Mostrar mensagens com a etiqueta Figuras. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta Figuras. Mostrar todas as mensagens

22 de maio de 2024

Postal do dia - Partiu a Rosarinho


Não, não pretendo copiar a rubrica do jornalista Luís Osório, que bem melhor do que eu escreve, mas de quem nem sempre estou de acordo, porque também muito cingido a uma agenda politicamente correcta, mas porque postais do dia se deparam a qualquer um que tenha olhos e cabeça entre as orelhas. Olhar para o lado de pouco serve.

Ontem houve funeral em Guisande, com uma grande participação de que não tenho memória em tão grande número, senão o mais participado, seguramente  um deles, quer por uma boa parte da comunidade local, quer de gente vinda de fora.

E compreende-se o motivo: Dava-se sepultura a uma pessoa filha da terra, filha de boa gente e família, e que Deus permitiu que fosse praticamente a  meio de uma vida que se espera a um ser humano. Mas também sabemos que as contas de Deus, ou do destino para quem menos dado a esta amplitude da fé e crenças espirituais, não se fazem assim de forma académica, matemática, estatística. Todos sabemos que o mais comum é morrerem os mais velhos, mas pelo meio são muitos, e infelizmente cada vez com maior predominância, os que vão em idades jovens, na flor da vida, seja por acidente, porque cada vez mais nos expomos aos perigos, seja por doenças fatais, por  incidência genética mas em muito pelo modo de vida que levamos, pelo que comemos e bebemos, pelos medicamentos que ingerimos por tudo e por nada. 

Se é certo que já não se morre por causas que no passado eram comuns e frequentes, desde logo a falta de vacinas, cuidados médicos e hospitalares , ainda por má nutrição e condições deficientes de  higiene, a verdade é que tem vindo a aumentar a prevalência de mortes em idades consideradas jovens.

Seja como for, são contas e desfechos sempre imponderáveis e até que a ciência médica, já tão desenvolvida, chegue a um ponto de nos imortalizar ou prolongar a vida para além dos limites que consideramos actualmente como expectáveis, seremos sempre confrontados com mortes relativamente prematuras, como agora com a Maria do Rosário Giro, a Rosarinho para os mais chegados. Acontece a cada momento e em cada lugar, mas só damos conta do drama e profunda tristeza quando a fatalidade nos bate à porta, nos chega a casa, aos nossos, aos próximos, à comunidade.

Mas dizia, partiu a Rosarinho e às suas cerimónias fúnebres acorreram familiares, amigos e de um modo geral todos quanto tinham relações familiares, de amizade pessoal,  de mera relação comunitária ou até mesmo profissional ou de outras ligações. Concerteza que a maioria só conhecia a Rosarinho de forma circunstancial  e por conhecimento da sua relação com os demais familiares, desde logo o falecido pai, a mãe, os dois irmãos, o marido e a filha, e por isso ali estavam não tanto, a maior parte, pela homenagem pessoal a quem partiu mas em solidariedade para com quem cá ficou com a dor e a tristeza pela partida de um dos seus de sangue e de relação. É assim em todos os funerais e percebe-se.

De facto a Rosarinho, que naturalmente bem conhecia desde criança, e de um modo geral a freguesia, pelo rumo próprio que deu à sua vida pessoal, familiar e profissional, com certeza que  já não era uma pessoa de muita ligação à nossa paróquia nem foi dela participativa nos diferentes contextos. Todavia, era uma das nossas, e nestas coisas uma comunidade expressa-se sempre de forma sentida e comovida e a tristeza e pesar da família é também partilhada por cada um de nós. E quem passou por elas compreende o quanto é importante um abraço sentido, uma palavra de conforto e incentivo à coragem. 

É nisto que uma comunidade local e pequena como a de Guisande tem de positivo. Terá já sido mais solidária, é certo, mas mesmo com os desligamento dos novos tempos, felizmente, ainda tem muito de seu e por isso na hora de partida de um dos seus, sobretudo quando nestas idades e circunstâncias, une-se e partilha a mesma dor e tristeza. 

Assim, partilhei eu, e muitos dos presentes, um abraço sentido com o Rui Giro, de quem prezo ser amigo desde sempre, desde os 8 anos em que na escola primária partilhava comigo a sua caixa de 12 lápis de cor e depois no percurso e ligação que tivemos na Associação Cultural da Juventude de Guisande, no jornal, na rádio, no teatro, etc. E ainda depois na Associação “O Despertar”. 

