Mostrar mensagens com a etiqueta Guisande. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta Guisande. Mostrar todas as mensagens

4 de agosto de 2020

20 anos


Parece que foi ontem, mas na realidade já passaram 20 anos desde a criação deste sítio na internet  sobre a freguesia de Guisande. 
Inicialmente na plataforma dos blogues Sapo, mas depois foi dando outras voltas e noutras plataformas. Inicialmente um percurso com alguns altos e baixos, é certo, mas a verdade verdadinha é que chegou até aqui. Não é que seja nada de especial, mas mesmo assim é caso único na nossa freguesia. Mesmo nas redondezas, não conheço algo similar que tenha tido esta longevidade e alguma regularidade.

Desde o início e até hoje tem sido um espaço de cariz pessoal. Nunca foi nem pretendeu ser um espaço oficial ou institucional da freguesia. De resto o pouco que se referia a Guisande na anterior versão da página da Junta da União de Freguesias, foi apagado. Porque por vezes há disto: Mudam-se as coisas, supostamente para algo melhor e mais profissional mas em rigor fica-se com uma página cheia de nada. 

Sendo um espaço pessoal, como disse, nele se expressam e partilham coisas próprias do autor, como opiniões, pensamentos, fotografias, vídeos, ilustrações, etc. Numa perspectiva pessoal e de interesse comunitário, é dado  natural destaque à divulgação de assuntos relacionados à freguesia de Guisande,  nos seus diversos aspectos históricos, geográficos e sócio-culturais, incluindo temas da sua vida diária e actual, mas também com espaço e lugar para as informações e notícias. Também se dispensa um olhar atento sobre assuntos relacionados com o município de Santa Maria da Feira e opiniões e reflexões sobre assuntos do dia-a-dia do país e do mundo, porque dele sou cidadão.

Ao fim destes vinte anos, tenho noção que o espaço incomodou alguns, e continua a incomodar, mas tem agradado e sido seguido por muitos mais. Sei, por testemunhos pessoais, que é muito seguido sobretudo pelas comunidades dos nossos emigrantes, nomeadamente de França e Suiça, mas também no Brasil e África do Sul.

Sendo um espaço de âmbito local, e não global, tem tido um número de visitantes diários muito apreciável. Tem oscilações, mas normalmente regista entre 7000 a 15000 visitas mensais, por vezes com mais de 500 visitas diárias, dependendo dos assuntos tratados e da divulgação dos mesmos, nomeadamente através das redes sociais. Por vezes recebo indicações de visitantes, pedindo-me que publique ainda com mais regularidade pois querem saber notícias e apontamentos da sua freguesia.

Em suma, este espaço vai cumprindo os propósitos a que me propus há 20 anos. Nem tudo terá sido bem feito, mas certo é que não vejo ninguém a fazer melhor, e ficaria contente se assim fosse. De resto, há por aí artistas especialistas na arte de tudo contestar mas nada fazer. Eu também contesto e critico mas parece-me que de algum modo tenho procurado alguma coisa fazer, mesmo que nem sempre como desejável, e este espaço online é uma delas. Também nem sempre publico com a regularidade desejável, que seria diária, mas vai indo de modo a não se perder o fio à meada da actualidade. 

Modéstia à parte, creio que tem sido um veículo de transmissão de notícias, olhares e apontamentos sobre a história e identidade cultural e social da nossa freguesia, ganhando uma maior importância desde que a freguesia tem estado numa espécie de interregno, quase uma criogenia nesta coisa chamada União de Freguesias que, muito lobãonizada, pouco ou nada tem feito pela valorização dos diferentes aspectos identitários de cada uma das demais partes integrantes. 

Bem haja a todos os visitantes regulares e a todos quantos encontram neste espaço alguma utilidade. Os parabéns são para eles.

9 de janeiro de 2019

Roupa nova


Começou por estes dias a montagem dos andaimes para as obras de requalificação do edifício da Habitação Social em Casaldaça - Guisande.
As obras agora iniciadas inserem-se num programa de reabilitação de habitações sociais com a aplicação prevista de três milhões de euros no melhoramento de 11 edifícios espalhados pelo concelho, incluindo o de Guisande.

Para o equipamento habitacional  na nossa freguesia o concurso  tinha um orçamento base a rondar os 143 mil euros e terá sido adjudicado ligeiramente abaixo, por 135.760,41 euros à empresa O2S - Engenharia e Construção, L.da, da Guarda.

Certamente que para os moradores, que desde há anos vinham a assistir à degradação do edifício, para além do mesmo já padecer de raiz da falta de alguns aspectos de qualidade construtiva, é uma boa notícia no princípio do novo ano. 

Este edifício, como temos dito, resultou na época de uma má política de habitação social, desajustada e desproporcionada, com a quantidade em detrimento da qualidade. A freguesia de Guisande na altura em rigor não carecia de um tão elevado número de fogos pelo, que, também por isso, para ali foram acomodadas pessoas de outras freguesias com as consequências de integração inerentes. A ideia geral, salvo as naturais excepções, nunca foi a de conceder habitação permanente, mas em rigor é o que acontece porque nunca foram executadas políticas de integração e promoção à mudança e apoio a construção ou aquisição de habitação própria por parte de pelo menos algumas famílias. Pelo contrário, têm sido adoptadas medidas que conduzem precisamente ao acomodamento à situação e ao provisório definitivo. Más políticas, maus resultados. Agora importa minorar e dotar o equipamento com condições dignas para quem ali mora.

Com as obras agora iniciadas pretende-se melhorar as condições de eficiência energética do edifício, com substituição das caixilharias e janelas, renovação das coberturas e também aplicação de novos revestimentos, com remoção da tijoleira e aplicação de "capoto" e pintura.

