14 de setembro de 2022

Selvajaria

O que aconteceu por estes dias com o rapazito no estádio de futebol do F.C. Famalicão, é do pior que pode haver no futebol. Era adepto do Benfica, e que do Porto, Sporting, Arouca ou Feirense fosse.

Mas, estranhamente, há uma sensação de que isto não tem nada de surpreendente porque as tribos do futebol andam há muito extremadas. As claques andam desvirtuadas e são, regra geral, grupos de arruaceiros, sem respeito por eles próprios quanto mais pelos adversários. Pior do que isso, encobertos e apoiados pelos clubes, dos vermelhos aos azuis passando pelos pretos, verdes e amarelos.

Talvez por isso cada vez mais me interessa menos o futebol e, felizmente,  já dou comigo sem saber a que horas e com quem joga o meu clube. Vâo à bardamerda!

No dia em que nas bancadas não houver lugares distintos para grupos e grupinhos, onde cada um, do mais novo ao mais velho, se puder sentar de forma misturada com os seus e com os outros, sem que sejam discriminados e ofendidos, talvez esteja dado um salto civilizacional. 

Até lá tudo não passa de uma estrumeira, onde o conceito do desporto e do desportivismo é vilipendiado e com gente a contribuir risonhamente para isso.

Mas é esperar sentado. Volta e meia surgem estes casos, há indignação por se ver um rapazito obrigado por gandulas a despir a camisola do seu clube, ou por uma companheira de um conhecido macaco ofender no espaço público uma adepta de outro clube, porque vestida com cores diferentes, mas depois de algumas posições politicamente correctas, o estado normal volta à normalidade.

Já dizia Miguel Torga, aquando da sua passagem pela universidade de Coimbra, a propósito de selvajaria, "não há universidade que nos tire da idade da pedra lascada".

E mais um...

Mais um acidente na produtiva rotunda da Cruz de Ferro. Já perdi a conta. 20? 30? Mais?

Felizmente, sem danos físicos.

Siga! As oficinas agradecem!

Quem riscou e sobretudo quem aprovou esta ratoeira, dormem tranquilos.

A rotunda tal como está realizada proporciona o acidente porque na realidade quem circula de norte para sul pode fazê-lo a 120 Km por hora, porque não tem qualquer obstáculo.

Quem surge do lado direito vindo da Teixugueira, mesmo que parando e entrando com cautela, não tem hipótese com alguém que lhe surge acima da velocidade regulamentar. 

No meu humilde entendimento, e já falei nisso, bastaria que o troço de norte para sul inflectisse para o centro da rotunda, obrigando à redução da velocidade. 

Em resumo, sem ilibar quem entre do lado da Teixugueira, na maior parte dos acidentes neste local, moralmente são da responsabilidade de quem vem de norte a alta velocidade. Claro que as seguradores e os tribunais não julgam moralismos.

Siga!

Sede

Há sedes assim, intensas, interiores,

Que deixam à míngua as raízes das emoções,

Em que não há agua que baste à secura.

Quem dera que o coração plantado a flores

Vivesse em eterna primavera, sem verões,

Com rega abundante da água mais pura.


Talvez no amor se encontre a fonte,

A frescura orvalhada de um vale,

Uma boca seca que um beijo pede.

Talvez um conto que alguém nos conte,

Num adormecimento sereno, sem mal

Para um despertar doce, sem sede.

Esperança

Eis-me aqui, só, neste todo,

No meio de um imenso mar,

Nem sei se de água, ou lodo.

Esperneio, bracejo, em vão,

Sem fundo firme onde ancorar

O medo de afogar na ilusão.


Eis-me aqui, despido, no nada,

Como parido do ventre materno

Sem berço, sem sombra de fada.

Mesmo assim, nesta nudez vazia,

Há um céu para além do inferno

Uma estrela que ilumina e guia.


Não fora isso, essa fundada esperança,

Quem valeria ao homem perdido nas vagas,

Como mãe de braços vazios, sem criança,

Arrebatada por tempestades malvadas?

13 de setembro de 2022

Figura pública é outro campeonato


O Hélder Reis, da RTP, parece-me um bom profissional e acredito que o reconhecimento por parte do município ovarense faça algum sentido.

Mas, mesmo no uso da sua modéstia, tem razão quando à pergunta sobre o seu merecimento, respondeu que "...não, porque há tanta gente a fazer mais pela terra".

Mas todos sabemos que as Câmaras Municipais de um modo geral são óptimas a reconhecer e a lisonjear as figuras públicas, com alguma fama, em detrimento de tanta e boa gente que de uma ou outra forma se dedica ao concelho e às suas freguesias, às suas associações, movimentos cívicos e culturais. 

Essas pessoas, anónimas, continuarão anónimas e sem reconhecimentos ou medalhas de mérito, porque o mediatismo vive destas coisas, porque dá mais voz, e tempo de antena, não tanto às figuras públicas homenageadas, porque não precisariam dessa exposição suplementar, mas sobretudo a quem as promove. O pessoal das Câmaras gostam de se fazer fotografar junto de quem é mediático.

