Mostrar mensagens com a etiqueta Arrelias. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta Arrelias. Mostrar todas as mensagens

10 de setembro de 2021

Flor-de-sal e massa-mãe


O Nóquinhas dos Anzóis continua a sua saga de publicar no Facebook tudo o que come. Pois bem, para fugir da habitual pescada cozida e ovos mexidos, a sugestão do chefe, para hoje, será de um arrozinho carolino de descascagem manual, levemente fumado em lume brando com pau de loureiro, com feijão manteiga de cultura biológica envolvido num estrugido de cebolinha vermelha castigada com flor de sal e aromatizado com azeite biológico da zona do Vale da Porca.

A dita nova cozinha portuguesa tem destas coisas e os ditos chefes aprimoram-se não só em reduzir as porções como em arranjar narrativas para descrever os ingredientes e a sua preparação e empratamento como que a convencer o auditório que acabaram de descobrir a pólvora ou reinventar a roda. 

Afinal andamos há décadas a comer arroz com feijão, lorpamente ignorantes da complexidade da coisa. Já agora, escusado será dizer que a panela de arroz na imagem acima, na versão de moderno chef(e) dará para servir uma dezena de comensais. Seis feijõezinhos por boca. O arroz, por ser mais miudinho e chato de contar, a olho, uns 100 grãozinhos. Coisa fina, que isso de comer muito e pagar pouco é coisa de labregos.

Coisas de flor-de-sal e de massa-mãe.

7 de setembro de 2021

Mobilidades - Acessibilidades

 



Acima, situações algures no lugar de Fornos. 

Logo no início do mandato em que integrei a Junta da União de Freguesias, em Janeiro de 2015 expus ao executivo um documento onde definia para Guisande um conjunto de obras, melhoramentos e iniciativas que a meu ver mereciam a intervenção e empenho da Junta durante o mandato, mesmo considerando que nem tudo seria possível executar devido à curta duração do mandato e aos constrangimentos orçamentais decorrentes dos compromissos herdados das anteriores Juntas, concretamente da Junta de Freguesia de Guisande.

Ora uma das acções prendia-se com a realização de alguns passeios públicos, incluindo a pavimentação de alguns que já estavam definidos com assentamento de guias bem como a requalificação de outros, nomeadamente na Rua de Fornos, de resto uma necessidade devido ao mau estado e mesmo correspondendo ao apelo de alguns moradores.. 

Certo é que apesar dessa minha intenção e insistência ao longo do mandato, de tudo quanto referenciei, pouco ou mesmo nada foi executado. Apenas a pavimentação de um troço de passeio na Rua S. Sebastião, no lugar do Outeiro e mesmo assim com relutância de quem presidia. 

O mandato terminou e outro, com outros intervenientes mas com a mesma presidência, se seguiu e já estão praticamente decorridos esses quatros anos, e daqui a poucos dias teremos novas eleições. 

Escusado será dizer que pelo menos em Guisande, da responsabilidade da Junta, nestes quatro anos volvidos nada se realizou nem melhorou e os ditos cujos passeios continuam na mesma, ou melhor dizendo, em pior estado, pois o tempo ajuda à degradação. E tanto se apregoa e regulamenta à volta da mobilidade e acessibilidades...

Pese esta situação de indiferença e desleixo do passado recente, os slogans eleitorais de fazer mais e melhor, com mais visão e melhor futuro estão na praça. É uma festa, em que todos participamos como inocentes  anjinhos numa comunhão solene! 

1 de setembro de 2021

Cagantoneiros...

Ontem, algures no lugar de Vila Seca, Louredo, enquanto fora do carro aguardava alguém com quem me ia encontrar, no lado oposto uma senhora varria a berma em frente à sua casa. Passando por ela uma outra senhora, comentou: - Então a varrer a valeta? - Respondeu a varredora: - Pois, os cantoneiros agora são uns badalhocos!

A vizinha, ripostou: - É verdade! São mais uns cagantoneiros! Mas toda a gente se tem queixado. Na minha rua e à minha porta é igual!

Não intervim na conversa, mas apeteceu-me dizer-lhe que, sendo verdade, e já todos constatamos esta "limpeza de faz de conta, apressada e superficial", uma autêntica badalhoquice, que nesta União de Freguesias, pelo menos nas três mais pequenas, tem sido democrática, porque se generaliza.

