal onde certamente os paióis de Tancos vão ser reapetrechados e dados mais brinquedos de "brincar" às guerras à malta das chefias castrenses.

Como se vê, as coisas tendem ao voltar  ao "normal" e como já estávamos esquecidos dos horrores das guerras mundiais, considera-se agora que, apesar de tudo, o único meio de dissuasão é precisamente o rearmamento. A paz por si só não se impõem porque basta um simples anormal instituído de chefe, mesmo que à força, pela ditadura e repressão, a derrube como a um castelo de cartas.

O mundo ocidental e civilizado tem assim que procurar assegurar a paz pelas armas, mesmo que estas ali esteja só como aviso. Não é o ideal, pois, não, nem nunca foi, mas ou isso ou a subjugação de todos ao desvario de um, dois ou três.

7 de março de 2022

RTP - Serviço público?


A RTP, o canal público de televisão, celebra nesta data de 7 de Março de 2022, 65 anos de emissões regulares.

O conceito de serviço público associado à RTP não é consensual e cada pessoa que pensa dá a sua sentença. Pela minha parte, considero que, sobretudo o Canal 1, extravasa em muito o que deve ser um  serviço público. Deve restringir-se aos conteúdos institucionais, informação de qualidade, isenta e independente da voz do dono, que são os sucessivos governos, e ainda com uma forte componente cultural e científica, maior ênfase às realidades locais e regionais e sua divulgação. 

Tudo o que é entretenimento está a mais, sendo apenas mais do mesmo e concorrencial às televisões privadas. Há um excesso destes programas, incluindo os de "encher-chouriços" e pimbalhadas. Mesmo séries de ficção apenas se justificam aquelas com contextos históricos.

Publicidade, não se justifica de todo e deveria ser apenas institucional.

Mas, admito, este modelo de serviço público de televisão que advogo não é o que colherá um maior entusiasmo, porque à volta da RTP orbitam demasiadas estralas do mundo do entretenimento e enchimento de chouriços. Temos assim uma RTP 1 pejada de entretenimento, de manhã à noite, como se entreter o país e distrair as salas de espera, seja um imperativo de serviço público.

Vamos, pois, continuar a fazer de conta que temos um bom serviço público de televisão, mesmo que, enquanto contribuintes, sejamos cobrados pelos impostos e pela taxa de audiovisual, ou que isso queira significar. 

Já fostes! É um espectáculo!

Direito enviezado


Sejamos claros: Em rigor vivemos não num Estado de Direito mas, quando muito, num Estado de Alguns Direitos, onde quem tem dinheiro melhor aproveita os meandros da Justiça a seu favor. 

Podíamos estar aqui o dia todo a enunciar casos e exemplos, mas, por ora, apenas um: Uma pessoa é arrolada como testemunha num qualquer processo, muitas vezes sem nada saber sobre o mesmo e assim, sob pena de multas, coimas ou mesmo condenações, fica obrigada a comparecer a Tribunal, tantas vezes inutilmente porque tantas vezes as sessões são adiadas. Este é o "pão-nosso-de-cada-dia" da nossa lenta Justiça.

Por outro lado, todo o stress, incómodo e prejuízo não são compensados. A lei prevê que se possa pedir uma compensação pelas despesas de deslocação, é certo, mas o valor pago é simbólico e com valores determinados que obviamente não são ajustados em função de alguns factores, desde logo a constante variação dos preços de combustível.

Por outro lado, sendo certo que a lei prevê ainda que uma falta ao trabalho, devido a uma presença no tribunal como testemunha, seja considerada justificada, e como tal não perde o correspondente venciamento, em rigor é penalizada a empresa já que esta tendo que pagar ao trabalhador ausente, não recebe qualquer compensação do Estado. Para além de que, em muitas empresas fica em causa o prémio de assiduidade o qual não é pago. 

Por este simples exemplo, factual, assim se caracteriza este nosso Estado de Direito, por vezes tão enviezado. 

Impressivamente


Sou assinante de dois jornais online, um nacional e outro local, no caso o "Correio da Feira". Infelizmente, no caso deste estou arrependidinho já que a versão paga é pouco mais que a versão aberta, igualmente carregada de publicidade e com uma navegação lenta. Só para o login é quase um minuto. Quanto a notícias, o principal de um jornal, poucas e ressessas. Sinceramente esperava mais e diferenciado na versão paga. 

