Mostrar mensagens com a etiqueta Poesia. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta Poesia. Mostrar todas as mensagens

4 de outubro de 2022

O poste


Deste poste, há quem goste.

Eu não gosto, mas aposto,

Porque é o que eu acho,

Que num destes dias,

O poste vem abaixo.

Assim carregado,

Todo pendido,

Por fim cansado,

Cai de vencido.

Então dirão: - Ó poste, já foste!

2 de outubro de 2022

Utopia

Num Outono vestido de Primavera,

Reuniu-se um conclave de sonhos e utopias

Em que tomaram a palavra as palavras

Para dizerem, simplesmente: - Estamos aqui!


Nada mudou porque ainda és quimera,

Trilhas os caminhos que já seguias,

Duros, por onde só passam as cabras,

Mas, mais à frente, algo espera por ti.


O sonho, a realidade? Seja lá o que te for dado,

Importa sonhar, sempre, nem que seja acordado.

29 de setembro de 2022

Redundância

Olhar com olhos de ver,

Falar com a boca plena,

Escutar com as orelhas todas,

Apalpar com os dedos tácteis.


Mas diferente poderia lá ser?

É de rezas, repetidas, a novena

As mulheres são dadas a modas,

Umas difícies, outras fáceis.


Que mania esta e nossa, a de redundar.

Mais do que mania, chega a ser ânsia,

A de repetir, teimosamente a teimar,

Em que tudo seja assim, redundância.

26 de setembro de 2022

Ao longe, o mar

Aqui e agora, no tempo pleno e no espaço,

Doce e macio, qual fruto a cair de maduro,

Não sei o que pense, não sei o que diga

Que de substancial possa pensar ou dizer.


Sinto-me de cima abaixo envolto em cansaço,

Como peregrino amassado num caminho duro,

Como trovador com a boca seca, sem cantiga,

Como criatura vivida já pronta a morrer.


Mas será essa a natureza dos seres,

Uma contemplação de coisa perdida,

Quando, afinal, enquanto puderes,

Há ainda caminho, há ainda mais vida?


Pois bem! É levantar, então a fronte,

Na serenidade plana de um rio avançar,

Porque a vida começa, ténue, na fonte

E só se cumprirá no encontro do mar.

25 de setembro de 2022

Sublimação

Sou uma rocha de musgo vestida,

Incrustada em seio de montanha

Sob a asa sombria de um carvalho,

Num longo, perene, dia de Verão.


Sou solidez inerte, mas com vida,

Impossibilidade da física, façanha.

Sou pequeno, ínfimo, pouco valho,

Num desvanecimento em sublimação.


Não mais que gás, molécula em deriva,

Poeira cósmica presa à gravidade,

Sou só pedra amorfa, orgânica, viva,

Cidadão da terra, pó, humanidade.

19 de setembro de 2022

Náufrago do tempo


Eis-me aqui, todo em pleno mar,

Sem farol a guiar a porto seguro,

Sem barco, sem âncora, nem bóia

Em água temerosa.


Fugi, perdi-me para me encontrar,

Mais livre, solitário, mais puro,

Como quem busca tesouro ou  jóia

Mais rica, valiosa.


Talvez nesta imensidão ondulante,

Espelho da negrura da alma e céu,

Eu encontre uma rocha firme, a fé,

Que me resgate desta morte certa.

Serei então um solitário mareante

Digno, sereno, despojado de labéu,

Um novo e renovado homem Crusoé

No reencontro da ilha deserta.


Eis-me aqui, náufrago em verdade

Já com fundada, renovada esperança,

Porque passada a dor, a tempestade, 

Ressurge a doce e vindoura bonança.


Eis-me aqui, vivo, já fora do mar,

Seguro, mesmo que a noite caia,

Porque um homem pode naufragar

Mas dará sempre à sua praia.

14 de setembro de 2022

Sede

Há sedes assim, intensas, interiores,

Que deixam à míngua as raízes das emoções,

Em que não há agua que baste à secura.

Quem dera que o coração plantado a flores

Vivesse em eterna primavera, sem verões,

Com rega abundante da água mais pura.


Talvez no amor se encontre a fonte,

A frescura orvalhada de um vale,

Uma boca seca que um beijo pede.