De resto, os cantoneiros ou "cagantoneiros" até serão os menos culpados. As culpas serão, obviamente, de quem os contrata e fiscaliza e determina os critérios do serviço, certamente na base do superficial quanto baste, porque mais rápido e mais barato. 

18 de agosto de 2021

Qual é a lei?

Há dias li no jornal "Correio da Feira" uma nota de comunicação do Bloco de Esquerda em que este denunciava uma intervenção "aberrante" da Indáqua em Fiães, referindo que  “A Indaqua Feira, como é prática comum da empresa, assume uma atitude de quase impunidade total perante a população de todo o Concelho. No início de julho, a empresa fez uma reparação relativa a uma fuga na Rua Luís de Camões, no centro da cidade de Fiães. Esta é uma rua bastante movimentada que dá acesso a uma das estradas mais centrais da freguesia. Após a reparação, a Indáqua Feira deixou a estrada num estado lastimável, criando um constrangimento enorme para a vida da freguesia e, acima de tudo, para a população daquela zona”. 

Eu não sei se as intervenções da Indáqua, sendo obviamente necessárias, são "aberrantes", tal como esta em Fiães,  como a classifica o BE, mas vêem-se por todo o lado e parecem ter algo em comum, o facto de quase nunca o pavimento das ruas ficar devidamente regularizado. Ora depressões, ora lombas, ora recortes rebaixados e com arestas salientes, não raras vezes em toda a largura da rua. Mas pior do que isso é perceber-se ou constatar-se que tais remendos ficam definitivamente por remendar. Em Guisande são dezenas desses bons "maus" exemplos.

Ora esta situação leva-nos a questionar, tal como o Bloco de Esquerda, qual a legislação ou regulamentação que legitima esta aparente impunidade da empresa concessionária das águas e esgotos no nosso concelho?

E a somar a estes remendos mal remendados provisoriamente definitivos, há ainda graves problemas por resolver no que diz respeito a abatimentos do piso das ruas decorrente da instalação das redes. Em Guisande, por exemplo na Rua dos Quatro Caminhos.

Pergunta-se, pois, qual a lei que legitima estes abusos e falta de respeito ao não reparar devidamente o que é estragado?  E qual tem sido a postura da Câmara Municipal perante estas situações? Actua, fiscaliza, multa, manda reparar e mete a conta? Se sim, não parece, ou não dói, porque as situações perpetuam-se.

6 de agosto de 2021

Limpar, ou nem por isso

Já todos sabemos que a questão das limpezas nas ruas da nossa União de Freguesias é um caso perdido, com incidência na nossa freguesia de Guisande. Escassa, periódica e tardia. 

Bem sabemos, ainda, que por vezes o pessoal das Juntas de Freguesia, que faz parte das equipas de limpeza dos arruamentos e espaços públicos não raras vezes têm vínculos precários, até mesmo como tarefeiros ou provenientes dos programas do IEFP. Por conseguinte, muitas vezes empurrados para esses trabalhos, sem vocação, sem vontade e sem formação. Para além do mais o gosto por aquilo que se faz, seja em que área laboral for, não se adquire por formação. Mesmo nas situações de empresas contratadas, o caso não muda de figura e até piora, porque aqui o interesse é fazer rápido e depressa. Ora, depressa e bem, há pouco quem.

Tudo isto para dizer que o pessoal da Junta, ou por ela contratado, virou-se para a nossa freguesia de Guisande, e tem por aqui andado a limpar, mas verdade seja dita, uma limpeza como "gato sobre brasas": Rápida, superficial e sem esmero, já que depois de recolhidos os montes, que por vezes se amontoam durante dias nas bermas e passeios, ficam ainda resíduos sem qualquer varredura. As ruas, essas invariavelmente ficam cheias de pedras sacudidas das bermas  pelas roçadoras.

Quando as coisas são assim feitas, sem brio nem asseio, pouco há a dizer. Como diz o velho ditado, "Gastar sabão a lavar cabeças de burros é tempo e dinheiro perdido".

5 de agosto de 2021

Portugueses de gema

O Pedro Pablo Pichardo conquistou uma medalha de ouro olímpica na prova de triplo salto. Um orgulho para Portugal. Nada como um cubano a trazer uma medalha de ouro para a nação valente e de nobre povo.

Pichardo quando desertou da selecção cubana, a ideia de seus pais era ficarem na desenvolvida Suécia, mas entre um clima frio e um clima quente, a família acabou por escolher Portugal. Ou seja, o tempo quentinho acabou por ser determinante para Portugal conquistar uma medalha dourada. faz sentido.