Pergunto, assim, a mim mesmo, como é que alguns jornais, mesmo na versão online, aspiram ao crescimento e à angariação de leitores e assinantes quando oferecem pouco, poucoxinho? Mesmo na versão paga não dispensam a invasão e persistência da publicidade. Uma versão paga, sem publicidade é o mínimo que se pode pedir.

Assim sendo, obviamente que não se pode esperar que os leitores assinem e quando assinem renovem a assinatura. 

Acredito que na imprensa regional os meios e os recursos não sejam muitos mas nesta "pescadinha de rabo na boa" acaba por ser difícil  sair do ciclo porque sem qualidade não se pesca. Mas é sempre possível fazer mais e melhor mas até mesmo as coisas simples são trabalho e há quem não esteja para aí virado.

É pena!

25 de fevereiro de 2022

PCP - No reino da foice, a clareza foi-se


A propósito da bárbara invasão da Rússia à vizinha e irmã Ucrânia, impressiona que em pleno séc. XXI o Partido Comunista Português ainda tenha posições dignas do tempo da guerra fria, não condenando directamente e sem mas, nem meios mas, a invasão da Ucrânia. Da China, outro país onde a Democracia não respira de todo, percebe-se que tenha uma posição alicerçada nos seus interesses económicos e estratégicos e por conseguinte não condene a Rússia. De resto tudo indica que esta invasão tinha à partida o "fechar-dos-olhos" da China, já que com a aplicação das sanções, será o gigante asiático a minorizar o impacto.  Daí que nada se espere e o discurso monocórdico é sempre o previsível. 

Já quanto ao PCP, ainda ontem em programa televisivo, um dos seus dirigentes, Bernardino Soares, numa posição que corresponde à do partido, por desfastio e para não desacertar o passo do mundo, condenou a invasão mas... sempre um mas, um todavia, um porém,  condena com mais veemência a Europa e sobretudo os Estados Unidos. É velho o preconceito dos comunistas contra os Estados Unidos, até mesmo um ódio de estimação, mas custa a perceber que um partido em regime democrático, critique suavemente e com muitas reservas um país gerido por uma oligarquia totalitária onde os conceitos de democracia são um faz-de-conta, totalmente subvertidos, onde se muda a constituição para se perpetuar o poder, onde a oposição é perseguida, aniquilida e condenada, e por outro lado se  tenha a lata de condenar um país democrático e que neste caso particular, que se saiba, neste caso não é invasor, de resto até numa posição de fraqueza.

Também concordo que a política externa dos americanos tem tido muitos erros e alguns graves, e não são inocentes em muitas merdas que têm feito, mas neste caso pretender  o PCP desagravar ou mesmo ilibar o invasor, de uma guerra sem a mínima justificação, e condenar quem está de fora parece algo surreal.

Assim, para o PCP  qualquer crítica aos antigos camaradas da guerra fria, é como comprar não um biquini com duas peças inseparáveis, mas apenas um monoquini: Utiliza a cuequinha para tapar o traseiro do camarada  mas não utiliza a outra peça, de modo a destapar as maminhas da democrática América.

Mas, como diz alguém, dali não se espera nada de novo, de resto é uma posição que não conta para o totobola de tão previsível que é. Como se costuma dizer, se uma árvore dá pêssegos, então é um pessegueiro. Ou, utilizando um provérbio tão caro ao camarada Jerónimo, a crítica à Rússia, a Cuba, Venezuela, China ou Coreia do Norte, para o PCP é como manteiga em nariz de cão. Numa lambidela lá se vai.

21 de fevereiro de 2022

Acudam, que é lobo...(ou talvez não)

No contexto do conflito ou tensão militar entre a Rússia e a Ucrânia, que vai marcando os dias, parece-me que a postura dos Estados Unidos e do seu presidente não me parece a mais adequada. Tem estado literalmente a replicar a fábula de "Pedro e o lobo" e com ela a marcar dias para a invasão, que era para ser na Quarta-Feira mas que agora pode acontecer na Quinta-Feira, ou, se calhar, no Sábado ou mesmo apenas para a semana.  Mas que a coisa está decidida, está, dizem!

Sinceramente não percebo esta tática de adivinhação, em vez de se partir para uma negociação diplomática credível e que sirva ambas as partes e sem atitudes de prognóstico de totobola. 

