Mostrar mensagens com a etiqueta Televisão. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta Televisão. Mostrar todas as mensagens

9 de março de 2020

As estrelas também dançam


Confesso que não tinha conhecimento, nem é programa que faça gastar um minuto da minha atenção, mas ontem soube por terceiros que o reality show da TVI "Danças com Estrelas 2020", conta com a presença de Ângela Costa (Angie), de 19 anos de idade, neta do Sr. Arménio Costa e da Sr.ª São, da Gândara, sendo filha do Mário Costa.

Pelos vistos a jovem é considerada como uma youtuber influencer (coisas modernas) e está a causar furor na sua participação, concorrendo com outras estrelas do entretenimento caseiro. Está apurada para a fase seguinte e para os fãs e entusiastas da coisa que queiram participar  na escolha, podem sempre ajudar a jovem votando através do número 760 303 005.

Dizem que concorre neste momento com estrelas como Paulo Pires, Margarida Corceiro e Soraia Tavares.

Ora como nestas coisas nem só a componente artística conta, mas também o peso dos tele votos, certamente que todo o apoio poderá fazer a diferença na escolha final.

8 de agosto de 2019

Rabiscos - Pipi das Meias Altas


Quem não se recorda da série de televisão "Pippi das Meias Altas", no original sueco com o título de "Pippi Langstrump" e noo inglês "Pippi Longstocking" ? Certamente que apenas os mais velhos.
A reboque dessa memória fiz o rabisco acima, com a sorridente Pipi e o seu inseparável amigo macaco Herr Nilson (por cá, Sr. Wilson).

A Pipi era interpretada por Inger Nilsson que em 4 de Maio passado completou 60 anos, já que nasceu em 1959. O nome da personagem ficou para sempre colado à actriz pelo que a mesma tem salientado publicamente que preferia não ser tão conhecida apenas por esse facto mas pelo todo da sua carreira, já que o seu trabalho tem sido diversificado, nomeadamente na televisão sueca e alemã, onde tem tido algum êxito.

A série de televisão baseia-se nos livros infanto-juvenis escritos pela também sueca, Astrid Lindgren.

Antes da versão para TV, "Pippi das Meias Altas" foi realizado como um filme para cinema, em 1949, então com Viveca Serlachius no papel da Pippi. 
A série para televisão, com produção sueca, teve o seu início em 1969 com continuidade até 1973, creio que com 13 episódios, sempre com Inger Nilsson no papel principal. 

Para além desta série, a que de facto popularizou a Pippi das Meias Altas, esta figura do imaginário infanto-juvenil teve ainda outras versões, nomeadamente uma soviética, em 1982 e uma americana, em 1988. Teve ainda uma versão de origem canadiana, em animação, com 26 episódios, em duas temporadas de 1997 a 1999, que também se tornou muito popular. 

Entre nós, a série "Pippi das Meias Altas" passou na RTP em meados dos anos 70, por isso a preto-e-branco.
Como não podia deixar de ser, então uma criança, eu, como muitos outros, assisti com entusiasmo infantil às aventuras da Pippi das Meias Altas e seus amigos. Creio que a série passava aos domingos à tarde.

Pippi era uma rapariga de 10 anos, com uma figura deveras característica, com as suas pernas altas e magras, vestidas com umas longas meias coloridas (donde lhe advém o apelido), cabelo ruivo, atado em duas espécies de tranças ou puxos laterais, com o rosto sardento, um nariz arrebitado e uns dentes um pouco salientes. Pippi destacava-se pela sua irreverência, permanente boa disposição mas sobretudo pela sua coragem e incrível força, que lhe permitia pegar com facilidade nas coisas mais pesadas. Penso que era essa a sua característica que mais fascinava as crianças de então que seguiam avidamente os episódios.

Entre nós, a série foi um êxito e como tal, por essa altura, entre outras vertentes de marketing, foi  editada uma caderneta de cromos, que coleccionei, cuja tema era dedicado ao filme "Pippi e os Piratas".
Pippi tinha dois inseparáveis amigos, os irmãos Tommy (Pär Sundberg) e Annika (Maria Persson) e ainda o inseparável macaco, chamado Sr. Wilsson. 

Neste filme, os amigos, em plena brincadeira, descobrem uma garrafa com uma mensagem de socorro, por coincidência enviada algures pelo pai de Pippi, o capitão Langkous, que tinha sido feito prisioneiro por um grupo de ferozes piratas, encontrando.se algures numa ilha do Pacífico. Então Pippi e os amigos (que estavam de férias), a bordo do seu balão voador, decidem ir à procura do pai para o resgatar.

Depois a aventura continua, entre muitas peripécias, com o confronto com os piratas e finalmente a libertação do pai de Pippi e o regresso de todos a casa, à Vila Revoltosa.
A caderneta, com uma dimensão de 238 x 335 mm,  é uma edição da Casa Arnaldo, sendo composta por 182 cromos, com fotogramas do respectivo filme. 