Mas a delegação olímpica portuguesa está recheada de muitos outros portugueses de gema. Fu Yu, Shao Jieni, Tamila Holub, Anti Egutidze, Marta Pen, Luciana Dinis, Lorene Bazolo, etc, etc

Em resumo, o que não falta por ali são atletas portugueses de gema, nascidos noutro qualquer país. Alguém fez as contas e dizem que são pelo menos 16 atletas estrangeiros e naturalizados, para além dos relacionados com os países das nossas ex-colónias africanas.

Esta coisa da representatividade de um país já foi coisa que deu uvas e hoje em dia é apenas um grupo de atletas ao serviço da nação. Mas esta nacionalidade administrativa não é coisa exclusiva de Portugal nem ao nível das delegações olímpicas. Veja-se o caso das ditas selecções nacionais de futebol onde atletas estrangeiros nacionalizados vestem as cores dos países. Um atleta de raça negra entre louros e de olhos azuis a representar a Suécia já é coisa vulgar. Globalização e perda de identidades nacionais. Para o bem e para o mal, os tempos são outros.

Veja-se o caso demonstrativo da selecção de andebol do Qatar em que 70% da equipa são naturalizados. Mesmo no Campeonato do Mundo de Futsal, as várias selecções têm tido ao seu serviço dezenas de jogadores brasileiros, incluindo técnicos. Em resumo, está subvertida quase globalmente a questão das selecções constituídas apenas por naturais.

Percebe-se esta globalização e os interesses das naturalizações administrativas, numa certa filosofia de que basta colocar um pardal num ninho debaixo de um alpendre para passar a ser uma andorinha. É sempre apetecível para um país naturalizar e apoiar um atleta estrangeiro desde que este demonstre potencial para ganhar umas medalhas como se o mérito fosse do país.

É mais difícil e dispendioso um programa nacional de desporto escolar exigente e politica desportiva integrada. Portanto, siga-se pela estrada mais larga e plana, a das naturalizações. Além do mais, o processo de naturalização de Pichardo foi do tipo "relâmpago", não fosse escapar para outro país, num processo manhoso e sem cumprir os requisitos mínimos exigidos a outros cidadãos, nomeadamente a outros atletas, como foi o caso de Nélson Évora, Naíde Gomes e Francis Obikwelu. De resto, em parte, para além de alguma natural invejazinha, resulta daí o diferendo entre Nélson Évora e Pichardo. 

As coisas são como são, mas como já não há idades de inocência, pelo menos podia-se deixar de lado estas hipocrisias e eufemismos de enganar tolos, pois tais atletas em rigor não são portugueses e como tal não representam Portugal, mas apenas assalariados ao seu serviço, representando-se apenas a eles próprios. 

Mas neste faz de conta, Portugal, sem política de desporto escolar e nacional, sem infra-estruturas adequadas, com os chefes políticos Marcelo Rebelo de Sousa e António Costa, à cabeça, exulta orgulhoso com uma medalha de ouro conquistada por um cubano, que já era campeão antes de desertar para o nosso país. Até podia ser da Concochina, desde que vista a camisola da nação e se faça ouvir o "Heróis do Mar..."...será orgulhosamente português de gema.

Pena que Usain Bolt, e outros grandes nomes do atletismo não tivessem querido vir para o nosso país. Teríamos seguramente mais uma medalhas.

Gracias, Pichardo! Olé, Olé!

20 de julho de 2021

Matagal social

 




Já percebemos que a envolvente nascente ao edifício de Habitação Social em Casaldaça é coisa que não merece atenção, nem dos próprios moradores, alheios a tratar de algo que usam mas não é seu, nem da Câmara Municipal, nem da Junta de Freguesia. Assim, a vegetação cresce à vontade e transforma-se em silvado, desrespeitando as tais normas quanto à limpeza e gestão de faixas de combustível para precaver incêndios e suas consequências. 

Depois, quando muito uma vez por ano, reactivamente lá vem alguém cortar a selva. Parece-me que a limpeza a ser efectuada pelo menos umas 3 ou mesmo 4 vezes por ano ocuparia menos funcionários e menos tempo porque mais fácil. Mas quem manda não pensará da mesma maneira e decidirá inteligentemente que não limpar de todo ocupa bem menos tempo e dispensa funcionários.