Porventura com ela, a táctica,  pretendem os americanos que Putin se sinta intimidado a invadir  sob pena de não querer dar razão aos adivinhos da Casa Branca. Parece-me evidente que a haver o propósito de invasão ela poderá ocorrer naturalmete em qualquer altura, independentemente da agenda anunciada pelos Estados Unidos. Ou seja, um dia o lobo vai mesmo atacar as ovelhas e aí já ninguém dará credibilidade ao Pedro Biden americano.

A ver vamos!

18 de fevereiro de 2022

Ousadia de ser

Pessoas como eu, que gostam de criticar e chamar à atenção do que acham que é incorrecto e está mal, levam-nos a ter mais inimigos do que amigos.

(..)

O problema para quem escreve, opina, intervém publicamente, tem que ver entre uma linha de se incomodar e uma linha de não se incomodar, não ligar, ser manso, dócil e tudo aceitar. A tentação de nada fazer, por vezes, é mais forte e cómoda do que actuar e intervir.

(...)

Seria mais cómodo, nada fazer e dizer, mas ser "livre" é uma opção política e de vida. Se falamos caímos no ridículo e julgam-nos por segundas intenções. Se nos calamos e nada fazemos , portámo-nos como cobardes e mansos à espera de algo.

(...)

Devemos e temos que ter a ousadia e a determinação de incomodar, chamando à atenção, fazer pensar quem nos lê, escuta e vê, ter uma visão diferente do poder instalado. É importante assinalar os abusos, imbecilidades, cinismo, desfaçatez, as suas razões grotescas, por fim, exigir que nos prestem contas e que expliquem as suas decisões.


Joaquim Jorge

Biólogo, fundador do Clube dos Pensadores

[fonte e artigo completo: Diário de Notícias]

13 de fevereiro de 2022

Ver para crer

Há alguns dias atrás, conversando com alguém conhecedor e com alguma influência social na nossa freguesia, falámos sobre o processo que está em curso (com recolha de assinaturas) no sentido de tentar resgatar Guisande ao actual modelo de união de freguesias, aproveitando o regime transitório legal que prevê a possibilidade de reverter o processo de agregação, o que poderá ser feito no prazo de um ano a partir da data da aprovação da respectiva lei-quadro. Por isso, aproximadamente até ao final do corrente ano.

Para além da tal vontade poder ser concretizada e do cumprimento ou não dos critérios estabelecidos para a possibilidade de desagregação, será necessária a aprovação em sede de Assembleias de Freguesia e Municipal e há alguns sinais que a coisa possa não reunir consenso geral. 

Mesmo assim, considerando possível a concretização, a pessoa em causa mostrou sérias dúvidas sobre as vantagens para a freguesia no actual contexto. Considera que a freguesia nesta fase está sem lastro social e sem massa crítica da qual possam sair os futuros líderes e autarcas com interesse, conhecimento e capacidade. 

Pessoalmente, mesmo admitindo o contrário, em determinado contexto, não me estou a ver novamente numa situação de serviço na actual União de Freguesias, seja em que grau for, na Junta ou na Assembleia, mas em caso da freguesia recuperar a sua independência, o meu humilde contributo, se requerido e no contexto adequado e com as pessoas certas, estará sempre disponível, se possível numa lista ou movimento supra-partidário.

É claro que, desejando eu que seja possível a nova desagregação,  contrariei a opinião céptica do meu interlocutor e procurei justificar que se é certo que a freguesia pouco tem a ganhar em termos concretos, tem pelo menos a vantagem de não continuar a perder a sua identidade e desagregação, o que nitidamente começou com a reforma administrativa que a colocou na actual situação. 

Por outro lado, mesmo analisando os supostos e prometidos ganhos com a união de freguesias, a verdade é que já com dois mandatos passados está por demais evidente que a freguesia foi em muito prejudicada, sem quaisquer obras que justificassem a anterior relação de receitas. Tem sido uma total estagnação e mesmo desrespeito.

Todos desejamos e temos esperança que a nova Junta da União tenha uma postura diferente da seguida até aqui, com demonstração efectiva de respeito e equilíbrio nas diferentes áreas, mas de tão má experiência as dúvidas são muitas.

