Mostrar mensagens com a etiqueta Lugares. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta Lugares. Mostrar todas as mensagens

2 de dezembro de 2022

É disto que o meu povo gosta!




Os critérios, incluindo os de gestão de dinheiro,s em algumas entidades da nossa administração, como é o caso das Câmaras Municipais, são, tantas vezes, verdadeiramente insondáveis. Umas fazem ciclovias todas xpto mas os passeios para os peões estão no geral super degradados, constituindo até perigo para quem neles caminha. Outras, como por exemplo, Arouca, tem uma ponte que custou literalmente milhões, feita não para encurtar ligações viárias e aproximar populações e lugares mas para fins turísticos e recreativos. Apesar disso, não só, mas Arouca, tem um interessante leque de estradas em reles estado, que bem mereciam ser despromovidas à categoria de caminhos de cabras, sem ofensa para as próprias.

Em Arouca os turistas são chamados a experimentar a sensação do abismo e tremuras no estômago, que logo a seguir há-de ser confortado com bifes de arouquesa, mas enquanto isso muita gente local transita no dia-a-dia com estas sensações de ver a aumentar a conta na oficina automóvel, para além de não só lhes moer as suspensões como a paciência.

Mas logo que tocar o clarim para reunir as tropas na eleição, far-se-á fila, incluindo-se nela quem usufrui destes "caminhos", para legitimar os mesmos mandantes como bons decisores.

Como diria o saudoso Jorge Perestrelo, "É disto que o meu povo gosta!"

17 de novembro de 2022

Rio Uima







Velho e sempre novo rio Uíma

De lágrimas frescas do monte,

Num misto de alegria e mágoa,

Correndo sereno, todo encanto.

Das fraldas do Mó, logo acima,

Brota num bolhão dito de fonte

E nem sabemos se feito de água

Ou, tão somente, rio de pranto.


Rio Uíma, antigo e velho Uma

Vais sem pressa, sem fulgores,

A saciar amieiros e carvalhos

A tecer com fio de prata e ouro.

De Duas Igrejas até Crestuma,

Seja lá mais por onde fores,

Segues o caminho, sem atalhos,

Ao encontro materno do Douro.

30 de outubro de 2022

Serra da Freita
















Há em toda a serra da Freita,

Um não sei quê de encantamento

Que nos extasia de cor, de luz;

Uma beleza singela, perfeita,

Um horizonte a planar no vento

Um seio farto que dá-se e seduz.