Como se tal situação não bastasse, há algumas semanas uma empresa de manutenção veio ali abater algumas árvores que estariam debaixo das linhas de electricidade de média tensão e as mesmas ali estão esparramadas, com a rama a secar e a transformar o local num potencial foco de incêndio para além do aspecto de puro desmazelo.

Custa a acreditar nos critérios de trabalho de quem faz estas coisas, mas parece claro que o normal e razoável seria que logo que abatidas as árvores o material resultante, troncos, ramos e folhagem, fosse recolhido.

Assim, vamos ver até quando a coisa se manterá nessa situação. Dias, semanas, meses?




16 de julho de 2021

Cidadania, desenvolvimento e...carteiristas

(...) A relação entre o indivíduo e o mundo que o rodeia, construída numa dinâmica constante com os espaços físico, social, histórico e cultural, coloca à escola o desafio de assegurar a preparação dos alunos para as múltiplas exigências da sociedade contemporânea.

A complexidade e a acelerada transformação que caracterizam a sociedade contemporânea conduzem, assim, à necessidade do desenvolvimento de competências diversas para o exercício da cidadania democrática, e, por isso, a escola tem um papel importante na construção de práticas de cidadania.

Com efeito, os valores da cidadania encontram-se consagrados nos princípios da Lei de Bases do Sistema Educativo (Lei n.º 46/86, de 14 de outubro), estabelecendo-se que o sistema educativo deverá ser organizado de modo a contribuir para a realização dos alunos, através do pleno desenvolvimento da sua personalidade, atitudes e sentido de cidadania. Deste modo, os alunos são preparados para uma reflexão consciente sobre os valores espirituais, estéticos, morais e cívicos, no sentido de assegurar o seu desenvolvimento cívico equilibrado. (...)


O texto acima, coisa bonita, é parte do enquadramento curricular da disciplina "Cidadania e Desenvolvimento" nas nossas escolas.

Tão bonito e profundo, ficamos com a ideia que já estamos numa sociedade onde predominam os exemplos de boa cidadania.

É claro que os valores inerentes às antigas disciplinas de "Educação Cívica, Moral e Religião", como vírus pandémico, foi para o caixote, porque a escola quer-se laica.

No entanto, a qualidade da nossa cidadania pode medir-se por alguns exemplos práticos. Ainda há dias soube que um amigo, por descuido, acabou por perder a sua carteira, com documentos vários, como cartão de cidadão, carta de condução e cartões bancários, para além de uma bonita quantia de dinheiro em notas.

Pergunta-se: Qual a probabilidade da carteira ser encontrada por alguém e que a devolva intacta? Alguém arrisca dizer que em cem pessoas talvez duas ou três? Mesmo assim, com duas ou três já será optimismo demasiado e cega confiança na humanidade. 

De facto, a carteira que acabou por ser encontrada por alguém, porque perdida e não furtada, foi arremessada para uma qualquer valeta a cerca de 10 Km do local onde foi perdida, felizmente, e do mal o menos, com os documentos, mas obviamente sem o dinheiro. Ou seja, este tipo de desfecho é hoje em dia o mais expectável, porque podemos obrigar as nossas crianças à tal disciplina de "Cidadania e Desenvolvimento" que na prática e na boa formação, isso vale quase rigorosamente "zero".

Assim sendo, a norma, a normalidade, é a desonestidade, a falta de valores e sentido de humanidade. O outro, é um ser abastracto, a quem se surripia com toda a naturalidade e sem qualquer peso na consciência, algo que lhe pertence. 

Assim sendo, vamos fazendo de conta que o jardim está cheio de flores radiosas e perfumadas e que  "...os alunos são preparados para uma reflexão consciente sobre os valores espirituais, estéticos, morais e cívicos".

Tretas! E tretas porque a par disso bem sabemos como andam os valores da disciplina e responsabilidade. Tretas!

Em suma, os dias de hoje não são dados a deixar portas abertas e a descuidos com carteiras. Na casa, alarmes, cercas electrificadas e pitbulls sem açaimes a mostrar os dentes ao portão poderão ter alguma eficácia no combate à "boa e moderna cidadania". Confiar na cidadania da gente que anda a ser formada, é fazer figura de anjinho.

Não generalizando, pois, claro, porque em cem haverá dois ou três, da velha guarda, que aprenderam a coisa pela boa educação e melhor disciplina, mas as coisas são como são.