Em todo o caso, voltando à pessoa da conversa, sou obrigado a dar-lhe razão no fundamental, já que neste momento não vejo rigorosamente ninguém com conhecimento, interesse e capacidade de conseguir motivar a freguesia e torná-la novamente dona de si própria. A velha guarda já deu o seu contributo e agora  merece naturalmente dias de descanso. Por sua vez, os mais novos, de um modo geral, não demonstram qualquer interesse e empenho pelas coisas da comunidade e em rigor não a conhecem para lá dos muros do quintal de suas casas. O movimento associativo e sobretudo culturale  recreativo é quase inexistente e sem uma abordagem geral à freguesia. De resto, mesmo com as anteriores experiências, como a Associação "O Despertar", a verdade é que a freguesia quase não respondeu, alheando-se dos diversos programas, acções e eventos. 

Por sua vez, a  Associação do Centro Social S. Mamede de Guisande conseguiu concretizar uma obra fantástica, que pode e deve ser um elemento catalisador de vontades e união inter-geracional, mas apesar disso tem sido ostracizada pelo poder público que tarda em concretizar os programas de apoio aprovados, e mesmo na freguesia são muitos os maldizentes e invejosos que rezam para o insucesso e seu encerramento. E não faltará muito para que as suas preces sejam concretizadas, pois se as coisas não mudarem de forma significativa, quando a presidência do Joaquim Santos terminar o seu actual mandato, o destino será provavelmente a entrega das chaves das instalações à  Câmara Municipal ou à Junta de Freguesia, que certamente serão impotentes para reactivar e dinamizar o equipamento. De facto, realisticamente não estou a ver alguém ou algum grupo capaz de se candidatar aos corpos gerentes e dinamizar a respectiva associação e dar corpo ao seu objecto social. Ninguém quer nada, sobretudo de algo que só dá trabalho, canseiras e responsabilidades e sem qualquer retorno. Os indiferentes são muitos e os maldizentes são alguns e até sabemos quem são. Dali não se espera nada. 

Assim sendo, não anda longe da razão a pessoa com quem conversei sobre este assunto do possível resgate da freguesia. Falta-nos muita coisa, sobretudo gente com qualidade, interesse e conhecimento pela cidadania e causa pública, nomeadamente a troco de nada. Alguns que até podiam estar na grelha de partida, preferem estar no choco, nos seus entretenimentos e sossegos, apenas a assistir da poltrona. Os primeiros a maldizer mas os últimos a mostrar trabalho ou a dar o exemplo. Foge Quim!

Ora quando assim é, mesmo que a freguesia venha a conquistar a sua independência, tenho sérias dúvidas que voltem os antigos dinamismos de uma freguesia que dava cartas nos diferentes aspectos, apesar de pequena. Já foi chão que deu uvas.

Oxalá que este cepticismo não tenha razão de ser e que nos enganemos profundamente. Seria bom e um positivo sinal, mas até lá, como o S. Tomé, ver para crer.

11 de fevereiro de 2022

A violência como cultura

A detenção pelas autoridades de um jovem português de 18 anos de idade, universitário na Faculdade de Ciências de Lisboa, que supostamente estaria a preparar um atentado contra colegas e pessoal dessa instituição, foi assunto no final de ontem, de hoje e será seguramente nos próximos dias.

Para além de tudo o que se possa concluir e das especulações tão caras a certos canais, parece que o motivo base da intenção e preparação de tal acto criminoso, quiçá terrorista, terá na sua génese a ver com o facto do jovem ser alvo de bullying.

É claro que nada justifica o que o universitário supostamente se preparava para concretizar, mas importará que o Estado e as autoridades dele dependentes comecem a valorizar a questão do bullying que é transversal às nossas escolas e nos seus diferentes graus. Ainda por estes dias noticiava-se a agressão de uma criança por parte de colegas em ambiente escolar. Estas notícias são mais que muitas, incluindo a questão da aberração e humilhação pelas praxes académicas, que pelas quais, em última análise, levaram à morte de 6 alunos no conhecido caso de afogamento da Praia do Meco, que quanto a responsabilidades a culpa morreu solteira e o marmanjo do Dux passou incólume pelos pingos da chuva. Era o chefe e foi o único a salvar-se. Há milagres...

Por outro lado estamos em plena cultura da violência gratuita e como ementa do entretenimento e ela chega às nossas crianças e adolescentes de forma massiva, seja nos jogos electrónicos, seja na industria da televisão e cinema.