31 de outubro de 2018

39


O Guisande Futebol Clube foi formalmente constituído como associação em 31 de Outubro de 1979, com o objectivo de promoção desportiva, cultural e recreativa. Em rigor hoje é o seu 39º aniversário e para o próximo ano será com conta redonda a representar quatro décadas. Todavia, este 39º aniversário é de algum modo emblemático mas triste porque em rigor o clube está inactivo desde há alguns anos, por isso sem actividade e sem corpos directivos. 

Felizmente, tem estado activa uma equipa designada de Veteranos Guisande F.C. que tem participado no campeonato da Associação de Atletas Veteranos de Terras de Santa Maria, uma organização fora do âmbito da Associação de Futebol de Aveiro, mas que de forma meritória tem reunido um bom conjunto de clubes da nossa região numa competição muito positiva sobre vários aspectos para além dos da própria competição. 
Embora de forma não oficial, reconhece-se esta equipa dos veteranos como a legítima representante do clube e que o tem dignificado com um lote de bons atletas e gente com paixão pelas suas cores e pelo seu passado. De resto, inicialmente houve a vontade e a intenção do grupo em regularizar a situação do clube, mas por impedimentos vários, desde logo os compromissos financeiros para com a Associação de Futebol de Aveiro (que se mantêm), tal não se concretizou. 
A equipa tem vindo a utilizar as instalação do Campo de Jogos Oliveira e Santos e tem assegurado a sua manutenção, no que é de louvar.

Neste contexto que, reconheça-se, não é o melhor, é sempre importante pelo menos lembrar as datas significativas, como o aniversário da fundação, porque fazendo-o lembramos o esforço e dedicação de muitas pessoas que ao longo dos tempos, mesmo antes da fundação, deram muito à história do clube. De algum modo, com esse propósito tenho procurado pelo menos trazer à memória alguns momentos e aspectos documentais ligados ao clube, como os que aqui tenho vindo a escrever.

Quanto ao futuro, é imprevisível porque para além da situação presente as expectativas não são de facto as melhores e o contexto de uma União de Freguesias centralizadora e sem sensibilidade para as questões identitárias, só veio piorar a situação mesmo quando em teoria seria para melhorar.
Para além disso, cada vez mais se nota um desligamento das pessoas aos actos de cidadania inerentes a uma sociedade e comunidade e poucos são os que pretendem investir o seu tempo e muitas vezes o seu dinheiro em dinâmicas associativas que na maior parte das vezes são desvalorizadas, desconsideradas e até mesmo criticadas, o que é duplamente penalizador para quem tem a ousadia de se integrar num qualquer grupo associativo a favor da comunidade. É que, infelizmente, em Guisande ainda há muitos que pouco ou nada fazem mas muito criticam. E pior do que isso, nem fazem nem deixam fazer e minam mesmo o trabalho, esforço e dedicação de quem se aplica. Mas, mesmo que eventualmente pintada com cores pessimistas, em grande medida é esta a nossa realidade e temos que saber viver com ela e esperar que das novas gerações surja a curto prazo um envolvimento e interesse pelas coisas da sua terra, o que, diga-se, não é muito expectável.

22 de outubro de 2018

Guisande - Fotografia aérea


Fotografia aérea de Guisande em resolução bem mais generosa do que habitualmente disponível. Para o formato original, clicar aqui.

Pelo menos tapem os buracos


De vez em quando por lá passo os olhos, no jornal online "O Mirante". Nele, mesmo que já recessa, de 2011, li a queixa de um certo António Bento, morador da freguesia de Pinheiro Grande  (actualmente integrada na União das Freguesias de Chamusca e Pinheiro Grande) relativamente ao suposto tratamento do seu presidente de Junta, não tratando de igual modo os seus habitantes,  ignorando o seu pedido de reparação dos buracos de uma certa estrada. Rematava dizendo que "...Eu não peço alcatrão na referida rua mas sim que se digne de tratar os habitantes de Pinheiro Grande da mesma forma e com o civismo que deve ou devia ter para com a minha pessoa."

Independentemente das razões do cidadão Bento para com o seu presidente de Junta de então, porventura resumem muitas das queixas de moradores de muitas outras freguesias e lugares destas, em que se sentem esquecidos e ignorados. 
Ora, em Guisande, à data, com mais de um ano de exercício da actual Junta percebe-se perfeitamente este sentimento de marasmo e inactividade, sem qualquer sinal de obra ou melhoramento por mais simples que seja, a ponto de já se ouvir as pessoas a dizerem precisamente isto: - Pelo menos tapem os buracos!

E há muitos para tapar e pedaços de estradas por refazer e há situações deploráveis como os casos de troços em estado reles como na Rua do Outeiro, Rua do Jardim de Infância, Rua Nª Sª da Boa Fortuna, junto ao cruzamento com a Rua de Cimo de Vila e várias outras, bem como a situação de águas no cruzamento da Rua da Igreja com a Rua das Quintães, que se arrasta há meses e com o pavimento a degradar-se dia para dia e ainda sem a chegada do Inverno.
De facto, não querendo pedir muito a quem tem o poder da decisão, pelo menos tapem os buracos. Se a tarefa for complicada, pelo menos os mais granditos. 

28 de setembro de 2018

Olha o passarinho...


Esta fotografia de 16 de Junho de 1955, é porventura, das conhecidas, uma das mais antigas relacionada à nossa igreja matriz e zona envolvente a norte e nascente, com o adro e a residência paroquial. Como se poderá perceber, foi tirada a partir de um terraço da casa da família do Dr. Joaquim Inácio da Costa e Silva, então conhecida como Casa do Sr. Moreira (sogro do Dr. Joaquim Inácio).
Pode-se observar vários pormenores, desde logo as árvores que existiam no adro, como a famosa e frondosa cerejeira, abatida em 1 de Dezembro de 1956, de que já falamos aqui. Também uma oliveira na parte mais central, à direita Por essa altura o adro estava ainda despido quanto aos arbustos que foram plantados em fase posterior, pelo início dos anos 60..
Ainda os pormenores interessantes da residência paroquial, nomeadamente a pintura da chaminé original (esta posteriormente demolida e edificada em seu lugar uma mais pequena, aquando de obras na cozinha) bem como um lambrim igualmente em pintura. Não o sabendo, seria natural que fosse em tom azulado.
Ao fundo, percebe-se ainda a antiga Casa dos Mordomos, que anos depois, no princípio dos anos 60, seria demolida parcialmente para dar lugar ao actual Salão Paroquial.
Por todos os aspectos que dela se podem obter, esta foto é em si mesma um importante documento e testemunha de um passado já algo distante (63 anos).