13 de julho de 2021

Fora de jogo

Um dos nossos direitos inalienáveis é o da liberdade de expressão, sendo que, obviamente, no respeito pelos outros. Desse direito, entre outras coisas, emana o da livre opinião. 

Mas nem sempre o exercício da opinião, sobretudo em contexto público, como neste espaço, por exemplo, é fácil. E isto porque de algum modo nos vincula e até compromete. É certo que uma boa e legítima opinião pode mudar a jusante, nomeadamente quando certos pressupostos que a fundamentaram mudaram ou se alteraram. De resto a nossa percepção das coisas ou dos factos pode mudar. Quantas vezes temos uma apreciação negativa de uma pessoa, mas posteriormente, porque com ela se proporcionou um outro contacto e uma outra vivência ou convivência, ficamos com uma opinião contrária? 

Deste contexto, o do comprometimento, resulta que se perceba que muitos dos nossos "pensadores" e "cagadores de postas de pescada" sejam de faladura e julgamento fáceis na mesa do café ou em conversa de amigos, mas fogem como o diabo da cruz quanto ao carácter perene das suas palavras, escritas ou faladas. Afinal, é sempre mais fácil atirar a pedra e esconder a mão.

Por tudo isto, reconheço que nem sempre é fácil para alguém que fez parte de uma qualquer entidade, vir posteriormente comentar ou opinar de forma menos positiva contra essa mesma entidade, mesmo que dela já não faça parte nem tenha qualquer ligação. E isto porque por vezes se confunde o conceito de lealdade. A lealdade pode e deve ser institucional mas não de todo motivo para castração do direito à opinião e ao pensar contrário. Ademais, a lealdade não deve ser clubista nem fundamentalista a ponto de se perpetuar em nome da nada. 

Passada esta introdução, mesmo que em abstracto, devemo-nos sentir todos na plena liberdade e legitimidade para falar e escrever eventualmente coisas menos positivas sobre instituições, mesmo que delas já tenhamos feito parte, sobretudo quando temos a consciência que enquanto por lá andamos demos o nosso melhor, porventura acima do que se exigia, mesmo que em nome da tal lealdade resultasse um esforço acrescido por se perceber que as coisas nem sempre eram dirigidas da melhor forma, de modo insuficiente ou inadequado face ao que exigia. 

Esta é a questão base e primordial. Se a experiência de uma nossa passagem por um qualquer cargo ou função não foi a esperada, mesmo que por responsabilidades ou incapacidades terceiras, devemos saber ter este sentido de auto-crítica da parte que nos toca, de modo a que a nossa liberdade de expressão não possa ficar condicionada. 

Em resumo, no jogo das palavras e no exercício da liberdade de expressão e opinião, será sempre bem mais fácil para quem está de fora, na bancada. Se em campo, será sempre bem menos difícil marcar golos fora de jogo. Como se diria nos jogos da bola no recreio da escola, não faltam jogadores que "...só sabem jogar à mama!".

12 de julho de 2021

Cidadania e coninhas

Eu bem sei que a Escola moderna é mesmo moderna. Já não faz da religião disciplina obrigatória, por mais que esta promova valores fundamentais à dignidade da pessoa e da vida, mas tudo o resto tem cabimento, mesmo a questão da homossexualidade e derivados. Não tarda está a ensinar e a promover as relações sexuais entre pessoas e animais e disso promover orgulhosas paradas. Já faltou mais.

Daria pano para mangas este tema, mas é coisa para a qual já não há pachorra e mesmo com algum excesso de fundamentalismo, porventura terá alguma ou muita razão a Hungria, não tanto, parece-me, quanto à essência, mas quanto ao papel da Europa no sentido da uniformização imposta, já não só do sistema financeiro, económico e administrativo como quanto aos aspectos sociais e culturais. Parece que a diversidade só convém a certas agendas.

Se a Europa burocrata acha normal e motivo de orgulho um posicionamento de apanhar sabonetes, não me parece que o deva impor às diferentes sociedades que a compõem.

Adiante.

Seja como for, tem muito que se diga esta coisa da imposição curricular nas nossas escolas da disciplina obrigatória de cidadania. Afinal quem é que educa? Os pais, a família? Não! O Estado e os burocratas. Esses é que determinam os valores e as orientações dos nossos filhos. Nós, os pais, as famílias, só cá estamos para os manter, levá-los à escola, pagar as propinas e dar-lhes alojamento até aos 25 ou 30 antes de irem para o desemprego ou emigrarem se forem espertos.