Igualmente um abraço de conforto à D. Célia, a mãe, a professora, que não chegou a ser a minha, mas que também pela relação que tinha com o Rui, era naturalmente muito chegado e frequentava a casa com regularidade. Da D. Célia, todos reconhecemos as suas qualidades humana e pessoal e Guisande, freguesia e paróquia, é toda uma comunidade que lhe reconhece valor e prestígio ou não passassem por ela gerações a quem ensinou a ler, a escrever e a fazer contas, certamente que escolares mas também de vida. É doloroso a qualquer mãe ver partir um filho, uma filha, mas certamente que mesmo que com uma imensa dor e tristeza saberá ainda dar esta úlitma lição, a da coragem que sempre se reconhece a uma mãe.

Também um abraço ao Alexandre, sempre bem disposto e positivo, apaixonado pelas pombas e que numa certa analogia vê agora uma pomba próxima partir para mais não regressar ao pombal da casa, à família. Ambos, mãe e irmãos, com certeza que terão a Rosarinho bem viva nos seus corações e nas suas memórias.

Do marido Paulo e da filha Leonor, naturalmente que só conhecidos de vista, mas neste momento de perda e dor, certamente que a esposa e mãe permanecerá viva e contarão com a família para de algum modo mitigar a perda e a dor. O tempo tudo cura, mas leva tempo, mas será sempre um desafio encontrar na tristeza e vazio algo que ajude a superar. É aqui que entra a fé e a esperança. Creio que ambos, a família, serão capazes de encontrar esse lenitivo.

Na missa de corpo-presente, celebrada pelo Pe. Benjamim e acompanhado pelo nosso pároco Pe. António, as palavras e a homilia do Pe. Benjamim foram sempre motivo de reflexão e emoção, porque com o seu peculiar estilo, fala de coração e recorrendo a testemunhos de muita gente que em circunstâncias parecidas, também viu partir e que acompanhou nos últimos tempos de vida. Emociona, faz soltar as lágrimas de comoção mas conforta e reconforta.

Bem sabemos que mesmo nestes casos, há sempre uma tendência do elogio fúnebre, fácil, por vezes aqui e ali com uma pontinha de exagero ou sobrevalorização das virtudes de quem se sepulta, mas é perfeitamente compreensível e de algum modo positivo se for num sentido de chamar aos presentes a importância que devemos dar às nossas vidas e da relatividade das mesmas, por isso a ter em conta o desfecho que a todos está por natureza destinado e como tal importará valorizar cada vez mais as coisas boas, as pessoas, as nossas relações humanas com vista à preparação do destino que a todos espera. 

Com mais ou menos fé no que será o nosso destino depois da morte, é sempre bom e enriquecedor que enquanto por cá andarmos o façamos como se cada dia fosse o último e que no fim de contas, a nossa imortalidade permanecerá para quem quem cá fica, apenas pela memória e mérito do bem que formos capazes de fazer, quer a cada um de nós quer ao próximo ou à comunidade. 

Dos fracos não reza a história e quem por cá passa de forma fútil e negativa, poderá ser lembrado por algum tempo, por poucos,  mesmo que com despeito, mas dificilmente será lembrado e evocado para sempre e por todos. Facilmente cairá no esquecimento e permanecerá por todo o sempre sob a poeira do tempo.

Está em paz a Rosarinho e permanecerá viva entre a comunidade e seguramente entre os seus.

2 de março de 2024

José Gomes Leite

 


José Gomes Leite, que foi do lugar do Reguengo, foi uma figura com alguma importância na nossa freguesia, por ser um abastado proprietário, com ligações familiares por parte da sua esposa à Casa do Loureiro e à família Leite Resende, do lugar da Igreja,  mas sobretudo pela sua ligação à  Junta de Freguesia de Guisande onde, durante pelo menos 20 anos ocupou diversos cargos.

Em 1922 era vice-presidente.

Em 1923, era secretário.

Ainda em 1923 foi tesoureiro.

Em 1926 e entre 1935 e 1945 foi presidente. Foi neste período que foi realizada a abertura da estra que liga da Igreja a Fornos, passando pelas Quintães, Viso e Barrosa.

José Gomes Leite era natural de Pigeiros, do lugar da Bajouca, tendo nascido a 2 de Dezembro de 1886, sendo filho de Manuel Henriques Gomes Leite e de Rosa Maria Pereira de Jesus. Era neto paterno de Manuel Gomes Leite e de Bernardina Henriques de Paiva e neto materno de José Alves da Silva e de Maria Rosa Pereira.

