17 de setembro de 2021

Bons indicadores

 





É certo  que ainda continuam a ser muitas as necessidades no nosso concelho, nomeadamente nas que decorrem das assimetrias que ainda são marcantes no nordeste do concelho, comparativamente com o restante território, bem como de uma excessiva centralização, mas no global, reconheça-se, já muito tem sido feito, nomeadamente no desenvolvimento económico a que se refere o indicador acima e que desemboca numa baixa taxa de desemprego, mas também uma melhoria notória na requalificação da rede viária, durante anos destruída pela instalação das redes públicas de águas, esgotos e gás. 

De resto, se alguma coisa foi realizada nestes quatro anos em Guisande ao nível das pavimentações, tal deve-se quase exclusivamente à acção e orçamento da Câmara Municipal. 
Não sendo, obviamente da responsabilidade da Câmara, há obras e melhoramentos a realizar, que já foram promessas postas no papel há sete e quatro anos, como a requalificação do Monte do Viso, requalificação da envolvente da igreja matriz e polo da junta, requalificação da envolvente do edifício da habitação social, etc. O esforço e empenho pela abertura e pleno funcionamento do Centro Social devem ser reforçados. O papel da Câmara Municipal é tão mais importante para uma freguesia quando esta é manifestamente ignorada pela Junta local a quem cabe primeiramente promover as obras da sua competência.

Assim sendo, num contexto geral, para a Câmara Municipal de Santa Maria da Feira, obviamente que o Dr.  Emídio Sousa tem tudo a seu favor, como a experiência e provas dadas, por isso, de longe, aquele que se se apresenta como o melhor dos candidatos a dirigir o destino do município durante os próximos quatro anos.. 

Creio que este seu terceiro mandato, naturalmente a ser confirmado ou não pelos feirenses nas eleições do próximo Domingo, será ainda de mais extrema importância para a consolidação do desenvolvimento do território. Até porque a ser reeleito será o seu último mandato e certamente quererá deixar consolidadas algumas das áreas que se consideram como importantes nos diversos índices de desenvolvimento do nosso território feirense. Há muito trabalho pela frente!

16 de setembro de 2021

Celestino Sacramento - A idade da dedicação

 



Se a cartada para algumas forças concorrentes for a de "provas dadas", Guisande terá objectivamente em Celestino Sacramento um exemplo concreto. 

É certo que pelo seu já longo contributo de cidadania em prol de Guisande, e que ainda perdura, não só como vice-presidente do Centro Social S. Mamede de Guisande, mas como elemento activo ligado aos movimentos da paróquia, seria merecido o descanso e faria sentido que para estas lides da política e disputas eleitorais o candidato representante pelo PS fosse alguém um pouco mais novo, mesmo que igual e obrigatoriamente conhecedor da realidade da freguesia. Todavia, este tipo de personalidades, reconheçamos, da esquerda à direita, são aves raras, ou espécies por descobrir. Por isso, a norma, e mesmo para o futuro, será o dar lugar a ilustres desconhecidos e desconhecedores.

Assim sendo, louve-se o esforço e dedicação do Celestino Sacramento, de longe, de todos quanto integram as diferentes listas à Assembleia da União das Freguesias de Lobão, Gião, Louredo e Guisande, aquele com mais provas dadas, conhecimento profundo e dedicação por Guisande, que de forma voluntariosa avança para um segundo mandato depois de  há quatro anos ter levado o PS a vencer na freguesia de forma retumbante. Será para repetir? O povo, que é livre e soberano na escolha, o dirá!

Fim da união das freguesias...Mais nada!

 



O BE - Bloco de Esquerda concorre à Eleição para a Assembleia da União das Freguesias de Lobão, Gião, Louredo e Guisande, com a jovem Raquel Reis como cabeça-de-lista, a qual, para mim e creio que para a maioria da população, é uma ilustre desconhecida. Qual o seu percurso de cidadania e qual o grau de conhecimento da União? O infomail não nos diz, mas indica que uma das suas propostas, logo a abrir, passa pelo "Fim da União das Freguesias". Sintomático!

Já todos percebemos que o fim das uniões, como quem diz a reversão da "cagada" Relvas e do Governo PSD-CDS-PP, não será fácil e até mesmo o Partido Socialista não quer mexer muito na "bosta" porque de algum modo se adapta e ganha com ela. Por isso o mais provável é que, no geral, a coisa se mantenha a cheirar mal, com perda notória para as populações. 

Mas ao BE, tal objectividade, que será bem mais importante no contexto nacional, na hora de negociar com o Governo PS, por si só é positiva e digna de nota.

10 de setembro de 2021

Flor-de-sal e massa-mãe


O Nóquinhas dos Anzóis continua a sua saga de publicar no Facebook tudo o que come. Pois bem, para fugir da habitual pescada cozida e ovos mexidos, a sugestão do chefe, para hoje, será de um arrozinho carolino de descascagem manual, levemente fumado em lume brando com pau de loureiro, com feijão manteiga de cultura biológica envolvido num estrugido de cebolinha vermelha castigada com flor de sal e aromatizado com azeite biológico da zona do Vale da Porca.

A dita nova cozinha portuguesa tem destas coisas e os ditos chefes aprimoram-se não só em reduzir as porções como em arranjar narrativas para descrever os ingredientes e a sua preparação e empratamento como que a convencer o auditório que acabaram de descobrir a pólvora ou reinventar a roda. 

Afinal andamos há décadas a comer arroz com feijão, lorpamente ignorantes da complexidade da coisa. Já agora, escusado será dizer que a panela de arroz na imagem acima, na versão de moderno chef(e) dará para servir uma dezena de comensais. Seis feijõezinhos por boca. O arroz, por ser mais miudinho e chato de contar, a olho, uns 100 grãozinhos. Coisa fina, que isso de comer muito e pagar pouco é coisa de labregos.

Coisas de flor-de-sal e de massa-mãe.