Parece-me que a tal luta dos pais dos alunos de Famalicão, que têm recusado a disciplina de Cidadania e Desenvolvimento, que lhes tem acarretado o chumbar de ano, é justa e tem todo o fundamento, mas também creio que acabará por ser uma luta inglória mesmo que o Tribunal lhes tenha dado razão parcial. 

As coisas vão neste sentido e já não se atalham de ânimo leve. Já será precisa uma revolução, mas não me parece, ainda, que isso possa acontecer pela simples razão de que já não os temos no sítio e estamos todos a ficar uns coninhas, ou lá o que isso queira dizer, porque à luz da nova Educação, o termo "coninhas" é inadequado, politicamente incorrecto e machista. Depois, tudo o que mexa nesse sentido de agitar as águas é segregado como de extrema direita. Por conseguinte, a ideologia já há muito que começou a ser imposta, e como aconteceu às extremistas, à esquerda ou à direita, sub-repticiamente, de mansinho, com sorrisos, enquanto o circo se monta. Andamos, pois, todos entretidos e guiados de olhos postos na cenoura.

Veremos no que isto vai dar! Por ora, vai na fase dos preliminares. Andamos todos distraídos a apanhar sabonetes no chão e o boião da vaselina já está a ser desenroscado.

1 de julho de 2021

A rua dos "bons" exemplos

 






Não! Não são pegadas de dinossauros! No caso são mesmo grandes buracos no fraco piso da Rua de Trás-os-Lagos, mesmo defronte da entrada das instalações industriais onde actualmente operam várias empresas. Tal situação, bem como cascalho que vai sendo solto e espalhado pela rua, "obriga" quase todos os automobilistas a contornar os buracos em sentido contrário. A coisa tem meses e custa a acreditar que ainda não tenham resolvido a situação com umas pazadas de massa asfáltica.

Ainda na mesma rua e defronte à referida instalação industrial, vê-se a densa vegetação a cobrir parcialmente a faixa de rodagem, no que parece um incumprimento pela gestão de faixa de combustível, para além de impedir o espalhamento da luz da iluminação pública.

Ainda na mesma rua, à esquerda de quem sobe, um montão de cascalho na berma, restos da intervenção na drenagem das águas pluviais feita há meses. De resto, este fazer a obra e deixar os restos por arrumar, também é visível ao cimo da rua, no entroncamento com a Rua Nª Sª de Fátima, com o cascalho removido em montes junto ao passeio. Para além do mais, esta zona merecia uma intervenção mais profunda.

Pelo menos até recentemente, à saída do portão sul do cemitério, ainda lá estavam os restos das obras da construção de sepulturas, apesar dos meus vários alertas, enquanto ainda membro da então Junta, para a necessidade de remoção. Quero acreditar que já tenham sido removidos, até porque o local é privado.

Estas situações podem ser muitas coisas mas não são seguramente, "mais pelas pessoas" ou outros bonitos e apelativos  lemas de campanha eleitoral que se possam adoptar. No fundo, até são pequenas coisas que se resolveriam facilmente, mas para isso é necessário que a acção seja activa, o que não parece.

30 de junho de 2021

"A vida está podre..."

Cá pela aldeia, temos todos, parece-me, uma estima e consideração especiais pelo Sr. Raimundo da Lama. Pessoalmente aprecio-lhe o seu lado de pensador e filósofo. Não que cursasse em grandes universidades mas licenciado com mestrado na universidade da vida.

Em todo o caso, logo pela manhãzinha ouvir dele o pensamento de que, "...esta vida é um martírio" e "esta vida está podre e contra-podre", não é animador. Bastaria o "está podre", mas aquele "contra-podre" tira todas as dúvidas.

O tema mereceria horas de discussão, mas, porque a caminho do trabalho, tive que apressar as despedidas e enquanto o tractor seguiu lentamente pela estrada fora, não pude deixar de meditar naquela sentença matinal.

A verdade é que as coisas andam mesmo meias podres. São as batatas na terra, os pêssegos nos pessegueiros, os tomates nos tomateiros e por aí adiante mas a podridão que falava o Sr. Raimundo não era da agrícola, coisa em que, de resto, até é especialista. A podridão anda mais pelas pessoas e pelos seus modos de vida. Notícias como a da detenção do "intocável" Berardo, o Joe português, que mesmo sendo caloteiro de centenas de milhões aos Bancos, diz com toda a lata perante deputados da nação de que "pessoalmente nada deve", fazem-nos estar alertas diariamente para este estado de coisas.