A caderneta tinha inserto um cupão que depois de preenchido dava direito ao sorteio de uma viagem à Suécia. 
As saquetas dos cromos tinham também senhas surpresa (250000), cada qual correspondente a 1 ponto. Depois, somando os diversos pontos  era possível reclamar vários prémios, tais como jogos, puzzles e livros, correspondendo a cada qual um determinado número de pontos de acordo com uma tabela impressa na caderneta.



6 de maio de 2019

A Viagem de Chihiro - Uma viagem com muitos pontos de chegada



Passou ontem na RTP 2, o filme de animação japonês "A Viagem de Chihiro", ("Spirited Away" no título em inglês). Certamente que terá passado ao lado da larga maioria dos consumidores de televisão e cinema. Confesso que pela minha parte, foi uma sorte e uma casualidade. Não sou, de todo, consumidor de cinema, filmes e séries em geral, mas um bom filme de animação cai sempre bem.
Uma boa surpresa, com 120 minutos de qualidade na animação e uma história num registo do fantástico ou fantasia mas com lições de vida e pontos de partida e chegada para várias reflexões sobre a perda das tradições e valores de uma sociedade que se deixa abater pela ganância, consumismo e desrespeito pelo ambiente e natureza, não só na sociedade japonesa como na sociedade global, sobretudo no mundo ocidental e industrializado. Há no filme, muito a aprender e a reflectir mesmo para além da janela infanto-juvenil em que se enquadra. Um filme muito adulto. Mesmo que visto meramente por um olhar gráfico e artístico, uma delícia.

"Com o lançamento em 20 de Julho de 2001, "A Viagem de Chihiro" alcançou um grande sucesso dentro e fora do Japão. O filme arrecadou mais de 30 bilhões de ienes – 228 milhões de dólares – se tornando o longa mais bem sucedido na história do cinema japonês, enquanto no exterior arrecadou 264 milhões de dólares. Aclamado pela crítica internacional, o filme é considerado um dos melhores da década de 2000, e um dos melhores filmes de animação de todos os tempos,
Em relação aos prêmios, ganhou o Urso de Ouro no Festival de Berlim, em 2002,[12] além do Oscar de Melhor Filme de Animação, em 2003. Também se encontra no top 10 da lista de filmes que deveria assistir até a idade de 14 anos segundo o British Film Institute."

[fonte: Wikipedia]

13 de junho de 2018

Benfica relegado para o último lugar


E pronto, Benfica, o bairro, ficou no último lugar (23º) no concurso das marchas de Santo António deste ano, uma prova em que o bairro de Alfama conquistou a vitória ( e vão três seguidas). 
Esta coisa das marchas de Lisboa até podem ter o seu quê de tradição e pitoresco mas ainda não percebi por que motivo todo o país, todos os anos, tem que apanhar com elas, em directo, pela RTP, a nossa televisão pública. 
Pelos vistos a coisa é de uma importância nacional pois até os também tradicionais casamentos de Santo António têm direito a directos e a horas e horas de cobertura televisiva. 

Toca a marchar, andar....

8 de maio de 2018

Parece que o festival da Eurovisão é por estes dias...


É verdade! Será por estes dias, culminando no próximo Sábado, que acontecerá mais uma edição do já velhinho Festival Eurovisão da Canção, a ter lugar em Lisboa. Logo após o Salvador Sobral ter carimbado o evento para Portugal, alguns líricos, incluindo feirenses, sonharam que o evento poderia decorrer num Europarque ou em qualquer outro sítio que não a capital, mas cedo despertaram para a realidade de que Portugal é Lisboa e o resto é quase paisagem.

Tenho dado pouca ou nenhuma atenção ao assunto, mas parece que o festival é coisa de muitos  milhares de pessoas e milhões de euros e espectadores, e que vai mexer com a economia portuguesa (lisboeta) e que toda a gente está a ganhar dinheiro com isso. Sinceramente, nunca percebi muito bem como é que Manel de Trancoso, o Zeca de Vinhais ou a Maria de Vila Franca de Xira virão a beneficiar com este "mexer" da economia. Mas são contas dos entendidos. Por mim, fico à espera de colher os dividendos de tão mediático acontecimento, porque, parecendo que não, há literalmente milhões que ainda se interessam por este tipo de eventos.

Por mim, não ía daqui a Lourosa para assistir a uma coisa destas, quanto mais a Lisboa, mas isso sou eu que não sou fã, porque se fosse teria que ir gastar o que não ganho e aguentar horas em filas por um bilhetinho para assistir ao vivo e a cores a uma das meias-finais para ouvir umas cantigazinhas de artistas anónimos provenientes da Europa de Leste e da Europa israelita e australiana. Restará a possibilidade de ver pela RTP, a entidade organizadora, mas nem por ali espero perder grande tempo. Como na bola, será melhor esperar pelos resumos finais depois do jogo.