Abaixo a foto com a indicação do local onde foi obtida a foto de cima


Abaixo a foto com a vista geral do local, na actualidade, percebendo-se a ausência da referida chaminé existente na residência paroquial em 1955.



27 de setembro de 2018

E a mocidade de Guisande foi à praia


Verão de 1967. Parecendo que não, já passaram mais de 50 anos, meio século sobre o momento aqui retratado. Nesse Verão  parte da boa mocidade guisandense foi  a banhos, pelo menos molhar os pés. 
Infelizmente alguns dos aqui retratados já são apenas saudade. Curioso o pormenor de apenas dois homens entre onze mulheres. Se não me engano, o da esquerda é o Sr. José Santos, da Lama (ou talvez não) e o da direita parece-me falecido Sr. António Gomes, marido da Celeste Fonseca (ao seu lado esquerdo), de Cimo de Vila. 
Repare-se que por detrás deste grupo em pose quase de equipa de futebol, estão mais alguns "artistas", certamente também de Guisande. Claro que neste grupo há por ali muita gente conhecida, como a já falecida Lucinda Monteiro, mas fica o suspense para quem dos mais velhos quiser identificar as demais figuras.
Saudades!

24 de setembro de 2018

Obras de requalificação no edifício de habitação social de Guisande


Em Julho do ano passado dávamos aqui conta da notícia de que a Câmara de Santa Maria da Feira tinha em curso um programa de reabilitação de habitações sociais. Para o efeito previa a aplicação de três milhões de euros no melhoramento de 11 edifícios espalhados pelo concelho, incluindo o de Guisande.
Por estes dias soubemos que as obras para o edifício em Guisande estão já adjudicadas e contratualizadas prevendo-se para breve o seu arranque.
O concurso que tinha um orçamento base a rondar os 143 mil euros terá sido adjudicado ligeiramente abaixo, por 135.760,41 euros à empresa O2S - Engenharia e Construção, L.da, da Guarda.

Esta é, pois, uma boa notícia para os moradores que desde há anos vinham a assistir à degradação do edifício, para além do mesmo já padecer de raiz da falta de alguns aspectos de qualidade construtiva. De resto foi na altura uma má opção porque nem de longe nem de perto assentava numa necessidade extrema. Bastaria um terço dos fogos edificados para dar resposta às então necessidades locais. Mas como era tempo de vacas gordas...
É certo que a larga maioria das rendas, regra geral é baixa e quase residual nalgumas situações (contexto de habitação social) mas tal não retira o direito de os moradores usufruírem das condições adequadas de habitabilidade.

Com as obras previstas pretende-se melhorar as condições de eficiência energética do edifício, com substituição das caixilharias e janelas, renovação das coberturas e também aplicação de novos revestimentos, com aplicação de "capoto" e pintura.

Entretanto, a envolvente do edifício continua desmazelada já que neste ano ainda não foi feita qualquer limpeza do espaço de logradouro  a nascente, com uma vegetação bem acima do que a lei determina quanto à faixa de protecção relativamente a incêndios. Aqui o exemplo parece não vir de cima.
Apesar de a ter incluído no programa eleitoral de 2014, a requalificação do espaço envolvente deste edifício acabou por não ter qualquer consequência, obviamente para meu desapontamento e, por maioria de razão, dos moradores.  Mas ainda há tempo e seria uma janela de oportunidade este momento em que vão ser realizadas obras. Haja vontade de cumprir a promessa.

23 de setembro de 2018

Depois da festa a limpeza ficaria bem


Depois da I Festa das Colectividades da União das Freguesias de Lobão, Gião, Louredo e Guisande,  que teve lugar no Monte do Viso, passou já uma semana. Ficaria bem que nos dias imediatos o local fosse limpo como se espera depois de qualquer evento onde haja produção de lixo. Este, todavia, ainda ali continua em sacos, por recolher, e disperso pelo parque. Que se promova a correspondente limpeza  porque é uma questão básica. Não é pedir muito.

19 de setembro de 2018

José Coelho, que também é Gomes de Almeida



(Há uns anitos, à sombra do sobreiro junto à capela de Nossa Senhora da Conceição - Abelheira - Escariz )


(num encontro da LIAM em Fátima, ao lado das já saudosas D. Laurinda e D. Lucinda)

Quem não conhece o Zé Coelho? Pois bem, está hoje de parabéns. 92 anos feitos, porque quis o destino que nascesse no dia 19 de Setembro de 1926. Será já dos homens mais velhos da freguesia de Guisande. 
Tenho uma carinho e consideração especiais por este cidadão do mundo com o qual comecei a ter algum relacionamento a partir do momento em que recém chegado de África do Sul, por volta do final dos anos 80 veio ao estúdio da então Rádio Clube de Guisande, cantar umas cantigas acompanhadas pela sua guitarra de fados. Mais tarde, por volta da viragem do século, uma maior e frequente proximidade, participando nas reuniões, iniciativas e convívios do Núcleo da LIAM de Guisande, no qual estávamos então envolvidos. Eu de viola e ele de guitarra, foram muitas as cantigas ao desafio e a fazer dançar muita e boa gente com ritmos de viras e chulas. Mais tarde, que o instrumento era velho, comprou uma nova guitarra e deu-me a velha, que ainda guardo.
Infelizmente os anos passam e pesam para todos, sobretudo para quem já passa dos 90. Apesar disso, certamente que mais debilitado, passando já os dias no Centro Social em Gião, ainda temos a alegria de ter por cá o Zé do Coelho. Que ainda seja por muitos e bons anos. Parabéns Coelho!