Casou em Guisande em 14 de Junho de 1919 com Margarida Angelina Leite de Resende. Esta nasceu em 3 de Julho de 1884. Era filha de António Joaquim dos Reis Oliveira e de Maria Felizarda Gomes de Almeida, casados em 25 de Maio de 1880.

Por sua vez este António Joaquim dos Reis Oliveira era filho de filho de Manuel de Oliveira e de Ana Joaquina. Era neto paterno de António de Oliveira e Inácia Rosa. Era neto materno de José Francisco da Silva e Rosa Maria.

António Joaquim e Maria Felizarda tiveram ainda um filho de nome Raimundo de Leite Oliveira, que faleceu solteiro, com 23 anos de idade em 18 de Junho de 1905.

Por sua vez a Maria Felizarda Gomes de Almeida nasceu em 28 de Julho de 1958 e era filha de António Leite de Resende (do lugar da Igreja) e Margarida Felizarda de S. José (da Casa do Loureiro). Era neta paterna de José Leite de Resende e Teresa de Jesus e neta materna de Domingos José Francisco de Almeida e de Maria Felizarda de S. José. Esta Maria Felizarda Gomes de Almeida era irmã de Raimundo de Almeida Leite de Resende, por sua vez pai da D. Anunciação Leite de Resende, de que aqui já falamos.

José Gomes Leite e sua esposa Margarida Angelina Leite de Resende foram pais da Maria Angelina que casou com o Américo Pinto dos Santos (Chefe) e da  Maria da Anunciação Leite de Oliveira Gomes, nascida a 10 de Maio de 1931, que casou em 25 de Fevereiro de 1964 com Rogério Fernandes da Costa Neves, que por sua vez  foram pais da Maria José Gomes Neves que casou com o Dr. Rui Manuel de Azevedo Gomes Giro. Foram ainda pais de Albano Leite de Oliveira que faleceu menor, com apenas 2 anos de idade em 2 de Outubro de 1928.

Tiveram ainda uma outra filha, Maria Alzira de Oliveira Gomes, nascida a 7 de Abril de 1924 e que casou em 18 de Setembro de 1954 com Mário António Moreira Guerner, de Perosinho - Vila Nova de Gaia.

José Gomes Leite faleceu em 30 de Novembro de 1968. A data de falecimento inscrita na lápide sobre o o seu jazigo  no cemitério de Guisande está errada e refere-se à do falecimento da esposa, 19 de Novembro de 1973. Por conseguinte a sua data de falecimento na lápide também está errada como também está errado o seu nome pois escreveram José Leite Gomes em vez de José Gomes Leite. Espanta tantos erros juntos.

Margarida Angelina Leite de Resende de Oliveira, esposa de José Gomes Leite

António Joaquim Gomes Reis de Oliveira, sogro de José Gomes Leite


29 de fevereiro de 2024

Poema à Ti Elisa


Partiu a Ti Elisa, num dia assim,

De Fevereiro com cheiro a quaresma,

Promessa de uma Páscoa de aleluias.

Sabemos, todos sabemos, que há fim,

Porque a morte ao homem é a mesma

Soma final, total, da conta dos dias.


Foi irmã, criada, afilhada fiel,

Presença certa em quem confiar,

Companheira no espírito de missão.

No resumo final cumpriu o  papel,

De mão a decidir, luz a iluminar,

Fazer da sua via a do seu irmão.


Na vida temos isto como certeza

Ainda que a deixar máguas, penas:

Uma alma pode ser toda grandeza

Mesmo que por coisas tão pequenas.



16 de janeiro de 2024

Emídio Sousa na Assembleia da República


Soube pela comunicação social de que o actual presidente da Câmara Municipal de Santa Maria da Feira, o Dr. Emídio Sousa, foi escolhido como cabeça-de-lista pela AD - Aliança Democrática, pelo círculo eleitoral de Aveiro. O ainda presidente da Câmara de Vagos, Silvério Regalado, é o número dois na lista a qual integra, entre outros, Ângela Almeida e Salvador Malheiro, presidente do município de Ovar.

Impedido pela lei de se recandidatar a um novo mandato como presidente do município, o Dr. Emídio Sousa continuará assim ligado à alta política e tendo em conta o posicionamento na lista é segura a sua eleição.

