2 de agosto de 2017

A água da Escola Primária do Viso e outras histórias

Há dias escrevia aqui, alguns dados documentais sobre a construção do edifício da escola primária da Igreja, que ocorreu no ano de 1969. Fiz então uma referência ao período temporal em que terá sido edificado o edifício da  escola primária do Viso, tendo considerando por alguns testemunhos que entre o final dos anos 40 e princípio dos anos 50.
Para de algum modo confirmar esta suposição, por estes dias pesquisei o livro de actas da Junta de Freguesia de Guisande desse período, em que era presidente da Junta o Sr. António Leite d´Oliveira Gomes Joaquim Gomes d´Almeida, secretário e António Francisco de Paiva, tesoureiro. 
A pesquisa foi curta e pouco exaustiva mas ainda assim dela colhi uma acta da sessão datada de 30 de Novembro de 1949, em que é mencionada a curiosa cedência/venda de direitos de abastecimento de água à escola do Viso, referida no documento como “novo edifício escolar”. 
Confirma-se assim que nessa data a escola já estaria edificada e concluída e por isso a necessitar de água. Por outro lado, considerando que a acta está reportada ao final do mês de Novembro, concretamente ao dia 30, será de supor que o ano escolar já teria começado, restando saber se já no novo edifício escolar, e se já com ou ainda sem  abastecimento de água, ou se a entrada ao activo aconteceria depois dessa data. Presumo que tendo este assunto sido motivo da acta da Junta em Novembro, o tal acordo de concessão terá ocorrido alguns meses antes, por conseguinte ainda a tempo de abastecer a escola por altura do começo do ano escolar (meados de Setembro, princípios de Outubro). É apenas uma suposição, mas não andará longe da verdade. Em todo o caso é uma situação a confirmar, eventualmente pesquisando o tal livro das actas a saber se há alguma referência quanto a esse pormenor ou então apelando à memória de alguém que tenha frequentado a escola no mesmo momento da sua entrada em funcionamento. Neste caso estamos a falar de pessoas que actualmente andarão na caso dos 74/75 anos, pois pressupondo uma entrada na primeira classe com 6 anos, para entrar em 1949 teria nascido em 1942/1943, por aí. Seja como for, é legítimo considerar e quase certo que a escola primária do Viso entrou em funcionamento em 1949 ou o mais tardar em 1950.

Voltando à questão do abastecimento de água à escola do Viso, é normal que fosse garantida uma solução de água de nascente, pois nessa época obviamente não havia rede pública e os poços eram poucos e os que havia necessitavam de rudimentares motores a petróleo, o mais vulgar, ou outro combustível, já que a freguesia por essa época  pós-guerra ainda não tinha rede eléctrica. Por conseguinte, entre a opção de encontrar água a uma cota elevada e pagar os respectivos direitos de exploração e passagem, o empreiteiro ou a entidade responsavável pela construção, acabou por encontrar uma solução no próprio local face à existência da rede de consortes. Independentemente do valor acordado como pagamento aos consortes, pelos tais 500 litros diários em dias de aulas, certamente que foi uma solução vantajosa para a entidade construtora ou adjudicante e com direitos perpétuos, tanto quanto se saiba. Obviamente que nessa altura ninguém suspeitaria que a então nova escola acabaria por fechar portas ao ensino passados mais ou menos 60 anos. O contrato de concessão eventualmente poderia contemplar uma cláusula em que a mesma cessaria caso o edifício deixasse de ter a função de escola, por demolição ou por abandono. É uma questão a verificar caso ainda exista algum contrato da concessão, mas creio que não. De resto, mesmo tendo passado para a alçada do Centro Social, o edifício continua ainda a poder beneficiar da água, mesmo que já com ligação à rede pública.