Sobre a sua vida, ele próprio, em quadras que escreveu há alguns anitos (doze), faz uma retrospectiva da mesma. Poderia, depois disso, já ter acrescentado mais algumas, mas o que viveu já é muito, em idade e em experiências. De resto, como ele próprio diz na quadra final "...São histórias alegres e tristes, Mas com elas se faz a vida".


Nasci no ano de 1926
No dia 19 de Setembro.
Aqui conto minhas histórias,
De todas elas eu me lembro.

Minha terra é Guisande,
De Santa Maria da Feira,
Meu amor por ela é grande,
Será assim a vida inteira.

Com sete anos de idade
Comecei a ir para a escola,
E desde aí fui crescendo
Ganhando juízo na tola.

É para as queridas crianças
Que vou contar a minha história,
Recordar meus velhos tempos
Que tenho gravados na memória.

Eram tempos bem difíceis
Diferentes do que tendes agora,
Para a escola ia-mos a pé
E a pé vínhamos embora.

Não havia autocarros
Nem estradas alcatroadas,
Caminhávamos só por quelhas
Velhas, sujas e apertadas.

Só existiam três carros
Aqui, na minha freguesia,
Hoje há casas com dois e três,
O que não falta é burguesia.

Findado o tempo de escola
Logo comecei a trabalhar,
Mas procurando novos rumos
A África fui parar.

Foi em Outubro de 1954
Que para Angola emigrei,
Das dificuldades desse tempo
Vou contar-vos o que passei.

Foi Angola a escolhida,
Por ter língua igual,
Assim aprendi na escola,
Angola também era Portugal.

Passei por grandes dificuldades,
Algumas delas vou contar,
Pois não arranjava trabalho
E o dinheiro estava a acabar.

Só ao fim de alguns meses
Consegui o primeiro emprego,
Ali trabalhei vários anos
Com vontade, força e apego.

Era uma fábrica de cerveja,
E Cuca se chamava,
Bebida loura e fresquinha,
A muitos a sede matava.

Assim fui vencendo na vida
E muita coisa melhorou,
Mas foram tempos difíceis,
Comi o pão que o “diabo amassou”.

Durante o dia trabalhava
Só à noite fazia a comida,
Que guardava para o outro dia.
Assim era a minha vida.

Até a pobre roupa
Era eu quem lavava,
Como o clima era quente
Pela noite ela secava.

Assim trabalhei oito anos
Com amor e dedicação,
Mas ao fim desse tempo
Sofri nova desilusão.

Comecei de novo a sofrer
E a perder já a ilusão,
Pois em Angola rebentara
A chamada revolução.

Dez anos tinham passado,
A Portugal tive de voltar.
Angola estava em guerra
E era perigoso lá continuar.

Em Portugal passei dois anos
Sempre na vida a lutar,
Mas com saudades de África
Desejava regressar.

Foi para a África de Sul
Que desta vez emigrei,
E assim com outra história,
Vou contar-vos o que passei.

Facilmente arranjei trabalho,
Era coisa que lá não faltava,
Mas tinha outro problema
Era o inglês que não falava.

Todo o dia trabalhava
Mas à noite ia para a escola
Aprender a língua inglesa
E encaixá-la bem na tola.

Até para ir ao mercado
Comprar o que precisava,
Como não sabia falar inglês
Nem o dinheiro contava.

Assim fui aprendendo
Mas tudo um pouco custou,
É para vós saberdes, meninos,
O que o emigrante passou.

Trabalhando e estudando
Muita coisa aprendi,
Hoje, com meus oitenta anos,
Estou feliz por chegar aqui.

Meus dois filhos estão na África
E eu por cá, vivo sozinho.
É triste a solidão,
Mas Portugal é que é meu ninho.

Hoje tenho meus pensamentos
Em África e em Portugal,
Mas Portugal é minha terra,
Aonde nasci e sou natural.

Todos os anos de avião,
Meus filhos e netos vou rever,
Vou matar a saudade,
E um mês fico lá a viver.

Tenho filhos, também noras
E netos da vossa idade,
Que me fazem recordar
Meus tempos de mocidade.

Nas minhas férias em África
Sempre falo com muita gente
Relembro minha juventude
E vejo como hoje tudo é diferente.

Foi para vós meus meninos
Que escrevi a minha história,
Peço-vos que não a esqueçais
Guardai-a na vossa memória.

Se um dia tiveres que emigrar
Pensai bem antes de o fazer,
Mas por vezes até faz bem
Na vida um pouco sofrer.

 Desta feita vou terminar 
E fazer a minha despedida,
São histórias alegres e tristes
Mas com elas se faz a vida.

José Coelho Gomes de Almeida

17 de setembro de 2018

Residência Paroquial de S. Mamede de Guisande


Numa altura em que o actual pároco de S. Mamede de Guisande, Pe. Arnaldo Farinha tem manifestado à comunidade a intenção de proceder a obras no interior da residência paroquial, para nela fixar habitação, como é de seu direito, importará saber alguns dados sobre este emblemático edifício que há mais de um século faz parte do património local e da paisagem envolvente à nossa bela igreja matriz.

Pela data gravada em pedra aposta sensivelmente ao centro da fachada principal voltada a poente, a sua construção reporta-se ao ano de 1907. Tem, pois, quase 110 anos de existência. Dos vivos guisandenses, não há nenhum que lhe tenha sobrevivido.