Mas, fora brincadeira, é mesmo uma coisa séria e importante, dizem os especialistas, uma espécie de Liga dos Campeões de Futebol, por isso muito melhor que a Liga NOS do nosso humilde Festival RTP da Canção

16 de abril de 2018

A ilha de Black Mór



Eu sei que são opções, quase uma heresia à luz de algum fanatismo clubístico quase generalizado, mas como há vida para além do futebol (e que tal cultura?) em detrimento de assistir ao Benfica-Porto, ontem preferi ver o excelente filme de animação "A Ilha de Black Mor",  que passou na RTP 2, precisamente no mesmo horário em que decorria o jogo de futebol. 

Este filme de longa duração (85 minutos), de origem francesa, foi produzido em 2004, com um orçamento de 3,21 milhões de euros, dirigido pelo cineasta Jean-François Laguionie, um importante nome no mundo da animação gaulesa, sendo lançado em 2005. Desde então foi merecendo críticas muito positivas de vários quadrantes do mundo da animação, cultura e entretenimento. Claro que tem passado despercebido porque se situa à margem do circuito comercial do cinema de animação hollyoodesco.

O filme num registo de duas dimensões com cores planas com predominância de tons pastel e traços fortes, narra a aventura de Kid, um rapaz de 15 anos que em 1803 escapa de um orfanato situado na costa da Cornualha, onde está trancado e sujeito a um regime de quase escravidão e vai em busca do tesouro de um lendário pirata, Black Mór, do qual tomou conhecimento através de um velho professor do orfanato que nas poucas horas livres lhe lia um livro com a história do lendário capitão pirata.
No dia em que fazia 15 anos, Kid é chamado pelo director do orfanato que, seguindo as instrução do seu pai, deveria libertar o rapaz e entregar-lhe uma carta com instruções. Mas o director nega-lhe ambas e situações e tem a intenção de manter o cativeiro. Kid aproveita uma desatenção do director e escapa por uma janela, a única do orfanato sem grades, e cai directamente no mar envolvente ao estabelecimento, sendo, depois de buscas, dado como afogado.  Kid, porém, sobrevive e vai dar à costa sendo recolhido por dois estranhos que vão ficar seus comparsas na aventura da descoberta do tesouro. Com a ajuda desses companheiros e de uma rapariga, que leva de um mosteiro que assaltam na viagem (pensando ser um rapaz) consegue partir e descobrir o imenso tesouro, mas o maior de todos, para além da descoberta das suas raízes e identidade, descobriu a liberdade e o amor. O ouro e a prata ficam para trás porque para a frente é a liberdade do sonho e da aventura simbolizados no mar alto.

O enredo desta longa metragem absorveu inspiração no romance de aventuras "A Ilha do Tesouro" de Robert Louis Stevenson, e ainda em elementos fantasiosos ligados ao mundo de Júlio Verne,entre outras referências. Apesar de dirigido a crianças, o filme tem uma forte componente poética e mesmo uma abordagem técnica e narrativa mais adequadas a um público mais maduro. Em resumo, um filme para todas as idades.

Quem gostar do género, recomendo.




9 de novembro de 2016

Pedro 28 Dias

Afinal mobilizou-se um mini exército para andar atrás de um tipo que apenas diz ter roubado meio frango e ter lavado dinheiro sujo (quando com 60 euros atravessou a nado o rio Douro). Com a editora certa, pode escrever e vender com sucesso o livro "Como viver durante um mês com apenas 60 euros e manter o bom aspecto". A Sandra Felgueiras bem lhe pode fazer o prefácio.
É apenas uma opinião, mas não apreciei de todo o facto da RTP e Fátima Felgueiras terem-se prestado à montagem de um cenário digno da CM TV. Compreende-se a sorte de ter sido escolhida e chamada a Arouca, mesmo que diga que foi um furo jornalístico ( o tanas) mas não gostei e certamente muitos portugueses. Afinal na hora de esgrimir importância e exclusivos, a RTP não é diferente da CM TV e a entrevista, agora gerida ao sabor dos interesses da programação, deu-nos a conhecer um homem santo e inocente a toda a prova. Oxalá, para bem dele próprio e da família, que esteja inocente e disso consiga fazer prova, mas ou temos estado a ver filmes da Disney ou então estamos mesmo bem enganados.

Os filmes dizem-nos que nem sempre o que parece é, mas ou temos andado a ser enganados quanto às evidências do que se passou, ou então o Pedro Dias, ilustre arouquense, ainda vai ser candidato a Nobel da Paz, ou mesmo da Literatura, pois até contou uma melhor história do que alguma vez nos contou o Bob Dylan.
Mas vamos esperar que a Justiça se cumpra e até lá, o Dias é apenas um suspeito. Nada mais.
Com toda esta história e desfecho, a GNR reforçou nos portugueses a ideia de que é bem mais eficaz a aplicar multas. Bem que poderia mudar o nome para Guarda Nacional Rodoviária.

- A. Almeida