Estes artistas que vivem de burlas e esquemas que ludibriam os sistemas financeiros e económicos, e são tantos, como Sócrates, Ricardos Espíritos Santos, Luíses Filipes Vieiras, Rendeiros, e tantos outros, num desfile interminável, são de facto maçãs podres deste país, deste mundo, desta vida. 

Mas o mais grave é que apesar de parecer que a Justiça anda atenta e que se fará, no final de contas, passarão todos ou quase todos impunes pelos labirínticos meandros da própria Justiça . No fundo estamos perante uma peça de comédia com ares de drama, apenas para entreter. Já o Zé Mexilhão, esse convém que não se atrase a pagar a prestação do IMI ou do IUC, porque leva logo por tabela.

28 de junho de 2021

Bolachinhas belgas

E pronto! A selecção portuguesa ficou-se pelos oitavos. Eliminada pela Bélgica, Portugal não resistiu a um futebol pobre. É certo que na segunda parte do jogo, com os belgas a ganhar desde o final do primeiro tempo e mais contidos no ataque, jogou bem melhor, teve algumas oportunidades, mas a sorte não dura sempre. Teve-a quanto bastasse no Europeu de 2016 e não fica bem usar agora o argumento de que não tivemos a pontinha de sorte quando esse mesmo argumento foi desvalorizado na vitória tirada da cartola na final de 2016.

As coisas são como são e, concordando com a generalidade dos comentadores da nossa praça, esperava-se bem mais desta selecção, recheada de jogadores talentosos, pagos a peso de ouro e que fazem parte das melhores equipas europeias.

Mas é futebol, e pelo menos agora vamos ter uma acalmia, sobretudo nas televisões onde o tema era omnipresente em todos os canais.

20 de junho de 2021

11 contra 11 e no final volta a ganhar a Alemanha

Tal como no jogo  de Sub-21, a Alemanha ontem voltou a "puxar as orelhas" a Portugal. Não que sejamos meninos mal comportados mas porque, regra geral, somos fraquinhos, porventura fortes juntos dos fraquinhos. 

O nosso pobre futebol, que de forma surpreendente, quase milagrosa, conquistou o Europeu de Futebol em 2016, pode ser premiado uma vez, mas esperar que tal aconteça duas vezes já será milagre a mais. Pode ter sido mais que suficiente contra uma selecção magiar em Budapeste, mas contra adversários com o calibre da Alemanha, França, Espanha e Itália, a coisa fica bem mais difícil. Ainda Bélgica, Holanda, Inglaterra, etc.

Posto isto, e porque ainda temos todas as possibilidades de avançar para os oitavos de final da competição, até mesmo perdendo o último jogo da fase de grupos, pasme-se, temos que jogar bem melhor para poder avançar na prova e mostrar os galões de campeão europeu, mesmo que isso valha pouco pois bem sabemos como o conseguimos (a jogar pouquinho, pois claro).

Vamos, pois, derrotar a França, nem que seja com a ajuda do S. Patrício e um novo coelho da cartola, mesmo que não esteja lá o Éder.

3 de junho de 2021

Pobreza num regime democrático? Oh, não!

Há dois anos o presidente da nossa república, Prof. Marcelo, alertava para a existência de mais de dois milhões de portugueses em situação de pobreza. Repetiu a dose por estes dias em visita ao Banco Alimentar, onde exortou os demais portugueses (sendo que ficamos a saber se os ricos ou os menos pobres) a serem solidários e ajudar aquela instituição para que por sua vez possa apoiar quase meio milhão de famílias.

No meio desta realidade, não me espanta a dimensão da mesma; espanta-me que ainda se passe a ideia de que esta situação de pobreza era uma das características marcantes do antigo regime, coisa que, como se sabe e para quem já não se lembra, terminou há quase meio século.

Afinal de contas, esta nossa democracia madura e sólida, com instituições fortes e estáveis, ainda não conseguiu sanar essa coisa chamada pobreza. 

Mas vamos fazendo de conta que tudo está bem e malhar no ferro frio ajuda a disfarçar as verdadeiras causas. É que democracia e liberdade são coisas bonitas e necessárias mas não enchem a boca a quem tem fome nem sustentam as muitas necessidades de uma família tipo, padronizada por excesso de consumismo, encargos insustentáveis e uma pesada carga fiscal, aliada a uma política que incentiva o parasitismo e subsidiodependência antes de premiar o trabalho e o empreendedorismo.