Como será de esperar, há poucos dados documentais que nos permitam saber com rigor alguns dos aspectos ligados à sua construção e história. 
Em todo o caso, fazendo uso e fé de actas da antiga Junta de Freguesia de Guisande, ao tempo denominada de Junta Paroquial, o edifício foi mandado construir pelo então pároco de Guisande, Pe. Abel Alves de Pinho, do qual pouco se sabe, para além de que era natural da freguesia de Fiães, do nosso concelho de Vila da Feira e que enquanto pároco também exerceu o cargo de secretário da então Junta Paroquial de Guisande.

Pela consulta do livro de actas dessa entidade administrativa, em concreto pela acta de 21 de Outubro de 1923, abaixo reproduzida, foi então apresentado o novo pároco, Padre Rodrigo José Milheiro, bem como o presidente da Junta informava que com a saída do antigo pároco Padre Abel Alves de Pinho, por exoneração pedida por este, certamente por idade avançada, ao abandonar Guisande decidiu vender a sua habitação, suas pertenças e terrenos, em 11 de Outubro de 1923, ao Reverendo Joaquim Esteves Loureiro. Esta venda foi a título de recordação pela sua passagem pela freguesia de Guisande e com o objectivo claro de passar a ser a residência dos futuros párocos da paróquia de S. Mamede de Guisande.

Tendo em conta que conforme é relatado na referida acta, a Junta considerou a venda como um benefício e a classificou como recordação pela passagem do Pe. Abel Alves de Pinho pela paróquia, só faz sentido que a referida venda fosse a favor da paróquia, para nela funcionar a residência dos futuros párocos. Se fosse para a posse e usufruto de uma pessoa particular, não faria sentido a tal consideração da Junta. Presumo, por isso, que a venda terá sido simbólica ou, mesmo que formal, a favor do Paço e na condição do edifício permanecer ao serviço da paróquia como residência.
Neste contexto, mesmo que assente em presunção, tudo indica que o Rev. Joaquim Esteves Loureiro foi apenas o representante legal do Paço no acto da venda.

Em concreto não conseguimos apurar quem seria este Reverendo Joaquim Esteves Loureiro, mencionado na acta, a quem o Padre Abel Alves de Pinho fez a venda da residência, mas como disse atrás, poderia ser o representante do Paço na outorga da escritura.
Depois de algumas pesquisas, ainda que não conclusivas, descobri que na Diocese do Porto existiu na mesma época um Pe. Joaquim Esteves Loureiro que entre outros cargos, foi pároco da paróquia de Ramalde, no Porto e Director da Irmandade dos Clérigos, na mesma cidade, nomeado para tal em 26 de Outubro de 1928. Terá sido ordenado em 12 de Novembro de 1911 pelo Bispo D. António José de Sousa Barroso (entre 1899-1918).
Tratando-se ainda da mesma pessoa, porque são várias as coincidências, o nome, o ser padre, ser do Porto e ter vivido pela mesma época, este Pe. Loureiro foi ainda  Director do Jornal "Voz do Pastor", um semanário da Diocese do Porto, fundado pelo Bispo D. António Barbosa Leão (entre 1919-1929), que foi publicado entre 13 de Fevereiro de 1921 e 27 de Dezembro de 1969.
É pois, muito plausível que este Reverendo Joaquim Esteves Loureiro tivesse especiais funções no Paço a ponto de poder ter sido o representante do mesmo na tal escritura de venda da residência paroquial de Guisande, em 11 de Outubro de 1923. Mas é ainda um assunto pendente e a confirmar.

A residência paroquial, como atrás se disse, tem na fachada principal a inscrição da data de 1907, precisamente no ano em que o seu proprietário foi instituído como pároco de S. Mamede de Guisande. Não faltando dinheiro, mesmo nessa época seria possível construir e acabar uma habitação no prazo de um ano ou menos.
Para edificar de raiz um edifício com as dimensões e qualidade do mesmo, teria, naturalmente, que ser pessoa de posses e com expectativa de ficar em Guisande muitos anos, o que de resto não aconteceu, pois por cá paroquiou apenas dezasseis anos, de 1907 a 1923. Seja como for, quase duas décadas.

De resto, esta boa atitude e generosidade na hora da despedida de Guisande e seus paroquianos, mereceram por parte da então Junta Paroquial de Guisande um voto de louvor e agradecimento por “todos os benefícios prestados” e ao mesmo tempo um voto de “sentimento por ter pedido a exoneração do cargo de pároco desta freguesia onde todo o povo sempre o estimara e admirava”. Nessa reunião ficou ainda deliberado enviar uma cópia da respectiva acta ao já retirado pároco, como prova dos votos expressos.




Acima as três páginas da acta da reunião de 21 de Outubro de 1923, a partir da qual o Padre Abel Alves de Pinho deixa de secretariar as reuniões da Junta Paroquial de Guisande e simultaneamente é apresentado o novo secretário e novo pároco de S. Mamede de Guisande, o Padre Rodrigo José Milheiro.

Como já referimos acima, o Padre Abel Alves de Pinho era natural da freguesia de Fiães, do concelho de Vila da Feira. Não conseguimos apurar grandes dados biográficos deste sacerdote e figura importante na freguesia de Guisande nas duas primeiras décadas do séc- XX, para além da sua naturalidade e da sua substituição pelo Padre Rodrigo José Milheiro. Pela leitura da acta, como já se referiu, o seu abandono da paróquia terá sido por exoneração a pedido do próprio, certamente pela sua idade avançada.

Para a história da freguesia e paróquia de Guisande fica a memória da sua prestação como pároco, secretário da Junta Paroquial e como benemérito ao vender a sua propriedade com a obrigação de passar a ser a residência dos párocos de Guisande, o que aconteceu até ao falecimento do pároco Padre Francisco Gomes de Oliveira, em 8 de Maio de 1998, deixando, desde então, de ter funções de residência.
Conforme se diz na introdução deste artigo, há agora a intenção do actual pároco, Pe. Arnaldo Farinha, de fazer obras interiores, adequando o edifício a características de habitabilidade de acordo com os modernos padrões e ali ficar a residir.
Esta questão, a das eventuais obras, é assunto que naturalmente não importa ao presente artigo.