Do que conheço do seu currículo, postura pessoal e política, acredito que tem competência de sobra para o cargo e saberá defender os interesses da Feira e seu território, embora saibamos que estes estão sempre dependentes de outros interesses e vontades partidárias ou governamentais. Será difícil e nada certo que a AD venha a formar governo mas, em todo o caso, pelo psicionamento na lista a sua eleição é certa.

O lado menos positivo desta candidatura será, naturalmente, o ter que deixar a presidência da Câmara Municipal pouco mais que a meio do mandato. Por princípio, os mandatos devem ser cumpridos até ao final sob pena de defraudar as expectativas dos eleitores. 

6 de novembro de 2023

Jorge, o guia

Das várias dezenas de caminhadas que já fizemos, em tantos concelhos mas sobretudo por Arouca, Castelo de Paiva, Vale de Cambra, Sever do Vouga, Albergaria-a-Velha, S. Pedro do Sul, Vouzela, Penafiel, etc, o Jorge invariavelmente segue à frente, como guia a desbravar caminho, a levantar coelhos e perdizes, a assustar aves e a afuguentar cobras e largatos. 

Sempre com um ritmo de invejar. Gosta da diversidade dos trilhos, dos bosques e pinhais, mas prefere os puros, a trepar e a descer serras escalvadas. Com malta assim, caminhar é prazer. Para já em pausa invernal, mas quase quase a recomeçar, até porque há caminhadas prometidas para dias de chuva. Afinal quem quer ver rios, ribeiras e cascatas a fumegar e a troar não pode ser no pino do Verão. Há que pôr os pés ao caminho.

















31 de outubro de 2023

Manuel Rodrigues de Paiva e o Guisande F.C.


Quando uma instituição celebra aniversário é comum recordar pessoas que já partiram e que a ela estiveram ligadas e ajudaram à sua fundação ou crescimento. Por conseguinte o aniversário é um momento e pretexto para fazer elogios e enaltecer figuras.

Mesmo sabendo desse lugar comum, também entendo cá para mim que neste dia em que o clube da nossa terra celebra 44 de vida oficial, é justo que se recorde certas figuras, algumas que felizmente ainda são vivas e andam por cá e outros que já deixaram de percorrer este caminho terreno.

Assim, desde logo, e porque no acto fundador encabeçou e foi o primeiro subscritor da escritura pública do Guisande Futebol Clube, conforme o atesta o recorte publicado ao fundo, trago à memória a figura e o papel do Manuel Rodrigues de Paiva, que faleceu em 27 de Janeiro de 2021 e que à data da constituição do clube, em  31 de Outubro de 1979, tinha apenas 36 anos, completando 37 apenas no mês seguinte, no dia 20, pois nasceu em Novembro de 1942.

Manuel Rodrigues de Paiva, apesar de natural da freguesia de Romariz, foi uma figura com relevante intervenção cívica na freguesia de Guisande, tendo sido dirigente e presidente do Guisande F.C., sendo, como atrás referi, uma das figuras marcantes na fundação oficial do clube e da construção do Campo de Jogos "Oliveira e Santos". Foi secretário da Junta de Freguesia de Guisande, depois das eleições autárquicas de 16 de Dezembro de 1979, e ainda, em diferentes mandatos, elemento da Assembleia de Freguesia de Guisande, em representação do PSD e também da FJI - Força Jovem Independente no mandato de 1989/1993.

Como qualquer um de nós, a começar por mim, tinha alguns defeitos ou feitios que por vezes eram obstáculos para quem com ele colaborava, já que tantas vezes com a sua vontade de fazer depressa e avançar nas decisões e nas obras tinha tendência de contornar as etapas e não ter em conta o papel e a importância de quem tinha ao lado, isto, claro, na parte da sua intervenção cívica, abstendo-me de considerações fora dessa esfera.

Mas na sua intervenção de cidadania em Guisande tinha de facto esse voluntarismo. Mas se é certo que por vezes arrepiava caminho de forma mais ou menos unilateral, também é verdade que noutras tantas vezes se assim não fosse as coisas, as vontades e as obras não avançavam, à espera, tantas vezes, de quem não decidia. E dessa forma, por si ou bem ajudado, e outros mais velhos saberão disso melhor que eu, certo é que contribuiu para se fazer muitas coisas, porventura grandes demais para a pequena dimensão da freguesia. O Manuel Paiva tinha essa matriz, de pensar de forma objectiva e sempre para a frente. Foi nesse espírito que no plano pessoal foi sempre um homem de comércio e negócios bem sucedido, tendo até ficado com o apelido de "Manel do Negócio" e logo bem cedo na nossa terra quando instalou a pequena "Casa Notícia", ali no Largo de Casaldaça, no que era um pequeno espaço de garagem de um automóvel. 