Não é preciso ter-se o canudo de psicólogo ou psicanalista para se perceber e entender o quanto o bullying pode transformar negativamente as personalidades e dar-lhes sentimentos de revolta e de vingança a ponto de, num contexto com os ingredientes certos, despoletar situações criminosas.

Felizmente este tipo de crimes e massacres entre nós é raro ou mesmo inexistente, mas todos sabemos o quanto é grave em países com alguma liberdade e facilidade ao acesso a armas, como nos Estados Unidos. Ali, os casos têm sido mais que muitos e graves.

Importará, pois, que por cá se dê importância e significado às situações de bullying e que haja castigo adequado para quem o pratica, consente ou desvaloriza. Sem um controlo eficiente e disciplinado, as coisas não vão lá e um dia destes acontecerá mesmo uma tragédia.

O Estado, no papel das escolas, faz de conta que a coisa tem pouca importância, apenas desentendimentos esporádicos e inconsequentes entre alunos. As escolas fecham-se em copas ao escrutínio, permitindo que centenas de crianças sofram e vejam a escola como algo negativo e um local perigoso.

Não devemos generalizar nem dramatizar, pois não,  mas convém que se atalhe o problema.

Quanto à questão judicial, não sei até que ponto este aparato mediático a pretexto de apenas uma suposta intenção de crime, é saudável. De resto nem é norma. Todos os dias as autoridades evitam crimes e não é por isso que lhes é dada importância. Tudo na justa medida. Com um bom advogado o jovem será solto apenas com uns beliscões. Afinal de contas o que é que cometeu? Posse de armas ilegais? E quem as não tem? 

Não quero menorizar o contexto e até considero que no essencial as autoridades trabalharam e agiram bem, mas o mediatismo por algo que não chegou a acontecer é que é inusitado e extemporâneo. De resto, neste raciocínio, Cândida Almeida, ex-directora do DCIAP criticou a PJ, referindo que "...Não é normal nem aconselhável” que se divulguem tentativas de ataque evitadas.

Mas é disto que a casa gasta e por vezes as autoridades parece que padecem de uma necessidade doentia de alimentar a agenda da comunicação social.

Não havia necessidade.

7 de fevereiro de 2022

Só nós dois é que sabemos...

Creio que já o disse ou escrevi por aqui: O nosso sistema eleitoral só benefecia os dois grandes partidos e daí os mesmos não terem interesse particular em mudar a coisa. Não surpreende, por isso, que o Partido Socialista com 41% do total de votos tenha conseguido a maioria de deputados. Parece anedótico e contrário às leis da matemática, mas é a realidade.

Ainda com este sistema, em Portugal e para as legislativas são cerca de meio milhão de votos que valem absolutamente nada em termos de representatividade, apenas para dar uns trocos aos respectivos partidos. Em distritos pouco populosos, como Bragança, Guarda ou Portalegre, por exemplo, qualquer cidadão que for às urnas votar em qualquer partido que não o PS ou PSD, é, na prática, uma pura perda de tempo. Valerá apenas o valor que os partidos recebem por cada voto, 13 euros, o que até nem é mau e vai dando argumentos para a existência de partidos residuais que assim, para além do tempo de antena, sacam umas massas ao Estado.

Outro exemplo dos paradoxos do nosso sistema, no caso o CDS que no global do país teve muitos mais votos que o Livre (cerca de mais 13 mil) e no entanto não elegeu nenhum deputado. Dá que pensar?

É claro que este deficiente sistema não é exclusivo de Portugal. Há outros sistemas igualmente esquisitos, incluindo os Estados Unidos. No Reino Unido, por exemplo, com um sistema de 650 distritos, em que cada um elege um único deputado (o vencedor). Com tal sistema, um partido até pode ter menos votos que o adversário, no global, e alcançar a maioria dos deputados, o que de resto já aconteceu.

Em ambos os casos ou em sistemas onde existem estas anormalidades e paradoxos, em regra beneficiam sempre os dois grandes partidos de cada país, daí não interessar aos mesmo alterar as respectivas leis eleitorais, no fundo, as leis do jogo. É, em resumo, uma espécie de batota em que os meninos grandes enxotam os meninos pequenos da roda do jogo. Como numa sala para assistir a um filme pornográfico, só entrem os de maior idade.