Acima, algumas fotografias da residência paroquial de Guisande nas condições actuais.




Acima as plantas dos pisos do Rés-do-Chão e do Andar conforme existente.

O edifício na sua actual configuração, em grande parte correspondente ao original, é de base rectangular, com orientação nascente/poente, com dimensões exteriores de 14,20 m (fachada principal) por 9,60 m. Tem, portanto, uma área de implantação de 136,30 m2. A este ractângulo de base, nos anos 70 por ordem do então pároco Pe. Francisco Gomes de Oliveira foi acrescentada uma casa de banho, edificada de forma contígua à face da fachada norte/nascente. Este elemento tem cobertura plana em laje. Tem acesso pelo exterior (com ligação ao pátio) e pelo interior. Por sua vez, o edifício base tem uma cobertura convencional de "quatro-águas", revestida a telha de barro.

Como era norma construir na época, a estrutura baseia-se em paredes exteriores resistentes, em bom granito, e paredes intermédias também resistentes. As paredes do Rés-do-Chão têm espessura de aproximadamente 0,65 m.

O piso térreo, relacionado ao adro adjacente a poente, é constituído por uma zona alpendrada central, com portão voltado ao adro e arco aberto, permitindo o acesso ao logradouro (horta e quintal) a nascente, e por dois compartimentos laterais, um a norte e outro a sul, aos quais se acede interiormente a partir da zona central, designada de alpendre. O compartimento a sul é também acedido por porta exterior praticada na fachada sul.

Por sua vez, no Andar, o sobrado, desenvolve-se toda a zona de habitação propriamente dita, sendo composta por cozinha, sala de jantar, sala, escritório (eventualmente quarto) e ainda três quartos de dormir. Todos estes espaços são articulados por um corredor central que por sua vez liga também à porta exterior de serviço voltada a nascente. Também para nascente se projecta um pátio que por sua vez liga duas escadas exteriores, uma que liga ao adro e outra à zona do logradouro.

No Andar, o piso é constituído por uma estrutura em madeira revestida a soalho e as paredes são em sistema de frasquilho com acabamento em reboco de gesso e pintura, o mesmo acontecendo com o tecto. 
As caixilharias interiores são em madeira e as exteriores, também originalmente em madeira, foram há anos substituídas por caixilharias em alumínio termolacado. Tanto as janelas como as portas no Andar são encimadas por elemento fico tipo "bandeira".

Num sentido geral, todo o edifício pelo exterior e cobertura está em estado muito razoável. Interiormente, nomeadamente no Andar, estando com aspecto saudável, padece, todavia, dos efeitos da sua longa vida, com sinais evidentes de apodrecimento e de caruncho, sobretudo na parte estrutural do soalho. Por sua vez, as paredes e tectos têm também os sinais da idade para além de serem já de concepção desadequada aos modernos padrões. Interiormente todos os espaços do piso térreo têm pouco nível de acabamento, com algum reboco pintado, mas no geral quase de grosso e expostos à humidade, sobretudo no compartimento a norte, apesar de possuir algumas aberturas de ventilação praticadas na respectiva fachada bem como de aberturas tipo "gateiras" na fachada principal..

Sem qualquer presunção de análise técnica quanto à solução a adoptar em caso de obras, porque não é este o objectivo do artigo, bem como as eventuais obras e sua profundidade podem sempre ficar condicionados aos limites de orçamento, uma boa solução passará obviamente pela remoção total do soalho e sua estrutura, paredes e tecto em estuque e construção de uma laje pré-esforçada, montada em três vãos, por sua vez apoiados ou incrustados nas paredes exteriores e interiores resistentes. Depois, eventualmente paredes em divisórias em gesso cartonado (pladur) e tectos igualmente em gesso cartonado. Com o pavimento livre poder-se-á aplicar um programa funcional e adequado à utilização pretendida, no caso habitação e alguma ligação à função administrativa da paróquia.

 Actualizações:

Nota 1: Na data em que actualizamos este artigo, o Pe. Arnaldo Farinha já cessou funções de pároco da freguesia de Guisande, tendo em seu lugar tomado posse em 03 de Outubro de 2021, o Pe. António Jorge Correia de Oliveira, que assume igualmente a paroquialidade das freguesias de Caldas de S. Jorge e Pigeiros.

30 de agosto de 2018

Monte do Viso - Uma sala à espera de dignidade


Regressado de umas mini-férias, tomei conhecimento da programação do evento "I Festa das Colectividades, uma organização da Junta da União das Freguesias de Lobão, Gião, Louredo e Guisande, com o apoio da Câmara Municipal e algumas associações, na sua larga maioria de Lobão.
Nada de mais, se tivermos em conta que este tipo de eventos já se generalizou em muitas das freguesias do concelho e são importantes como mostra do dinamismo do tecido associativo de qualquer terra. Sendo a nossa União uma das maiores freguesias do concelho, será natural e óbvio que tenha uma realização destas. De surpreendente, que apenas seja a primeira edição e que se realize no Monte do Viso.

Quanto ao facto de ser apenas a primeira edição, após quatro anos de uma nova realidade administrativa (não contando com o interregno de um ano), de algum modo, durante a minha passagem pela Junta da União fiquei a perceber as razões que obstaculizaram que tal acontecesse logo no início, como era vontade da Junta. Mas, agendada que está agora, será sinal de que algumas barreiras foram derrubadas e houve uma aproximação de interesses comuns. Ainda bem. Louvem-se os esforços e boas vontades.

