24 de julho de 2017

Esclarecimento

Já esclareci, por aqui, que terminado o mandato da actual Junta da União de Freguesias, do qual faço parte como vogal, não serei recandidato na lista do PSD que concorrerá nas próximas eleições autárquicas de 1 de Outubro de 2017. É pois um assunto decidido e encerrado. Por conseguinte, tendo sido formalizada essa decisão, os responsáveis pela lista ficaram com o caminho livre para convidar quem quer que fosse para minha substituição. Apesar disso, mesmo que me tenha sido solicitado, por não conhecer quem com interesse nem por querer interferir no processo, não indiquei nem sugeri qualquer nome como alternativo ao meu. Por conseguinte, quando tomei conhecimento oficial da pessoa escolhida foi já no dia seguinte à sua apresentação no jantar-comício do PSD realizado a 14 de Julho no Europarque.
Dada a naturalidade do assunto e da forma como decorreu, não deixo de achar estranho que já ande por aí a circular a ideia de que terei sido eu a indicar a pessoa e que terá sido escolhida em função das minhas supostas referências. Como tal não corresponde à verdade, serve esta nota para esclarecer que não tive nada a ver com a indicação da pessoa ou com a escolha feita. Como tal, qualquer informação nesse sentido é falsa. Não está em causa a pessoa, de resto por quem tenho apreço e estima, mas apenas a necessidade de salientar a verdade dos factos. O seu a seu dono.
Quanto à escolha, obviamente que não me pronuncio pois importa respeitar a opção de quem escolheu e convidou e naturalmente de quem foi convidada e aceitou. Apenas entendo que por uma questão de princípio, de resto estabelecido aquando da minha aceitação há três anos, caberia agora à representante de Guisande candidatar-se a ocupar o cargo de tesoureira ou secretária, promovendo-se assim uma natural e saudável rotação dos cargos no executivo de acordo com as freguesias representadas. Se sim ou não, e porque  sim ou porque não, é assunto que já não me diz respeito mas apenas aos envolvidos.

Américo Almeida

Ilustração - amores-perfeitos

- clicar na imagem para ampliar

22 de julho de 2017

Nota de falecimento



Faleceu Adelina Ascensão Pereira, de 92 anos, do lugar de Fornos. Viúva de António Correia Pinto e mãe de Maria Manuela Pereira Correia Pinto e Jorge Manuel Pereira Correia Pinto.
O Velório será na Capela Mortuária de Guisande, neste Sábado, dia 22 de Julho de 2017, com chegada do corpo às 17:00 horas. As cerimónias fúnebres terão lugar na Igreja Matriz de Guisande, no Domingo, dia 23 de Julho de 2017, pelas 16:30 horas, indo no final a sepultar em jazigo de família no cemitério local.
Missa de 7º Dia na Igreja Matriz de GuisandE, na Quinta-feira, dia 27-07-2017, às 19:00 Horas
Sentidos sentimentos aos seus filhos e demais familiares.

21 de julho de 2017

Outros tempos...


- Procissão Solene na Festa em Honra de Nossa Senhora da Boa Fortuna e Santo António - 1986

18 de julho de 2017

As minhas responsabilidades

Até ao momento não conheço na totalidade a composição e distribuição dos elementos na lista do PSD,  candidata à Assembleia/Junta da nossa União de Freguesias, nas próximas Eleições Autárquicas de 1 de Outubro. Sei, sim, que da equipa do actual executivo apenas o presidente será recandidato, de resto foi já apresentado oficialmente na última sexta-feira (14 de Julho) em jantar-comício no Europarque.

Por conseguinte, percebe-se que não se recandidatam os restantes elementos, a secretária (Louredo), o tesoureiro (Gião) e os dois vogais (Guisande e Lobão), nos quais me incluo. Independentemente das razões e motivos de cada um, pela parte que me toca, para além de outras razões, incluindo as pessoais, obviamente que saio porque desiludido e decepcionado. As coisas não correram de acordo com as minhas expectativas iniciais nem com as expectativas que em campanha, cara-a-cara, transmiti à generalidade dos eleitores, numa fundada esperança de mudança para melhor. Do programa eleitoral apresentado à população, dos sete pontos principais definidos para Guisande, em rigor nenhum foi cumprido, apenas um ou outro parcialmente, e já faltará tempo para que ainda se concretizem no presente mandato. Por outro lado não custa reconhecer que a Junta mostrou incapacidade nalguns aspectos básicos como a limpeza regular de valetas, ruas, espaços ajardinados e tapamento de buracos. Para estas dificuldades e incapacidades em muito contribuíram as responsabilidades e dívidas transmitidas por anteriores juntas, incluindo a de Guisande, que condicionaram o alargamento do reduzido quadro de pessoal, bem como um mandato encurtado devido às eleições intercalares, pois o que seria o primeiro ano foi gasto numa gestão corrente que adiou ou agravou algumas necessidades da União. Por outro lado, os inerentes obstáculos e custos com as mudanças decorrentes da nova organização administrativa. Mas percebe-se que estas são todas questões que a generalidade dos eleitores ignora ou não quer reconhecer, o que de resto é condizente com o desinteresse e pouca participação do público nas assembleias de freguesia.

Por conseguinte, mesmo que ocupando um cargo menor e sendo apenas um elemento numa equipa de cinco, sem responsabilidades directas no modelo de gestão seguido, diferente do que desde o início preconizei, em que defendia alguma autonomia para cada um dos representantes de cada freguesia, e porque entendo que as coisas não se resolviam com "murros na mesa" nem ameaças de demissão, sempre procurei cumprir as minhas obrigações, porventura acima do exigível a um simples vogal. Procurei priveligiar o diálogo e a cooperação em detrimento do confronto ou da ruptura, colocando sempre as questões e alertando para as necessidades que íam surgindo no dia-a-dia.

Neste contexto e num sentido geral, quando termina um ciclo e quando consideramos que nele não cumprimos os objectivos propostos e as expectativas criadas, mesmo que com naturais e pesadas condicionantes, temos que ter a ombridade de reconhecer o insucesso, assumir as nossas responsabilidades e sair de cena para dar lugar a outros. Pela minha parte é o que farei terminado o mandato e com ele um ciclo de participação e cidadania. É assim que funciona em democracia. O importante é que em todo o processo cada um tenha a sua consciência tranquila e sentimento de dever cumprido, e eu tenho seguramente. Daí, em grande parte, pela assunção desta minha responsabilidade, a decisão de não me recandidatar na mesma lista onde há três anos entrei como independente. Para o futuro, noutro ciclo, com outras pessoas e com outros projectos, tudo será possível.

Quanto a quem fica e a quem entra, por enquanto é assunto que não preocupa e sobre o qual não me quero pronunciar. Mas que façam obviamente o seu papel e deem o seu melhor e que o povo escolha, tanto quanto possível, ciente, consciente e esclarecido. O importante é que o território e a população sejam sempre tidos em conta, independentemente de quem venha a vencer e ser chamado a comandar os destinos da nossa União de Freguesias nos próximos quatro anos. Não tenho dúvidas que todos, por diferentes projectos e modelos de gestão, quererão o melhor para a nossa União e para cada uma das suas quatro freguesias, como não tenho dúvidas, também, de que independentemente de quem venha a dirigir a Junta no próximo mandato, terá bem melhores condições para realizar um bom trabalho, desde logo porque muito caminho já foi arrepiado e porque certamente a actual tesouraria não transmitirá calotes nem pesados compromissos que condicionem a sua acção.

Américo Almeida