Por tudo isto, pela sua forma de fazer as coisas no que diz respeito à freguesia, tinha de muitos  o justo reconhecimento do seu valor mas também alguns que tinham um entendimento diferente e pouco apreciadores desse estilo muito individualizado. Disso poderá falar bem melhor e com conhecimento de causa quem com ele directamente trabalhou, sobretudo no que diz respeito ao Guisande Futebol Clube. Nesse plano, apesar de termos tido sempre uma boa relação pessoal e de consideração mútuas, não tive a oportunidade de com ele trabalhar. Mas não foi por acaso que teve o papel que teve na vida do clube e se há várias outras figuras que também deram contributos valiosos, dedicados e resilientes, ninguém de boa fé, e sobretudo com o filtro do tempo, pode negar ou apoucar o papel e importância que teve o Manuel Rodrigues de Paiva na vida do Guisande Futebol, Clube, sobretudo nesses anos que remetem para a fundação e para as obras do actual campo de jogos e da sua consolidação.

Deste modo, sem esquecer outras importantes figuras que tanto deram ao clube, como directores, sócios e atletas, parece-me justo trazer hoje e aqui à memória a figura do Manuel Rodrigues de Paiva.


Já agora e a propósito da data, relembro aqui os subscritores da escritura de fundação do Guisande F.C. em 31 de Outubro de 1979:

Assinaram Manuel Rodrigues de Paiva, Júlio César dos Santos Alves, José Pires de Almeida Saraiva, Elísio Elísio Alcino Ferreira dos Santos, António de Oliveira Bastos, José de Almeida Peixoto, Valdemar Ferreira de Pinho, Domingos da Conceição Lopes e Elísio Gomes da Mota.

Certamente que poderiam fazer parte do grupo de subscritores nesta escritura outras figuras importantes no clube, mas não constam apenas porque na data ou estariam ausentes ou impossibilitados por outros motivos. Isto para salientar que há nomes que tiveram igual ou maior importância na vontade e acto fundador do nosso clube mesmo que não constem no documento. De resto, dos que assinaram, até vejo ali um ou outro cujo papel ao serviço do clube terá sido meramente circunstancial e sem qualquer relevo na vida e obra do clube. Seja como for, constam do momento e do documento e a história por vezes também se faz destas circunstâncias mesmo que na prática tenham tido pouca relevância no fundamento.

7 de outubro de 2023

Centenário - Ti Neca do Viso


Manuel Joaquim Gomes de Almeida, ou familiarmente o Ti Neca do Viso, completa 100 anos de vida neste dia 7 de Outubro de 2023. Detém desde há vários anos, o estatuto de ser o homem mais velho da nossa freguesia de Guisande. É meu tio, irmão do meu pai.

Nasceu, pois, no mesmo dia e mês do ano de 1923 em Cimo de Vila, naquele casarão mesmo por detrás da capela do Viso.


Certidão de nascimento/baptismo

É filho de Joaquim Gomes de Almeida, nascido em 27 de Abril de 1885 e falecido em 23 de Dezembro de 1965) e de Maria da Luz , nascida em 18 de Novembro de 1890 e falecida em 1967.

Pelo lado de seu pai é neto de Raimundo Gomes de Almeida, nascido a 19 de Janeiro de 1849 e falecido em 10 de Dezembro de 1905, e de Delfina Gomes de Oliveira (esta de Casal do Monte - Romariz), nascida em 19 de Julho de 1859 e falecida em 15 de Fevereiro de 1934. Pelo lado de sua mãe é neto de José Joaquim Gomes de Almeida e de Maria da Conceição de Jesus. 

Pelo lado de sua mãe é neto de Domingos José Gomes de Almeida (falecido em 1894)  e de Joaquina Rosa de Oliveira (falecida em 1884). Pelo lado de sua mãe é bisneto de António Joaquim Gomes de Almeida e Joaquina Antónia de Jesus.

Pelo lado da sua avó paterna, é bisneto de António José de Oliveira e Maria Joana Rodrigues e de Manuel José Rodrigues e de Maria Rosa.