Talvez um conto que alguém nos conte,

Num adormecimento sereno, sem mal

Para um despertar doce, sem sede.

Esperança

Eis-me aqui, só, neste todo,

No meio de um imenso mar,

Nem sei se de água, ou lodo.

Esperneio, bracejo, em vão,

Sem fundo firme onde ancorar

O medo de afogar na ilusão.


Eis-me aqui, despido, no nada,

Como parido do ventre materno

Sem berço, sem sombra de fada.

Mesmo assim, nesta nudez vazia,

Há um céu para além do inferno

Uma estrela que ilumina e guia.


Não fora isso, essa fundada esperança,

Quem valeria ao homem perdido nas vagas,

Como mãe de braços vazios, sem criança,

Arrebatada por tempestades malvadas?

12 de setembro de 2022

Lua



A noite era um breu, denso, fechado,

O caminho mal se via.

Subia a lua, linda, astro iluminado,

E logo a luz se acendia.

A caminho de casa, seguia o lavrador,

Com a lua como farol,

E do frio da noite sentia agora um calor,

Porque a lua já era sol.

11 de setembro de 2022

Caminho

 Olha, lá em baixo, a curva do caminho!

Desce, tranquilo, sem receio,

angústia ou dor.

Ademais, tens que ser tu, sozinho,

Com orgulho, de peito cheio,

Pleno de amor.


Não há prova, competição, nem meta!

Só o destino conta, afinal, 

Sereno assim.

Caminha sempre, firme, pela certa,

E não haverá dor ou mal,

Somente o fim.





7 de setembro de 2022

Tudo e nada


Em tudo o que toco, reluz,

O brilho da saudade passada.

Será esta, em bem, a minha cruz:

O ter tudo sem, por mal, ter nada?

10 de agosto de 2022

Fingir é preciso

É por demais conhecida a parte do poema "Autopsicografia" em que Fernando Pessoa diz que:

O poeta é um fingidor

Finge tão completamente

Que chega a fingir que é dor

A dor que deveras sente.

Ora este fingimento em Pessoa, que lhe é reconhecido, é mesmo para levar a sério. Senão vejamos: Desde logo o recurso aos seus heterónimos como Alberto Caeiro, Álvaro de Campos, Ricardo Reis e Bernardo Soares, em que cada um é uma personalidade própria.

Depois, para lá de tudo, da poética e da linguagem, um exemplo concreto desse fingimento, e dele a contradição descarada e comprovada: Como Bernardo Soares, no "Livro do Desassossego", diz que:

"Porque é bela a arte? Porque é inútil. Porque é feia a vida? Porque é toda fins, propósitos e intenções."

O mesmo Pessoa, in "Ideias Estéticas da Arte", diz que:

"Só a arte é útil. Crenças, exércitos, impérios, atitudes- tudo isso passa. Só a arte fica, por isso só a arte se vê, porque dura."

Ou seja, resumindo o fingimento, Fernando Pessoa, dá uma no cravo e outra na ferradura. Vê e julga a arte com a mesma desenvoltura e contradição filosóficas,  considerando-a agora "útil", e logo como "inútil".

Pessoa julga bem. O jogo de palavras, ideias, metáforas, sentimentos, analogias, etc, etc, não tem que brotar do real sentimento do poeta nem da sua coerência. Se assim fosse, era um desgraçado à deriva num mar revolto em constante turbilhão de sentimentos e emoções. 

Fingir, pois, é preciso!

2 de junho de 2022

Ao Zé Coelho


Velho amigo, Zé Coelho,

Chamou-te, Deus, agora,

Clamando-te como pertença;

Sentiu que estavas velho

Achando chegada a hora

De te ter em Sua presença!


Viajaste, correste mundo,

Num vai-e-vem de canseira

Agarrando os cornos da vida;

Nesse viver duro, profundo

A morte surgiu derradeira

A reclamar a tua despedida.


Mas ainda ficas por cá,

A viver na nossa memória,

Bem alto como uma torre;

A tua passagem não foi vã

Teve honra, teve glória,

Teve vida que não morre.


Partiste, simples, sem nada

Sem malas, sem a guitarra,

Rumo ao porto da santidade;

Ficamos nesta dor chorada

Que nos prende como amarra

Ao cais da sentida saudade.