30 de maio de 2021

Isto é gozar com as pessoas

O assunto da ordem do dia e dos últimos dias, que não tem passado despercebido, até porque toda a comunicação tem feito disso importante notícia de abertura, como se nada houvesse de mais importante no planeta, mostrando adeptos ingleses em pleno convívio e farra sem respeito pelas elementares regras de segurança face à pandemia Covid-19, parece merecer uma opinião mais ou menos consensual de muita gente, de anónimos a especialistas de Saúde, quanto ao desrespeito, incoerência e incongruência face ao que é pedido aos portugueses. 

Ainda ontem, enquanto toda aquela anarquia acontecia em vários pontos da cidade do Porto, a Protecção Civil enviava SMS aos portugueses a lembrar a obrigação do uso da máscara, do distanciamento social e a proibição de consumo de bebidas alcoólicas no espaço público. 

Cada um ajuizará com bem entender, mas para mim, e creio que para muitos, mais do que uma recomendação a ter em conta, essa SMS é uma pura provocação e ofensa pela incoerência e dualidade que revela. Isto é a brincar com as pessoas e fazer das mesmas anjinhos. 

Anda-se a obrigar as pessoas a regras mais ou menos apertadas, a proibir convívios familiares, a limitar número de pessoas em restaurantes e depois permite-se essas excepções, por mais importantes que sejam para a economia. Se o caso é a importância económica, então que se abram de forma plena todos os sectores.

Mas, no fundo, tudo está bem, porque apesar da bolha ter rebentado como um grande peido, se se fizer uma sondagem amanhã, o Governo e o partido que o sustenta estará mais uns pontos à frente nas intenções de voto.

Já cantava a Ana: "Quanto mais me bates, mais eu gosto de ti".

26 de maio de 2021

A feira das vacinas

As últimas notícias e testemunhos têm dado conta de alguma ou mesmo muita falta de organização nos processos de vacinação contra a Covid-19. Multidões à espera durante horas, apesar de em teoria todos terem uma hora marcada previamente.

Mesmo em Santa Maria da Feira a coisa também tem andado mal. Na era da digitalização em que já não se dá um peido sem que o mesmo possa ser registado e controlado por uma qualquer app, ainda subsistem algumas coisas bem à moda antiga e na base do "tudo à molhada e fé em Deus". Ainda por estes dias, não havia vacinas para os utentes agendados.

17 de maio de 2021

É tão saboroso pagar IMI

Acabei de pagar a minha primeira de duas prestações anuais do IMI - Imposto Municipal sobre Imóveis. É tão saboroso pagar este imposto ao Estado, ou, através dele, à Câmara Municipal. No fundo é pagar uma renda de um prédio que não lhes pertence. Mais prosaicamente, é pagar para ser fodido.

Dizem, com razão, que será dos impostos mais estúpidos. Mas, acrescento, também dos mais injustos, e desde logo porque ao edificar-se uma habitação, já se pagou taxas e licenças.

Mas, como diz o outro, mesmo sabendo que é um roubo travestido de legalidade, que lhes faça bom proveito.

Em contrapartida, conheço alguns doutores e engenheiros que estando a viver nas suas belas e boas casas há dezenas de anos, porque, ao arrepio da lei, ainda não solicitaram licenças de utilização, vão escapando a este imposto estúpido, pagando valores mínimos e no futuro sujeitos apenas à liquidação dos últimos quatro anos. Há crimes e ilegalidades que ainda compensam.

Siga, que é Portugal!

12 de maio de 2021

Sporting é campeão

 ...E o Sporting é campeão do futebol maior do nosso Portugal. Merecido. Era um crime que em seu lugar fosse um Benfica fraquinho dirigido pelo mestre das táticas ou um Porto treinado por um arruaceiro e com uma cultura de mergulhos que só esta época lhe valeram quase 20 penaltis, o que contrasta com apenas 1 do Benfica.

Mas para além de tudo, e porque a coisa não passa apenas de futebol, ontem com os festejos da massa adepta verde-branca, ficamos todos a saber que esta treta do distanciamento social e uso de máscara é só para ajuntamentos de meia dúzia. Para largos milhares, bem juntinhos em gritos de alegria, a coisa passa ao lado. 

Nestas coisas e pela amostra, o Estado e as suas forças da ordem dão provas de que são fortes com os fracos e poucos e fracos com os fortes e muitos.