Quanto ao facto do evento estar programado para o Monte do Viso, é que é algo mais surpreendente, não porque não seja um bom local, porventura até o melhor de toda a União, mas porque tem sido um espaço esquecido pela anterior e actual Junta. Em grande parte, essa indiferença para com o parque do Monte do Viso foi um dos fortes motivos que me levaram a recusar uma recandidatura, sobretudo porque as obras de requalificação faziam parte do programa eleitoral e dele se fez tábua rasa. Há mínimos de seriedade e de compromisso. Há quem se dê bem a falhar os compromissos sem disso resultar consequências. Por mim, não!

Assim, nestes quatro anos em rigor não foi feita qualquer intervenção digna desse nome no Monte do Viso, nem sequer uma simples pintura no coreto. Mesmo a limpeza que deveria ser regular, foi reduzida e apenas ocasional. Até mesmo, a pretexto de poupança,  o coreto e instalações sanitárias continuam a correr o risco de ficar sem electricidade e daí sem água, dependendo tal fornecimento da boa vontade do Centro Social, que tem estado a pagar a factura.
Por outro lado, ainda em tempo, propus o alargamento da Rua de Santo António, na parte nascente do arraial, tendo obtido a concordância dos proprietários confinantes, que entregaram os documentos para a elaboração do protocolo, mas até ao momento o assunto terá sido adiado ou mesmo abandonado, o que naturalmente se lamenta face à importância do melhoramento. Mas continuo esperançado que haja um assomo de lucidez e o melhoramento se faça até ao final do mandato.

Pese tudo isto, acredito, ainda há tempo de se fazer importantes obras no parque do Monte do Viso e envolvente, e não faltará onde (envolvente da capela, requalificação da zona de merendas, passeios, pavimento da rua, limpeza do lago, pintura do coreto, etc), mas até ao momento o mesmo tem sido desconsiderado, de resto como toda a freguesia. Não há como negá-lo porque de obras ou melhoramentos não há registos.
É, pois, o Monte do Viso, uma sala de visitas que continua à espera de obras e que com elas possa ter alguma dignidade condizente com a importância do local para Guisande e mesmo para a União.

Voltando à Festa das Colectividades, que será em dia de Santa Eufêmia, não me parece que a data em meados de Setembro seja a mais adequada, embora perceba as dificuldades de conciliação com as agendas dos diferentes intervenientes. Veremos se pelo menos o tempo ajudará (as previsões parecem positivas). Quanto ao resto, programa (que parece rico e diversificado) e envolvimento das associações (as que tendo sido convidadas - dizem que  todas - aderiram), é assunto que por ora não me merece preocupação, até porque sendo uma primeira edição será sempre um ponto de partida para eventuais e futuros ajustamentos. As coisas são mesmo assim. Importante será que o evento se realize todos os anos e em data certa, de modo a que as diferentes associações o possam integrar e prever nos seus planos de actividades.

Não sei se esta primeira edição será ou não um sucesso, nomeadamente pelo tempo e adesão do público, e não podemos pôr as expectativas em alta, mas porventura ajudaria se por parte do executivo, nos dias que faltam, seja dado tanto destaque como ao Young Fest ou ao arrelvamento do campo de futebol da ADC Lobão.

A ver vamos. Em todo o caso será sempre de enaltecer o esforço da realização de um evento desta natureza, à Junta, Câmara e associações, já que envolve muito trabalho, mas considerando que na sua génese está a força do movimento associativo, porventura importará, para o futuro, que as bases comecem com um substancial apoio às associações, que não terá que, necessariamente, ser traduzido em muito dinheiro, mas sobretudo em respeito, confiança e consideração institucionais. Mutuamente, claro.

30 de julho de 2018

Festa do Viso - O passado é lá atrás



Já chegara no início da semana a pista de carrinhos de choque. A custo, os camiões lá subiram a rampa do Monte do Viso e despejaram à sombra das acácias e do velho sobreiro todas as peças desse puzzle que, montadas uma a uma à força de braço, dariam lugar a uma espécie de tenda de circo onde o palco era uma pista de asfalto de chapa metálica, sem princípio nem fim, nivelada numa estrutura de barrotes e pranchas de madeira. O carrinho número 1, branco, que todos queriam pilotar, porque dizia-se ser o mais rápido, lá estava pronto a “faiscar” num cenário kitsch adornado com pinturas reluzentes de animais e paisagens.

Lá pela quarta-feira ao fim da tarde também chegava a "Almeida Rádio", com os seus altifalantes cinzentos que eram colocados no alto do sobreiro, apontados para os quatro cantos da freguesia, em que por alguns dias haviam de esganiçar as melodias da moda. No átrio da entrada da Escola do Viso montava-se a cabine de som, com gira-discos e torres de discos, onde se misturavam o Rancho Folclórico de Santa Marta de Portuzelo e Conjunto Típico Maria Albertina ou “Pais e Filhos” com José Cid, Amália Rodrigues, António Mourão, Fernando Farinha, Demis Roussos, The Nazareth ou The Rubetts, entre muitos outros que pela época eram sucessos da rádio. Quase sempre os agudos do “Sugar Baby Love” abriam as hostilidades musicais e o grego que cantava inglês, o Demis, actuava logo de seguida.

Entretanto a Comissão de Festas já começara a delimitar, com postes de eucalipto e arames, o espaço reservado à elite à qual havia de cobrar bilhetes para sentarem o cu em bancos macios e corridos. Podiam assim ver mais de perto “Os Marinheiros de Ovar”, os “Estrelas Incomparáveis” ou os “Peles Vermelhas”. Pagavam, mas dava-lhes estatuto, sobretudo quando estava em causa causar boa impressão às namoradas. Os outros, para quem o dinheiro era para queimar em quarteirões de branco com açúcar ou em lambarices, ficavam de fora, encostados aos arames num KO de indiferença.
Por esses tempos não havia dinheiro para mais folguedos musicais e os “pimbas” ainda estavam para nascer. Mesmo quando por ali passou a Ana Malhoa e a a Filipa Lemos (dos Santamaria) eram ainda crianças em início de carreira.