Pelo lado do seu pai é trineto de Domingos José Francisco de Almeida e de Maria Felizarda de São José Gomes Loureiro. Ainda pelo lado se seu pai e tetraneto de Domingos Francisco de Almeida Vasconcelos e de Clara Angélica Rosa, (estes de Mafamude-Vila Nova de Gaia) e pentaneto de Manuel Francisco da Trindade e de Maria de Almeida (estes da cidade do Porto).

Pela ramificação familiar acima descrita, percebe-se que tanto pelo lado do pai como da mãe tinha antepassados comuns. Por conseguinte, os seus pais eram primos em grau afastado. Ou seja, os bisavôs de meu Tio Neca, tanto pelo lado do pai como da mãe eram irmãos (Domingos José Gomes de Almeida, nascido em 22 de Março de 1813,  e António Joaquim Gomes de Almeida, nascido em 1820).

O meu Tio Neca teve vários irmãos, sendo ainda viva a Laurinda, a mais nova da prole, também a caminho dos 100 anos. Já partiram a Delfina, o José, o António (meu pai), o Joaquim José e a Maria Celeste.

Houve ainda uma primeira Laurinda que faleceu pouco depois do nascimento.

Foi seu padrinho de baptismo o Sr. Manuel Moreira da Costa, da casa Moreira do lugar de Trás-da-Igreja (Igreja), de quem dizia que uma vez recebeu de prenda uma pata. Foi sua madrinha Josefina Gomes de Oliveira, do lugar do Viso.


Os pais do meu tio Neca (meus avôs paternos), Joaquim Gomes de Almeida e Maria da Luz.



Não sabemos quantos mais anos tem Deus reservados para o meu Tio Neca. Serão os que forem. Para já encontra-se bem, no Lar da Misericórdia, em Arouca, estando bem tratado e cuidado. Sempre alegre, risonho, a brincar com o sobrinho Adérito o qual desde há anos é o seu principal companheiro, seu ajudante e em grande medida cuidador. Sempre bem disposto embora já com a memória por vezes a dar sinais da longa idade, mas no geral, mesmo que com os naturais problemas de mobilidade, ainda bem de saúde. Que Deus o conserve por mais anos se for essa a Sua vontade!

Ainda hoje, depois do almoço, alguns de nós contaremos estar com ele em Arouca para com um bolo celebrarmos o centenário.

15 de setembro de 2023

A D. Anunciação da Barrosa





Ali no lugar da Barrosa, aqui em Guisande, no gaveto entre a Rua 25 de Abril e a Rua Senhor do Bonfim, ainda sobram as ruínas do que foi uma casa abastada e importante e de uma das ilustres famílias guisandenses. Ali morou uma figura ainda conhecida dos mais velhos e de que eu próprio ainda tenho memória, mas uma ilustre desconhecida para os mais novos. Falo da figura da D. Maria da Anunciação de Leite Resende, que, sabem os mais velhos, chegou a ser organista no Grupo Coral de Guisande. Aquele velho órgão de foles que existia na nossa igreja matriz, e no qual ainda eu toquei, e que no tempo do Pe. Francisco, já sem a D. Anunciação a tocar, ele usava para os ensaios dos novos cânticos.

Esta ilustre senhora terá tido, pois, uma esmerada educação, incluindo formação musical, e dizem que terá estudado piano no Porto.

Os pais da D. Maria da Anunciação, Raimundo de Almeida de Leite Resende e Jovita Gomes da Conceição casaram na paróquia de Nossa Senhora da Vitória, na cidade do Porto, em 22 de Agosto de 1887. Quando casaram tinha ele 25 anos e ela 17. Do que foi possível apurar, do casamento nasceram duas filhas, a Maria da Anunciação, a Maria e o António, que abaixo identificaremos.

O pai da D. Anunciação era um ilustre guisandense do seu tempo e chegou a ser presidente da Junta Paroquial de Guisande, equivalente à Junta de Freguesia, no final do séc. XIX.

Raimundo Almeida de Leite Resende nasceu no dia 24 de Fevereiro do ano de 1872.  Era filho de António Leite de Resende e Margarida Felizarda de S. José. Era neto paterno de José Leite de Resende e Teresa de Jesus e neto materno de Domingos José Francisco de Almeida e de Maria Felizarda de S. José. Foi padrinho de baptismo Raimundo José de Almeida (morador no lugar da Lama e tio materno, e Rita Felizarda de S. José (tia materna). Faleceu em Guisande em 1933 com 61 anos.