Por outro lado, face a essa necessidade de água de nascente, não custa a crer que a localização do primeiro edifício escolar público em Guisande tenha sido escolhida em função da tal possibilidade de abastecimento por concessão de uma rede de consortes. de facto na época não seriam muitos os locais a beneficiar desse tipo de abastecimento. Por outro lado, na época procuravam-se para as escolas locais arejados e com boa localização, por isso com boas garantias no Monte do Viso e próximo à capela.

Quanto à referida rede de água de consortes, da qual foi conbcessionada uma parte ao edifício escolar, esta provém de uma nascente localizada na encosta poente do Monte da Mó, cujo percurso, da nascente à escola, ronda quase 1 quilómetro. A nascente  está na base de um poço com mais ou menos 20 metros de profundidade e seguindo depois numa galeria com mais de 100 metros de comprimento, do poço à boca da mina a partir da qual segue em tubagem. Como se poderá perceber, à altura da edificação da escola do Viso, este abastecimento já existia há muitos anos e era à altura dos consortes referidos, dos quais se inclui o meu avô paterno. De resto a parte da água a ele pertencente ainda existe embora já dividida em três partes, uma das quais herdada pelo meu pai. A divisão da água pelas diferentes partes e consortes acontece num depósito distribuidor existente sobre o muro à face da habitação da Sr. Laurinda Almeida, minha tia. Dali parte para os diferentes consortes, incluindo a escola e a Casa do Santiago, nas Quintães.

Esta rede de água originalmente estava entubada em tubos de grés, dos quais ainda há vestígios,  depois em tubos de ferro galvanizado e mais tarde entubada em tubo plástico. A nascente é abundante e nunca secou embora devido ao “raposo” e à seca no Verão por vezes o caudal sofra uma redução. Com a abertura da Auto Estrada A32, no lugar do Outeiro, o ramal foi afectado e maltratado, como outras estruturas na freguesia, e tem estado em parte a céu aberto no troço a montante da sua passagem debaixo do passeio do viaduto. Depois do viaduto segue sempre enterrado até desembocar nos diferentes destinos. Entre o ponto mais alto (nascente) e o ponto mais baixo (Casa do Santiago) a rede tem um desnível de aproximadamente 60 metros (cota 290 até às cota 230). Já em relação à escola o desnível é de 40 metros. Em relação à caixa distribuidora o desnível é de 34 metros.

Abaixo um mapa com o percurso da referida rede de água, representado a traço vermelho da nascente à caixa distribuidora e a azul desta aos consortes. Algumas partes do percurso podem carecer de algum rigor, mas consideremo-lo como aproximado.

agua_viso

Quanto à referida acta da reunião de Junta, que abaixo se reproduz, para facilitar a leitura, a seguir transcrevemos a mesma na sua parte relacionada com o abastecimento de água ao edifício escolar. De notar que a importância  pelos direitos da água paga pelo empreiteiro aos consortes está com um espaço em branco, desconhecendo-se assim o respectivo valor e se tal foi deixado em branco de forma propositada ou por à data se desconhecer a quantia em concreto.

Acta da sesão da Junta de Freguesia de Guisande, concelho da Feira.
Aos trinta dias do mês de Novembro do ano de mil e novecentos e quarenta e nove, se reuniram em sessão ordinária presidente e vogais da referida Junta na sua sala de sessões pelas onze horas. Aberta a sessão disse o presidente que seria necessário e vantajoso constar no livro das actas, as condições que foram estabelecidas entre as autoridades da freguesia e os proprietários da água que abastece o novo edifício escolar. Consortes da referida água são os seguintes: Joaquim Gomes de Almeida; Manuel Pereira dos Santos, António Alves Santiago e Elísio Ferreira dos Santos, fizeram esta concessão mediante a importância de (...) cujo a qual foi entrege pelo empreiteiro da mesma escola, tendo os referidos proprietários declarado que deixariam seguir para o tubo que a lá conduz cerca de 500 litros por dia, excepto aos Domingos, dias santificados e feriados, isto é, naqueles em que não há aulas, e além disso também durante todas as férias, só no caso se for preciso para lavagem da mesma. (---)

acta_junta_novembro_1949