Um a norte e a outro a sul, à sombra das mimosas, estavam já montados os pequenos coretos de madeira vindos empoeirados da Casa da Quintão e do Sr. Gomes do Reguengo, juntamente com os mastros embandeirados com a vermelha Cruz de Cristo. Os coretos eram pequenos mas as filarmónicas também e como passarinhos lá se acomodavam em tão pequeno ninho. As festeiras e a raparigada, há semanas que, entretidas, vinham a entrelaçar cordas com papel recortado e a tecer delicadas flores coloridas que a qualquer chuvisco murchariam mas que engalanavam a dura rampa do monte até às Quintães por onde haveria de passar a procissão solene no Domingo à tarde.

Debaixo das frondosas austrálias, o Alcides da Casa Neves já montara a tasca onde se serviriam cervejas, pirolitos, gasosas e laranjadas da Gruta da Lomba a acompanhar suculentas fatias de melão e sardinhas do mar de Espinho, bem assadas. Mais tarde fazia-lhe companhia e na concorrência o saudoso Neca dos Santos.
Depois eram as tendas de brinquedos, da fruta, da regueifa, doces e outras lambarices como pacotinhos de bolachas de baunilha, torrões de amendoim em caramelo e chupas em forma de guarda-chuva ou de bolacha. Os brinquedos, para os quais a criançada andava um ano a juntar tostões, eram ainda de chapa ou de madeira pintada com cores garridas. O plástico era ainda novidade. Os rapazes compravam uma carrinha ou um taxi e as meninas uma máquina de costura ou um conjunto de cozinha com fogão, ferro de engomar, ou mesmo uma boneca despida para a qual faziam vestidinhos com as sobras dos trapos.

Era assim a nossa Festa do Viso lá pelos idos anos 60 e 70. De lá para cá as coisas foram mudando e a magia foi-se reduzindo conforme o palco ía crescendo e o orçamento aumentando. É certo que ainda continua a ser marcante, motivo e pretexto para reencontro de famílias e emigrantes com saudades matadas numa boa e farta mesa onde não falta o assado caseiro de vitela, carneiro ou cabrito e o melão da época mas, verdade se diga, já não é a mesma coisa. Mudaram-se os tempos e com eles as modas , os gostos e as dinâmicas e até mesmo o arraial. Já não há espaço para pistas, carroceis "8 "ou "zero", cestas ou aviões. Mesmo que algo ali se acomodasse com jeitinho, os empresários destes divertimentos só querem festas bem graúdas e barulhentas como a de Canedo, Lourosa, Arrifana e outras mais. Por cá, já foi chão que deu uvas e cascas de melão.

É verdade que a génese da nossa festa, a religiosa, está ainda quase intacta,  porque a mais genuína, mas a componente popular, à imagem de quase todas as festas e romarias da zona, há muito que deram lugar a manifestações incaracterísticas onde o sucesso das mesmas se mede pelas figuras e figurões dos cartazes musicais e do nome ou prestígio da pimbalhada. Os aspectos puramente tradicionais foram perdendo muito da sua autenticidade e terminarão quase definitivamente com o desaparecer das gerações mais antigas.

Apesar de tudo, mesmo que as coisas já não sejam o que foram, e até nós próprios, porque já não vemos as coisas com os olhos da infância, onde tudo nos parecia mágico e deslumbrante, ainda há muito de positivo nas festas das aldeias, incluindo a nossa, e são ainda um elemento agregador e identitário. Por isso, que continuem por muitos e bons anos e que no final da mesma, que cada Comissão de Festas continue a sentir-se orgulhosa do trabalho desenvolvido, na certeza de que, não agradando a todos, fez por isso e à causa dedicou-se com empenho e compromisso com os valores da nossa freguesia. Bastará isso para que valha sempre a pena.

21 de julho de 2018

Teatro no Monte do Viso
















Pelo Grupo Cénico de Lourosa, o Centro Social S. Mamede de Guisande trouxe o teatro até ao Monte do Viso. Foi ontem, pelas 21:30 horas. A peça "Flor da Aldeia", uma história divertida e bem disposta, que nos transportou ao tempo dos nossos avós, onde se mostra que a riqueza e a pobreza têm lugar para o amor, principalmente quando a riqueza é de sentimentos e a pobreza é de humildade, pureza e despreendimento. Os interesses de um casamento de conveniência nem sempre resistem às patetices de um filho e da "cegueira" de qualquer pai importante da terra, lavrador, regedor ou sr. doutor. Mas no final, os tolos são quem mais se riem e fazem rir. Assim foi.

A plateia estava bem composta mas a peça e o momento de cultura mereciam mais gente. Infelizmente muitos não são de teatros de comédia e preferem os dramas do dia-a-dia.  A vida é mesmo assim, máscaras que choram rindo e máscaras que riem chorando. É o teatro da vida onde todos, sem excepção, vivemos representando.

Já podemos tirar as botas...

16 de julho de 2018

Recordando - Visita pastoral - Junho de 2011





Parece que foi ontem, mas já passaram 7 anos sobre o registo destes momentos. Foi em Junho de 2011 aquando da visita pastoral do bispo auxiliar da Diocese do Porto, D. João Lavrador. 
De lá para cá muitas coisas mudaram: D. João é actualmente Bispo da Diocese de Angra - Açores, o P.e Agostinho deixou de ser pároco de Guisande, continuando como pároco de S. Miguel do Mato, Fermedo e Escariz, e o Pe. Arnaldo Farinha, então vigário paroquial, foi nomeado pároco de S. Mamede de Guisande e do Vale.
De registar nestas fotos, as presenças do Sr. António Henriques e do Sr. Alberto Almeida, infelizmente já não entre nós. Fica, pois, a saudade de duas figuras que muito dedicaram à paróquia.