Este Raimundo Almeida Leite de Resende teve pelo menos uma irmã, a Maria Felizarda de Almeida, nascida em 28 de Julho de 1858 e que casou em 25 de Maio de 1880 com António Joaquim dos Reis Oliveira, filho de Manuel de Oliveira e de Ana Joaquina. Faleceu em 5 de Julho de 1941 e o seu marido em 30 de Novembro de 1944. Este casal teve filhos, nomeadamente a Angelina Leite de Oliveira, que por sua vez casou com José Leite Gomes, natural de Pigeiros, filho de Manuel Gomes Henriques Leite e de Rosa Maria Pereira de Jesus. Por sua vez estes foram pais da Maria Angelina que casou com o Américo Pinto dos Santos (Chefe) e da  Maria da Anunciação Leite de Oliveira Gomes, nascida a 10 de Maio de 1931, que casou em 25 de Fevereiro de 1964 com Rogério Fernandes da Costa Neves, que por sua vez  foram pais da Maria José Gomes Neves que casou com Rui Manuel de Azevedo Gomes Giro.

Quanto a Margarida Felizarda de S. José, esposa de Raimundo Almeida de Leite Resende, era bisneta paterna de Domingos Francisco de Almeida Vasconcelos (de Mafamude - Gaia) e Clara Angélica Rosa. Este Domingos Francisco era filho de Manuel Francisco Trindade e de Maria de Almeida (da Sé-Porto). Esta Clara Angélica era filha de Domingos Francisco e de Teresa Vitória (de Cortegaça-Ovar)

Ainda quanto ao Raimundo, era bisneto paterno de José Leite de Resende (do lugar de Trás-da- Igreja) e Teresa Maria de Jesus. Este José Leite de Resende era filho de Manuel José de Resende e de Mariana da Silva. Esta Teresa era filha de Veríssimo Fernandes dos Santos e de Maria Francisca

Jovita Gomes da Conceição nasceu no lugar da Estrada, freguesia de Mansores, concelho de Arouca, a 31 de Janeiro de 1870, tendo sido baptizada na igreja paroquial local em 25 de Março de 1870. Era filha de António da Conceição Neves Cardoso e de Ana Gomes da Conceição Neves Cardoso (de Estrada - Mansores - Arouca). Era neta paterna de Manuel da Conceição e de Maria Rosa. Era neta materna de Ana Margarida. Faleceu em Guisande em 12 de Abril de 1940 com 70 anos. Sobreviveu ao marido 9 anos.



D. Jovita Gomes da Conceição


Os filhos de Raimundo de Almeida Leite Resende e Jovita Gomes da Conceição:


Do que consegui pesquisar, Raimundo e Jovita tiverem os seguintes filhos:

Maria da Conceição Leite Resende

Esta Maria da Conceição casou com Arnaldo Borges da Silva Neto, filho de Manuel Borges da Silva Neto e de Leopoldina Gomes da Conceição, de S. Miguel de Silvares, concelho de Lousada. 

Este Arnaldo Borges da Silva Neto chegou a ser presidente e secretário da Junta de Freguesia de Guisande no início da década de 1920.

Do que consegui apurar este casal, o Arnaldo e a Maria da Conceição teve um filho, o António Neto de Resende Borges, que nasceu em 3 de Maio de 1921.

Teve ainda uma filha, a Maria Isaura da Conceição Resende Borges, que nasceu a 17 de Fevereiro de 1917 e faleceu em 20 de Agosto de 2015, e que veio a casar em 20 de Setembro de 1940 com o Dr. António Ferreira da Silva e Sá, de S. Tiago de Lobão, este nascido em 28 de Maio de 1913 e falecido em 5 de Junho de 1995.

Por sua vez, a Maria Isaura e o Dr. António Sá tiveram vários filhos entre os quais o Prof. José, o Arnaldo, nascido a 5 de Novembro de 1947, o Fernando António, nascido em 29 de Abril de 1951, a Maria Lúcia, nascida em 5 de Março de 1953, Francisco e a Fernanda, esta que está casada com o S. José Alves da Costa, que vivem em parte da Casa do Loureiro, no lugar da Barrosa. Ainda a Maria Jacinta.

António Leite de Resende, primeiro de nome, nasceu em Junho de 1888 e faleceu no dia 27 do mesmo mês e ano, com 17 dias de vida.

António Leite de Resende, segundo de nome, nasceu em 21 de Abril de 1889. Foi baptizado em Guisande em 24 de Abril de 1889. Foi padrinho Raimundo José de Almeida, seu tio e a avó materna Ana Gomes da Conceição Neves Cardoso. Faleceu em 27 de Fevereiro de 1890 apenas com 10 meses de idade.