Mas virá em nosso mar a maré

Em que um a um todos iremos

Ao teu encontro, a esse além;

Até lá connosco vives em fé

Porque com ela bem sabemos

Que continuas a viver, e bem!


Adeus, velho amigo!

30 de maio de 2022

Paz interior



Tanta canseira afadiga o homem

Além de tudo quanto diz e faz;

Coisas fúteis que o consomem

Quando, afinal, lhe basta a paz.


Esse afago de mansidão interior,

É, afinal, o bem mais precioso:

Desperta sereno o negro turpor

De um viver triste, só, doloroso.


A paz calma como bem supremo,

É como lago na placidez da água,

Em que apenas o doce bater do remo

O desperta à vida, o viver sem mágua,


Homem, pára! Afrouxa esse fragor

Medonho de todos os teus rios

Feitos de água de lágrimas e suor

E dá-lhes a calma dos vales macios


A.Almeida

28 de maio de 2022

Luz de Maio

Não! Não há luz como a de Maio

Porque límpida, desenevoada,

Quase um esplendor em ensaio.


Nasce na manhã fresca, solteira

Como noiva bela, perfumada

No seio em flores de laranjeira.


Ao poeta tão pouco lhe basta

Mas Maio, farto, dá-lhe tanto

Chegando a sobrar inspiração.


Então a palavra sai pura, casta,

Num devaneio de singelo encanto

E dela o poema brota de emoção.


A. Almeida

26 de maio de 2022

Recuar no tempo



P´los caminhos da minha aldeia

Percorro paisagens de infância

Captando o tempo com o olhar.

Renovado, de alma plena, cheia,

Volto aos montes numa ânsia

De rever lugares... recomeçar.


Quem dera que o tempo, teimoso,

Atrás voltasse, por instantes,

Como num sonho dormente, feliz;

E pudera, então, infantil, viçoso

Rever coisas e rostos radiantes

Repetir tudo quanto de bom fiz.


A. Almeida

23 de maio de 2022

Segunda-Feira

Ó Saudosa e fugidia Segunda-Feira,

Sejas bem-vinda ao ciclo infernal

Daqueles que do trabalho penam.

Não temas, chega-te aqui, à beira,

Sê na nossa carne o tempero de sal.

E que se fodam os que te condenam!


Segunda-Feira, linda, deslumbrante,

Fada madrinha, bruxa, ou feiticeira,

Bela sereia no teu rabinho de prata,

Deixa que em ti todo eu me encante

No retomar desta benfazeja canseira

Porque o fim-de-semana, esse mata!


A. Almeida

19 de maio de 2022

Desespero

Desci já ao poço mais fundo,

Negro, frio, de uma tristeza sem fim;

Corri no alvoroço do mundo,

Cego, vazio, numa palidez de marfim.


Assim triste, indolente, sem vida,

Um mar de dúvidas logo se agiganta;

O caminho torna-se beco sem saída

E dele tentar fugir, que adianta?


Mas nessa lassidão de má sorte

Que nos tolhe, mutila, emudece,

Talvez ainda, por última prece

Venha o prémio, a paz, a morte.


A. Almeida

16 de maio de 2022

Lugar do Outeiro


O lugar do Outeiro é varanda

Onde a vista ao longe alcança

O verde vale da linda ribeira;

Doce contemplação que abranda

O tempo numa lentidão mansa,

Sem pressa, fadiga ou canseira.


É a torre mais alta, a ameia,

De um alto castelo de fantasia,

Sentinela desperta na aurora;

Dali, a alma fica mais cheia

Da frescura ou do calor do dia

Duma  aldeia que plena se aflora.


A. Almeida

Pés ao caminho

Pés ao caminho, 

toca a andar!

Em companhia ou sozinho, 

Importa caminhar!


Olha o casario,

A verde colina,

A ponte, o rio;

A fresca menina.


A velhinha quebrada

Pelo peso da idade,

Quanta vida andada

Desde a mocidade?


Importa caminhar, 

De olhos cheios 

De azul e verde

E pó no sapato.


Até a ave a voar,

Com seus chilreios,

A matar a sede

Desce ao regato.