Hélder Reis, para além do seu mérito pessoal, como bom profissional, teve o mérito de ser figura pública. Bastou-lhe isso!

12 de setembro de 2022

Pe. Alexandre Moreira - Pároco de Sandim, Lobão e Vila Maior

 


Tomou já posse das paróquias de Santa Maria de Sandim, S. Tiago de Lobão e S. Mamede de Vila Maior, o jovem Pe. Alexandre Manuel Teixeira Moreira, que havia sido nomeado pelo Bispo do Porto.

O novo pároco  tem 26 anos e é natural da freguesia de Cabeça Santa, município de Penafiel. Estudou no Seminário Maior da Diocese do Porto. Foi ordenado em 10 de Julho deste ano de 2022.

A sua missão não é fácil pois são três paróquias, duas delas bastante populosas, mas certamente que a sua juventude o ajudará a levar a bom porto as suas funções.

Votos de bom trabalho pastoral e que as respectivas comunidades saibam ser merecedoras do privilégio de receberem um jovem sacerdote. Por sua vez que o padre saiba compreender as necessidades das paróquias, no respeito e valorização das suas melhores tradições e práticas, e que saiba ser pastor interessado a reunir as ovelhas e não factor de as dispersar. Que o Senhor o ajude!

À pergunta do serviço de média da Diocese, do que é para si ser padre na actualidade, o jovem sacerdote respondeu:

Servir a Igreja no ministério ordenado, nos dias correntes, passará por ser testemunho fiel e oblativo de um amor que se faz tudo para todos, de um amor que brota de um enamoramento primeiro e de um crescimento fecundo que encontra em Cristo Jesus a sua verdadeira e absoluta expressão. A alegria de ser padre manifestar-se-á seguramente por viver a vida com o olhar atento aos sinais dos tempos, sempre numa dinâmica de discernimento pessoal e comunitário e, a partir daí, em ter a ousadia de ser farol e guia, ministro e profeta, pastor e servo de comunhão. Sinodalmente, a vivência presbiteral pautar-se-á mais pela escuta que pela palavra, mais pelo discernimento que pela ação, mais pelo ser e estar que pelo parecer e ter. Na celebração da fé cristã, caberá ao padre, na pessoa de Cristo, ser sacramento e fermento de unidade do povo de Deus. Nesta Igreja a que pertencemos, em que esperamos e à qual amamos, o padre sente-se sempre chamado a ser um fiel discípulo de Cristo que fala coração ao coração. Dar de graça o que de graça se recebe será sempre o ponto primeiro para viver a vocação ministerial ordenada de uma forma plena, sincera, fiel. Na feliz fidelidade a Cristo, o padre será a certeza de que Deus, por Cristo, habita o coração, a vida, cada um de nós.

[foto: averdade.com]

Aceleras

Há umas semanas atrás, seguia com a patroa numa estrada nacional no centro do país. Pouco depois surgia de trás um grupo de meia dúzia de motards. Rápidamente foram ultrapassando, sempre em desrespeito pelas elementares regras de trânsito. Um deles colocou-se na minha frente e a estrada tinha linha contínua dupla. Em jeito de desafio disse á companheira de viagem: - Vamos ver quanto tempo demora a transgredir. Ainda não tinha acabado a frase e já o motard ultrapassava o veículo à sua frente, "cagando" literalmente nas duas linhas contínuas.

Eu, que até tenho alguns como amigos, sei que nem todos os ditos motards são assim, mas, vá lá, optimistamente, em 10, 8 serão incumpridores reiterados e quando andam em grupos, para não se separarem, se um desrespeita, os outros seguem o exemplo. Se cada episódio de testemunho de desrepeito por parte de motards me rendesse 5 euros, já tinha a reforma assegurada

Ainda ontem, no lugar da Gândara, quando iniciava uma volta de bicicleta, passaram três motards em alta velocidade, que estimei em pelo menos 100 Km hora, numa estrada de localidade em que já ocorreram vários acidentes e, tragicamente, pelo menos um mortal. Ainda há poucos dias ali nesse local ocorreu mais um acidente.

É de facto um absurdo a forma ligeira e irresponsável com que muitos condutores, não só de motos, obviamente, conduzem,  todos armados em pilotos de fórmula 1 e miguéis oliveiras. 

E se há zonas em que parece que o limite é baixo face à qualidade das estradas, há locais em que de facto se justifica, desde logo no interior de povoações.

Posto isto, este número avançado pelo JN parece curto. Se a coisa não vai lá com civismo no cumprimento das regras e bom senso, alguns só mesmo com pesadas multas, pelo que os radares são mais que justificados. Alguns mereciam um radar em cada curva.

Todos nós, uma vez ou outra, temos os nossos incumprimentos e excedemos o peso do pé no acelerador, o que já é mau, mas convenhamos que no geral o desrespeito é grande e reiterado, colocando-se os próprios em risco bem como aos outros, e tantas vezes quem caminha ou circula de forma conscienciosa e respeitadora.

A segurança na estrada não é brincadeira, embora para muitos pareça.