Maria Leite de Resende, nasceu a 30 de Novembro de 1890. Foi baptizada em Guisande no dia 1 de Dezembro de 1890.

Foram padrinhos de baptismo António Joaquim dos Reis Oliveira (do Reguengo) e Margarida Felizarda de S. José (avó paterna).

Foi casada com Joaquim Gomes de Almeida, este falecido em Guisande no dia 1 de Julho de 1915 e ela faleceu em 15 de Dezembro de 1927.

Maria da Anunciação Leite de Resende, nasceu em 4 de Julho de 1908. Foi baptizada no dia 9 do mesmo mês e ano na igreja matriz de Guisande. Foram padrinhos de baptismo António Joaquim dos Reis Oliveira (do Reguengo) e a sua irmã Maria, então solteira, com 17 anos. Faleceu a 5 de Maio de 1989, no Hospital em S. Paio de Oleiros, com 81 anos de idade.


Nota final: Os apontamentos aqui escritos, por dificuldades várias e escassez de documentos podem padecer de alguns erros ou imprecisões ou omissos quanto a alguns dados como nomes de familiares e datas. Por conseguinte baseiam-se apenas no que foi pssível pesquisar. Quaisquer informações que possam servir para completar ou corrigir são bem-vindas.

26 de agosto de 2023

Com um brilhozinho nos olhos

 

























Quem com o nosso actual pároco, Pe. António Jorge, conversar e vier à tona das palavras as suas anteriores paróquias, antes de em nova missão o seu Bispo o ter mandado cá para a nossa de S. Mamede de Guisande, conjuntamente com as das Caldas de S. Jorge e Pigeiros, perceberá que é com um brilho no olhar que ele recorda e fala dessas terras e gentes que serviu durante uns bons anos.

Mas perceberá também que esta coisa de serviço a Deus e à Sua Igreja, tem destas singularidades e num instante o sacerdote é chamado a uma nova missão e tem que largar tudo e todos, vivências e convivências, terras e comunidades, a que por razões naturais se afeiçoou como bom pastor às suas ovelhas, mesmo às mais negras do rebanho. Até sítios que se menos espirituais, pelo menos benfazejos ao corpo, que também precisa de retemperos, como o Quinta da Lama, que, experiente, me recomendou.

Isto significa que não é fácil, porventura não tanto para o sacerdote, imbuído de base na sua formação no espírito de missão e lealdade à Igreja e seus bispos, e por estes a Deus, mas sobretudo ao homem. É que, não raras vezes, somos levados a esquecer que por detrás de um sacerdote há um homem comum, com os defeitos e virtudes como os demais, ferido das fraquezas próprias da humanidade e a elas sujeito. 

Por conseguinte, ao ver com os próprios olhos, in loco, algumas daquelas terras e comunidades que paroquiou o Pe. António Jorge, bem como a riqueza das suas paisagens e património, incluindo o de carácter românico, como os mosteiros de S. Martinho de Mancelos,  o imponente S. Salvador de Travanca ou a mais singela igreja velha de S. Salvador de Real, não custa acreditar que aquelas almas que por ali fazem vida, sejam igualmente de gente boa e generosa e de braços abertos a quem chegou em nome de Deus, como foi o caso do Pe. António Jorge. Também a sua separação  do pároco deve ter sido dura.

Perceber e distinguir estas realidades é compreender melhor o espírito de missão do sacerdócio mas igualmente o de humanidade e da dureza da despedida, do desprendimento de coisas, lugares e gentes. É certo que, com as boas estradas e bons carros, ali chega-se num repente, mas a saudade não se mata apenas com visitas ocasionais. Ajuda, mas tantas vezes, porém, com isso apenas se aumenta o peso da mesma.

Para finalizar, significa tudo isto que o melhor contributo a alguém na situação do Pe. António Jorge, nosso pároco, é fazer-lhe sentir que pode contar connosco e que também aqui, mesmo que sem as belas e graníticas igrejas românicas, também há gente tão boa quanto a de Real/Vila Meã, Mancelos, Travanca, ou outras paróquias do Vale do Odres e Tâmega com quem comungou no dia-a-dia espiritual e social. Creio que ele conta com isso e com todos, mesmo que cada um só possa dar os talentos próprios.  Cabe a Deus fazê-los render na justa proporção.